O Impacto do Abuso Infantil nas Relações Adultos de Mulheres

Crianças que foram vítimas de maus-tratos podem desenvolver problemas de regulação emocional que afetam muitas áreas de suas vidas. Alguns sobreviventes de abuso pode apresentar sintomas de estresse pós-traumático, ansiedade e depressão ao longo da vida. As habilidades de enfrentamento e relacionamento aprendidas na infância formam a base a partir da qual os comportamentos futuros evoluem. Foi levantada a hipótese de que as mulheres que sobreviveram a maus-tratos, na forma de abuso físico ou sexual ou negligência, terão desafios sexuais em relacionamentos adultos. Para testar essa teoria, Alessandra H. Rellini, do Departamento de Psicologia da Universidade de Vermont, conduziu um estudo envolvendo 192 mulheres com idades entre 18 e 25 anos.



O estudo se concentrou em como a regulação emocional, maus-tratos na infância, expressão sexual, satisfação sexual e intimidade no relacionamento estavam associados no contexto de relacionamentos adultos . As mulheres no estudo completaram pesquisas online descrevendo o tipo de abuso que sofreram e seu nível de intimidade, expressão afetuosa e satisfação sexual em seus relacionamentos atuais. Rellini descobriu que quanto mais severo o abuso infantil foi que as mulheres experimentaram, quanto mais insatisfeitas estavam em seus relacionamentos adultos. Isso era verdade no que diz respeito à satisfação geral e sexual do relacionamento. A gravidade do abuso também previu diretamente a gravidade do comprometimento da regulação emocional, que poderia ser indiretamente influente na satisfação.

Encontre um terapeuta

Busca Avançada

Em contraste com as previsões de Rellini, no entanto, os resultados não demonstraram qualquer associação entre deficiência de regulação emocional e intimidade ou expressão emocional. Isso foi bastante surpreendente, pois pesquisas anteriores sugeriram que sobreviventes de abuso tendem a ter desafios para manter relacionamentos sexuais emocionalmente saudáveis. Um fator que pode ter contribuído para esses resultados é a ampla categorização do abuso utilizada neste estudo. Especificamente, este estudo não examinou o abuso sexual separadamente de emocional ou abuso físico para determinar o efeito independente de cada tipo de abuso na regulação emocional. Apesar dessa limitação, Rellini acredita que suas descobertas fornecem evidências de correlações únicas entre maus-tratos na infância e relacionamentos adultos para mulheres, mas mais trabalho precisa ser feito. “Agora é necessária pesquisa para explorar a estabilidade de tais descobertas ao longo do tempo, a fim de determinar o curso do tempo e o sequenciamento da mudança entre as variáveis ​​estudadas”, disse ela.



Referência:
Rellini, Alessandra H., Anka A. Vujanovic, Myani Gilbert e Michael J. Svolensky. Maus-tratos na infância e dificuldades na regulação da emoção: associações com a satisfação sexual e no relacionamento entre mulheres adultas jovens.Journal of Sex Research49.5 (2012): 434-42. Impressão.



Copyright 2012 estilltravel.com. Todos os direitos reservados.

O artigo anterior foi escrito exclusivamente pelo autor acima citado. Quaisquer visões e opiniões expressas não são necessariamente compartilhadas por estilltravel.com. Dúvidas ou preocupações sobre o artigo anterior podem ser dirigidas ao autor ou postadas como um comentário abaixo.

  • 258 comentários
  • Deixe um comentário
  • belinda

    25 de setembro de 2012 às 15:17

    É meio difícil de acreditar nessa nova pesquisa, visto que, por muito tempo, todos nós ouvimos o quanto isso nos causa danos em nossos últimos anos. Sempre atribuí minha incapacidade de manter um relacionamento amoroso e comprometido devido aos medos que tenho por causa dos abusos que sofri. Eu estive errado todo esse tempo? Tenho usado isso como minha muleta, minha desculpa para não querer me aproximar de ninguém, sem realmente ser esse o problema?

  • Debra

    3 de janeiro de 2014 às 9h25



    Não, Belinda, não é uma muleta. Qualquer abuso pelo qual você passou pode prejudicar você e todos os seus relacionamentos futuros. A maioria de nós se esforça muito para seguir em frente e deseja muito uma parceria com alguém que realmente nos ame. Mas muitas vezes os demônios de nosso passado nos impedem de obter o que mais desejamos. Eu li livros e histórias sobre pessoas que foram capazes de curar e seguir em frente, então acho que é possível. Mas acredito que o dano que tantos de nós sofremos começou em uma idade tão jovem e foi duradouro e severo, que os laços emocionais que deveríamos formar nunca o fizeram e nos mudam para sempre. Nos primeiros anos de vida de uma criança aprendemos a confiar e aprendemos que estamos protegidos. Infelizmente para a maioria de nós aqui, as pessoas pelas quais deveríamos ser protegidos e em quem podíamos confiar eram nossos agressores. Portanto, não é uma muleta. Todos nós tivemos que encontrar maneiras de lidar com a situação sem as ferramentas de que tão desesperadamente precisávamos. Quando não temos essas ferramentas de enfrentamento, buscamos algo, qualquer coisa, para nos segurar e seguir em frente. Infelizmente, as coisas que tentamos não funcionam e, por isso, tentamos viver a vida entorpecendo as memórias por meio de drogas, álcool ou comportamento sexual impróprio. Não existem respostas fáceis para nós. Desejo a você tudo de bom e espero que você encontre um pouco de paz em algum momento de sua vida.

  • ms l

    14 de outubro de 2014 às 22h

    15OI fui abusado por minha mãe. Por volta dos 12 anos, ela começou a me bater com cintos e pontos. Ela me deu pelo menos 3 surras por semana. Tive de aprender a cozinhar desde os 8 anos. Nunca conseguia falar ou expressar meus pensamentos. Quando eu tinha cerca de 14 anos, tentei me matar, mas meu vizinho derrubou a colher de veneno de rato da minha mão antes que eu pudesse colocar a colher na boca. Eu estava com os nervos em frangalhos crescendo na casa. Quando eu fiz 15 anos, meu padrasto voltou para casa quando eu era babá e me pediu para fazer sexo com ele e ele iria impedir minha mãe de me bater. Três semanas depois, fui estuprada porque fugi de casa. Minha loja é dolorosa e as outras também. Eu compartilho sua dor. Agradeço a Deus por ainda estar vivo.

  • DF

    21 de dezembro de 2016 às 10:55

    Seus medos são compreensíveis. Compre, você deve tentar mais uma vez. A felicidade é merecida e você a receberá.
    Enviando amor e bênçãos.



    DF

  • Jeff

    19 de setembro de 2017 às 12h23

    Sim.

  • Joe

    28 de fevereiro de 2020 às 22h08

    Portanto, estou casado há 12 anos e, juntos, há 15 anos. Eu sabia sobre o irmão da minha esposa abusando dela e ela nunca falou sobre isso. À medida que minha esposa amadurecia e começava a lidar com isso por meio de vários conselheiros, as coisas em nosso casamento pioraram. Primeiro a intimidade se tornou um ato de bem, então as coisas pioraram ainda mais. Tornei-me a fonte de toda a sua raiva e amargura internas. Minha esposa começou a beber todos os dias, o que obviamente tornava as coisas ainda piores. Em outubro de 2018, ela disse se não consultarmos um conselheiro matrimonial. Tínhamos visto esse terapeuta e ele imediatamente a diagnosticou como uma criança com trauma e ela precisava de aconselhamento individual. Desta vez, eu estava tão inseguro e descentrado pelo comportamento de minha esposa em relação a mim que ele decidiu trabalhar em mim primeiro para me centrar e também ganhar sua confiança. Bem, isso só fortaleceu sua raiva e amargura em relação a mim. Ela imediatamente parou de usar sua aliança de casamento. Obviamente, minha reação a essa parede impenetrável não foi a melhor. Eu nunca xinguei ou fui violento, mas um ciclo vicioso começou. Contanto que eu não mencionasse nosso relacionamento, ela estava bem, mas no minuto em que mencionei qualquer coisa, ela começou a me dizer que estava emocionalmente segura. Em março de 2019, o terapeuta disse a ela que seu marido não pode fazer mais nada para mudar isso tinha que vir dela, então ele recomendou aconselhamento individual, mas ela nunca mais voltou. Bem, então ela decidiu que o casamento estava acabado. Infelizmente, ela não me disse que apenas seus amigos que coincidentemente me substituíram para todas as suas necessidades emocionais. Nos seis meses seguintes, ela tentou me atrair para discussões e no minuto em que eu disse algo, ela usou isso contra mim e não havia como falar. Comecei a dar tudo para Deus e não discutir nosso relacionamento. Achei que as coisas iriam melhorar, mas isso não aconteceu, ela ficou ainda mais retraída. Deixe-me adicionar isso à mistura de que temos uma filha de 9 anos e ela ficou paranóica que eu seguiria seu caminho. Uma noite, ela chegou às 2 da manhã bêbada e acho que ela estava cansada de teclar, então nem me deu um álibi que já havia meses antes de uma proposta de divórcio. Na manhã seguinte, ela disse que me contaria sobre qualquer comportamento inadequado. É a primeira vez que ela me diz isso. No domingo de manhã eu vi a igreja dela, nós dois trabalhamos como voluntários, ela veio e disse quando você voltaria para casa. Respondi depois da academia por volta das 13h. Então fui, chego em casa algumas horas depois de estar lá, ligo para ela e pergunto onde ela está. Sua resposta foi um grito me dizendo que ela terminou. Eu perguntei onde está Bella e ela disse comigo e desliga por 2 noites que não há comunicação, então vou recapitular depois de 18 meses sem emoção, afeto ou intimidade que senti que não tinha escolha a não ser pedir um pedido de casamento. A última coisa que eu queria, mas percebi que a amargura e a raiva haviam assumido completamente o controle. Quando meu. Ele notou que ela havia entrado com uma ordem de proteção contra mim e era cerca de 99% mentiras. A polícia veio à minha casa e me emitiu o TPO.mi não tinha permissão para ir a 500 metros dela e de minha filha. Laura está agora em uma missão, ela manda por fax esta ordem de proteção que inclui principalmente acusações, mas vai para a minha igreja. Então ela manda um fax para a escola de minhas filhas e para muitos dos meus vizinhos. Isso tudo para desacreditar de mim o marido e pai de sua filha. Ainda amo essa mulher, mas até que ela peça a ajuda de Deus, seu coração continuará amargo. Eu oro por ela constantemente e espero que ela cure

  • Heidi

    25 de setembro de 2012 às 16:16

    A mente de uma criança é como argila mole. Qualquer toque terá um efeito sobre ela e se um toque indesejado não for retificado, a forma indesejada permanece. Vários estudos mostraram agora experiências negativas e abusos durante a infância definitivamente afetam a pessoa em vários aspectos mais tarde em.

    E Belinda, muleta ou não, seu objetivo deve ser tentar sair da rotina, tentar e trabalhar para um relacionamento significativo. Não tenha medo, você pode superar seus medos. Você poderia procurar a ajuda de um profissional, se necessário .

  • Dona louise

    25 de setembro de 2012 às 16h20

    Muito interessante. :) !!

  • Gerrard

    25 de setembro de 2012 às 23h49

    Embora o abuso na infância e especialmente o abuso sexual possam prejudicar os relacionamentos de alguém em sua vida adulta, pode ser especialmente difícil para as mulheres, porque elas tendem a relacionar as relações sexuais com sentimentos e emoções mais do que os homens e uma experiência como essa pode assustá-las e evitá-las. relações sexuais saudáveis ​​mais tarde em suas vidas.

  • Brian Hollister

    26 de setembro de 2012 às 03h43

    Acredite em mim, se você foi abusado quando criança, não importa o quão forte e resistente você seja, isso terá um efeito sobre você e seus relacionamentos adultos.
    Quando você é criança e deposita tanta confiança nos adultos de sua vida, então as ações deles influenciam fortemente a maneira como você processa a vida e a maneira como, subsequentemente, você lida com seus próprios relacionamentos à medida que se torna adulto.
    É muito errado desculpar o comportamento deles contra você se foi abusivo e concluir que você está livre dele. Suas ações têm consequências e, infelizmente, a maior parte disso virá contra você.

  • Brooke

    10 de outubro de 2012 às 2h15

    Exatamente Brian. O abuso infantil em todas as suas formas é minimizado atualmente devido à falta de financiamento e conhecimento do verdadeiro efeito que tem no desenvolvimento da criança. A dificuldade de educar os pais sobre o que é considerado abuso infantil e o que não é não é tão simples como os outros pensam. Os pais às vezes não 'planejam' machucar seus filhos, mas o fazem conscientemente. Isso ainda é considerado abuso infantil. Sem dúvida, é um problema social que afeta todas as pessoas.

    Google Harville Hendrix, pois ele tem alguns livros muito interessantes sobre por que precisamos superar nossos problemas de infância para encontrar a verdadeira felicidade.

    Existem também muitos blogs por aí onde você pode seguir pessoas que blogam sobre como conviver com abuso infantil.

  • delayna

    26 de setembro de 2012 às 7h04

    Não entendo como alguém pode machucar uma criança dessa forma, especialmente considerando o que agora sabemos sobre o impacto que o abuso sempre tem em suas vidas adultas. Que vergonha quem diz que está apenas “castigando” a criança. Isso inflige danos muito mais duradouros do que uma simples punição poderia ou deveria.

  • Rainha

    26 de setembro de 2012 às 14h26

    “Quanto mais grave era o abuso infantil que as mulheres experimentavam, mais insatisfeitas ficavam em seus relacionamentos adultos.”

    Para não prejudicar aqueles que sofreram abusos menos graves, mas acredito que é muito necessário que os indivíduos afetados de forma muito grave sejam tratados de forma diferente do grupo anterior. Isso porque acho que as necessidades dos dois grupos seriam diferentes. Como o primeiro O grupo teria alguns problemas de relacionamento, mas seria capaz de lidar com um pouco de ajuda, mas o último grupo precisaria de ajuda e tratamento mais focados.

  • Charles A. Francis

    26 de setembro de 2012 às 14h34

    Concordo que o abuso emocional na infância pode afetar nossos relacionamentos na idade adulta. Aqueles que são abusados ​​quando crianças geralmente tratam seus filhos da mesma maneira, porque eles crescem aprendendo que esse tipo de comportamento é normal - e assim o ciclo continua. Portanto, a questão agora é: o que podemos fazer a respeito?

    Mary Sovran escreveu recentemente um artigo para nós, “Curando o abuso emocional da infância com a meditação da atenção plena”. Como o título sugere, ele incorpora a meditação da atenção plena para ajudar no processo de cura.

    Ela também descreve um exercício chamado meditação escrita, que, segundo ela, muda drasticamente a maneira como nos sentimos em relação aos abusadores. Ela disse que a meditação da atenção plena e a meditação da escrita permitiram que ela superasse as feridas da infância e tivesse relacionamentos mais gratificantes.

    Charles A. Francis
    The Mindfulness Meditation Institute

  • Helen

    26 de setembro de 2012 às 14h45

    Eu proponho que você descobriria que se esta pesquisa tivesse sido dividida e você olhasse apenas para as implicações que surgiram do abuso sexual, você veria que existem muitos problemas sérios que surgem ao se resistir a esse tipo de abuso. Descobri que muitas mulheres com quem trabalho que sofreram abuso sexual nas mãos de um companheiro, de um dos pais ou de qualquer outra pessoa ficaram marcadas para o resto da vida por esse tipo de maus-tratos. Por favor, não tome isso que eles enfrentaram com muita leviandade, ou poderia fazer com que se sentissem ainda pior. Muitas dessas mulheres já pensam que é culpa delas que isso aconteceu com elas - elas não precisam de mais negatividade do que aquela que já experimentaram.

  • Jaspe

    26 de setembro de 2012 às 23:57

    Eu adoraria ver algumas estatísticas e números sobre como os relacionamentos são afetados por aqueles que receberam atenção e cuidado imediatos em comparação com aqueles que não receberam. Estou certo de que os primeiros seriam melhores em seus relacionamentos e tais resultados mostrarão às pessoas o porquê buscar ajuda em um estágio inicial é muito importante!

  • Leighton

    27 de setembro de 2012 às 4h08

    Não vejo nenhuma maneira possível de você determinar que existem algumas maneiras pelas quais o abuso infantil não afeta os relacionamentos futuros e as capacidades emocionais. Fui abusado e, ao longo de alguns anos, conheci muitas outras pessoas que passaram pelas mesmas coisas que eu.

    Todos nós podemos citar várias maneiras pelas quais nossas vidas foram prejudicadas pelo abuso de que fomos vítimas em uma idade jovem. Foi positivamente desanimador para muitos de nós, algo que nenhum tipo de aconselhamento poderia nos ajudar a superar.

    Acho que dar a entender que existem pessoas que não têm nenhum problema com isso é ser bastante irresponsável e não compreender aqueles de nós que ainda sofrem como vítimas do passado.

  • Dawnmarie C

    7 de setembro de 2016 às 11h20

    Tenho 52 anos e ainda não superei a dor. Na verdade, ainda vacilo e ruídos altos parecem arrancar minha alma do meu corpo. Não pareço ter a capacidade de agradar alguém cujo autoproclamado especialista em deixar ir, cuja base foi construída sobre a funcionalidade. É minha convicção que nunca fui feito para ser amado ou feliz, mas para ser usado como uma ferramenta para ajudar os outros às minhas custas. Estou quebrado, meu copo foi danificado quando foi feito pela primeira vez, então alguma tentativa idiota de fazer meu copo parecer conter qualquer tipo de alimento é uma piada. Mesmo assim, o vidro só existe porque dá a ilusão de um conjunto completo. O solitário que nunca está sozinho. Nunca se sentindo aceito, mas ainda assim forçado, alimentou a culpa por torná-los responsáveis. Tento continuar a usar minha velha faca de manteiga enferrujada e quebrada como minha ferramenta completa, apenas para ser examinada e criticada pelo especialista de todos, exceto pelo mestre de ninguém. Eu sou o produto do fracasso narcisista que foi projetado para absorver o abuso contínuo para que meus abusadores não tenham que ter seus sentimentos feridos quando forem confrontados. Eu não tenho vida, eu nem sei quem eu sou.

  • DF

    7 de setembro de 2016 às 14h48

    a ideia de dor precisa parar para ver a luz. Leva tempo e esforço. Enviando amor, respeito e bênçãos.

  • Bekki

    24 de setembro de 2016 à 01h11

    Dawnmarie, também tenho 52 anos e sei exatamente como você se sente. É tão estranho que todos esses sentimentos e comportamentos tenham ficado fora de controle nos últimos 5-10 anos. Tenho certeza de que eles sempre estiveram lá, só que nesta idade, estou muito exausto de carregar toda essa culpa e auto-aversão por aí. Sou casada com um homem maravilhoso, gentil e generoso e temos uma filha de 15 anos. No entanto, eles me deixaram e agora, temo que o divórcio seja iminente. Nunca contei a nenhum dos dois sobre minha infância horrível, que foi preparada por nosso pai para mim e meus irmãos. A culpa, a vergonha e o medo nunca me permitiriam contar a ninguém. Talvez se eu tivesse dito a eles que soubessem que preciso seriamente de ajuda. Estou envergonhado de como tratei horrivelmente os dois - eu os empurrei e os magoei a ponto de eles só quererem se livrar de mim e eu não os culpo exatamente. O que é realmente doentio sobre tudo isso é que eu os repelei completamente e agora estou absolutamente horrorizado com a ideia de ficar sozinho. Preciso dizer a eles o quanto lamento os maus-tratos que infligi a eles e como não foi nada que eles fizeram. Essa doença perversa só ocorre na tentativa de me punir, expulsando-os da minha vida. Por mais desesperado que esteja para mantê-los em minha vida, sei que é melhor sem mim. Estou muito quebrado e não sou digno deles.

  • DF

    26 de setembro de 2016 às 5:03

    Bekki, a melhor abordagem é conversar com sua família. Eles merecem saber. É a única maneira de todos trabalharmos para ficarmos juntos como família. Enviando amor, bênçãos, incentivo e compreensão.

  • Buscador

    20 de dezembro de 2016 às 22h24

    Caro escritor,
    Quem é Você? Um guerreiro resiliente pela justiça! Vamos todos continuar a luta, nossa vitória e paz estão próximas<3

  • Paulo

    19 de janeiro de 2017 às 19h14

    Querida Dawn, você diz que não sabe quem você é ... você é uma mulher forte, é isso que eu acredito que você é. Você escolheu escrever e compartilhar com o mundo sua experiência e sentimentos. Isso exige coragem. Você merece ser amado e é amado. Eu entendo que você tenha dificuldade em sentir isso, e não pretendo saber como é. Eu gostaria de poder acenar uma varinha mágica e fazê-la ir embora, mas então você não seria quem é. A dor está moldando você, Dawn, e acredito que está preparando você para algo especial.

  • Porco

    25 de julho de 2019 às 23h07

    Suas palavras ressoam em mim. Eu não sou um bom abraçador. Eu sou tão estranho. Eu ajo apreciando a intimidade, 'tem que ser feito'. Acho que muitos de nós nos identificamos com seu discurso justificado. Eu com certeza faço. O senso de auto-estima que perdi após a morte de minha mãe aos 5 anos (quando o abuso começou) tornou-se meu senso de identidade normal. Estou com cinquenta anos agora, pois neste mês de julho e estou criando meus netos, com minha determinação de fazer o que é certo enquanto lutava sozinha no mundo, por mim mesma, me deixou orgulhoso de mim mesmo. Claro que tenho um TOC (leve) e fumo (não como uma chaminé), mas jurei que meus filhos e netos teriam UM crescido neste mundo que eles soubessem que se importasse com eles, que os protegeria incondicionalmente até a maturidade, pelo menos; um lugar para chamar de 'casa', mesmo que seja apenas no meu colo envolto em meus braços. Posso ir para o túmulo satisfeito por ter feito o meu melhor, mesmo se eu ‘falhei’. Eu fico com raiva, amargo, eu falo muito. Mas sei que minhas crenças e valores fundamentais me marcam como um ser valioso, por causa do que escolhi fazer aos outros, em vez de me avaliar pelo que os outros fazem ou fizeram comigo. Tente perdoar e esquecer os animais idiotas, e abane o rabo em sua própria direção. Você não precisa se sentir sozinho, você está em um grupo enorme de humanos que foram decepcionados. Você sobreviveu, e você sabe o certo do errado. Você está certo em se orgulhar de sua força interior, eu estou.

  • olaf

    27 de setembro de 2012 às 5:47 AM

    o único aspecto positivo que vejo aqui é que, se alguém aparecer no consultório médico com questões como essas, falar sobre o abuso no passado pode ajudar no diagnóstico e em um método de tratamento eficaz.

  • laura watson

    27 de setembro de 2012 às 15:51

    Mulheres e homens que sofreram abusos na infância geralmente vão procurar outras pessoas em quem possam confiar ou farão o contrário e afastarão todos. Então, eu realmente acho que isso poderia acontecer nos dois sentidos. Espero que existam muitos sobreviventes de abusos que tenham procurado ajuda para superar toda aquela dor que foi colocada sobre eles em tão tenra idade. É uma situação terrível para qualquer um ter de administrar. Torna-se especialmente difícil quando você deseja se aproximar de alguém em sua vida, mas está tendo dificuldade em romper toda aquela dor que sentiu antes. Espero sinceramente que artigos como este dêem a mais de nós a esperança de que a recuperação não precise parecer tão inatingível, que se tornou uma realidade para muitos sobreviventes de abuso e que é possível passar por essa jornada são e inteiros.

  • LeslieAnne

    28 de setembro de 2012 às 14h14

    Que tal olhar para um grupo de mulheres mais velhas da próxima vez? Os 18-25 ainda podem ser capazes de se livrar de algumas coisas, mas as mulheres mais velhas carregam isso com eles há muito tempo e, bem, eles podem ter sido assombrados por isso todo esse tempo.

  • Dawnmarie

    8 de setembro de 2016 às 14h08

    Estou totalmente de acordo. Eu tenho 52 anos e minha vida está completamente arruinada pelo silêncio do constrangimento que era apenas para proteger os perpetradores de sussurros de OMG. Deus me livre que haja uma vítima que não tenha chance de viver.

  • DF

    9 de setembro de 2016 às 8:20

    Enviando amor. O céu está guardando presentes para você e o amor está sendo enviado a você na Terra.

  • Senhorita t

    29 de setembro de 2012 às 12h14

    Fui abusado por homens em minha vida e isso me afetou por toda a minha vida. Estou na casa dos 30 anos, feliz no casamento, mas é tão difícil confiar nos homens. O que aconteceu comigo me fez querer me proteger e eu quero. Talvez demais?

  • DF

    26 de setembro de 2016 às 17:36

    Senhorita T,
    você superou problemas de confiança? que tipo de coisas ajudam você a confiar em seu parceiro?
    enviando amor para você.

  • Wrick

    6 de outubro de 2012 às 6h42

    Oi,
    Estou namorando uma garota há mais de 2 anos. Discutimos e brigamos por muitas coisas, assim como muitos outros casais. Percebi que ela perde a paciência com muito mais freqüência do que o necessário. Ela se acalma depois de algum tempo. Por causa desse temperamento, tem sido difícil em sua vida profissional. Muitas vezes ela tentou romper o relacionamento. Eu a persuadi a ficar comigo. Eu sei que ela precisa de companhia amorosa o tempo todo. A essa altura, também acho que ela também deveria fazer algum tipo de terapia, apenas para se conhecer melhor, apenas para se tornar autoconsciente. Se alguém tiver experiência semelhante ou conhecer alguém que negligenciou a infância, pais adotivos e abuso na infância e obteve ajuda por meio de terapia, entre em contato comigo. Estou interessado em encontrar o terapeuta certo para ela. Eu só não sei onde fazer essa pesquisa.

  • Brooke

    10 de outubro de 2012 às 15:49

    Wrick, fico triste em saber que vocês são namoradas, embora sua história pareça nostalgicamente familiar.

    Fui abusada quando criança e, meses atrás, tive um relacionamento com um cara que praticamente me deu um ultamatm. Se precisar ir ver um psicólogo (eu ou com ele) imediatamente ou o relacionamento acaba. Eu não acabei vendo um, até que nós terminamos. O dia seguinte!

    As pessoas precisam entender que terapia ainda não é um termo socialmente aceito. É um assunto delicado que deve ser tratado com o maior respeito. Algumas pessoas são muito defensivas e até ficam com raiva quando você sugere que elas podem precisar de terapia. Saber como abordar uma pessoa com esse assunto é essencial para ser eficaz em fazer com que seu ente querido procure ajuda.

    Wrick, por experiência pessoal, é um tanto difícil fazer alguém procurar ajuda se essa pessoa não percebe ou quer admitir que tem um problema. Nunca procurei ajuda porque meu ex-parceiro me assediava porque eu não achava que havia algo de errado comigo. Eu também tinha vergonha de procurar ajuda e, honestamente, só fiz isso no dia seguinte ao rompimento para tentar reconquistá-lo. (Embora eu tenha persistido e visto um terapeuta nos últimos 10 meses)

    Se depois de abordar cuidadosamente o assunto com ela, com extrema sensibilidade, (você também pode usar que VOCÊ acharia benéfico se ela fosse com você para a terapia, já que as pessoas preferem fazer coisas para ajudar os outros do que a si mesmas), ela se recusa a pedir emprestado / comprar livros para ela ler, para melhorar seu conhecimento e autoconsciência. Isso realmente me ajudou mais do que terapia. Embora tenha sido minha terapeuta quem me emprestou um dos livros de Harville Hendrix, e eu comprei dela e comprei outros livros no eBay depois.

    Recomendo os livros mencionados acima como ponto de partida em seu relacionamento. Existem muitos outros livros por aí. Veja qual você gosta e acha útil.

    Tudo de bom.

  • Marie

    2 de julho de 2016 às 19h58

    Eu adoraria compartilhar minha história e como estou ajudando a mim mesma. Nós filho semelhante.

  • sw

    8 de outubro de 2012 às 21h18

    Tenho lido todas as suas postagens. Eu tenho que adicionar a isso, eu vivi abusos quando criança, devido a um pai alcoólatra. Tenho visto e ouvido coisas que ninguém, em qualquer idade, deveria passar. Depois que o álcool parou, era apenas ... uma raiva ... Eu, até hoje, não posso confiar em ninguém. Nenhum dos meus relacionamentos jamais foi ... aberto. Escondi tantas coisas por dentro, é muito doloroso reviver, ou mesmo contar toda a minha história para qualquer pessoa, uma vez que você conta a alguém seus medos, eles podem mostrar a você a qualquer momento. Sinto que estou sozinho nisso, ansiedade o tempo todo, ataques de pânico, constrangimento social, não tenho ou mesmo quero amigos íntimos. Certa vez, trouxe para casa uma carta de um amigo da escola, quando meus pais descobriram, eu tive a porcaria fora de mim. Eu não tinha permissão para compartilhar meus sentimentos, quando eu parecia chateado ou preocupado, eles presumiam que eu estava drogado. Estive protegida durante toda a minha infância, nunca tive um encontro até os 20 anos, nunca fui ao baile ou ao baile, nunca fui a um jogo ou concerto, agora tenho 37 anos e viajo a mais de 30 milhas de casa. eu em pânico. Eu preciso de uma pedra, algum tipo de estabilidade, um lugar seguro, será que algum dia encontrarei ??????

  • Dee

    10 de abril de 2014 às 23h36

    Ler sua postagem me causou muita dor. Estou chorando porque sua história é a minha história. Estou casado agora e não sei como explicar às pessoas como foi crescer com a psicose que você testemunha ao crescer com alcoólatras. Os jogos mentais eram os piores. Ser culpado por coisas que não eram minha culpa. Foi uma tortura. Posso dizer honestamente que joguei mais alfinetes do que uma vítima de haulocast. Houve tantos dias que eu gostaria de morrer. Se as vítimas do haulocast tiveram uma saída tão bonita, por que não eu? Amanhã devo começar minha vida perfeita de novo. Eu tenho um ótimo marido e um filho lindo, mas lá minhas memórias podem ser marcantes do que carrego comigo como minha segunda pele. Eu faria qualquer coisa para que essas memórias fossem apagadas. Qualquer coisa.

  • Deborah P

    3 de agosto de 2016 às 11h26

    De qualquer forma, sinto e penso por mim que ser uma sobrevivente de abuso sexual, emocional e físico me ensinou que sou forte e posso expressar meus sentimentos artisticamente e poeticamente, apesar da intenção do agressor, que era me silenciar e me deixar com medo. Embora ainda sofra de sentimentos de vergonha e ansiedade, tenho orgulho de dizer que, apesar do abuso, posso continuar, um dia de cada vez, e gostar de ser bom para mim mesmo. Sim, os relacionamentos têm sido uma luta, seja com um homem ou uma mulher, mas estou aprendendo a amar a mim mesma e a meus talentos. A vida para mim no momento ... é um presente ... não uma tortura. Espero ter ajudado outras pessoas.

  • Maggie

    21 de outubro de 2016 às 14h10

    Olá, posso me relacionar muito com a sua história. Eu não sabia nada além de insegurança e não pude confiar em ninguém durante a maior parte da minha vida. Eu também experimentei eventos espirituais / poltergeistic por dez anos e estava constantemente cheio de medo e nada ajudava e eu não podia confiar em ninguém. Após anos de medo, permiti que alguns cristãos orassem por mim e as coisas espirituais pararam - literalmente da noite para o dia após anos! Descobri que existe um Deus que me ama e para ser sincero entendendo que foi o início de uma longa jornada de cura e aprendendo a confiar. Agora eu ajudo de uma forma abrupta com outras pessoas que têm problemas semelhantes de ansiedade e confiança e vejo muitas outras curadas e transformadas da mesma maneira que eu. Eu aprendi dois instrumentos musicais e canto. Eu faço coisas que amo e gosto e ajudo pessoas e animais que também amo. Eu conheço Deus / Jesus como minha rocha… mas dessa segurança muitas outras coisas boas surgiram ……… o mesmo está disponível para todos, então não desista, há muitas pessoas boas por aí - e lembre-se deste pensamento valioso. Não nos foi ordenado SER amados - apenas fomos ordenados a Amar! E nos dizem que não é mais abençoado dar do que receber ... comece por aí e você ficará surpreso aonde isso o leva ... Depois de pedir a Deus para ajudá-lo (de verdade!), Você sentirá uma mudança em seu coração. E se for muito difícil de fazer sozinho, peça a alguém que você sabe que é honesto e atencioso para guiá-lo no sentido de conhecer a Deus ... Deus abençoe xxxxx

  • Wrick

    15 de outubro de 2012 às 15:29

    Oi Brooke,

    Obrigado pela nota e pelas ofertas do livro. Estou pesquisando esses livros.

    Em resumo, ela foi abusada fisicamente e uma vez talvez sexualmente abordada por seu padrasto.

    Se eu disser isso, acho que seria benéfico se ela fosse aos terapeutas, tenho certeza de que ela pensaria que, de alguma forma, acho que ela não é uma pessoa completa e estou tentando encontrar defeitos nela. Ela é extremamente sensível a isso. Qualquer pequena dica de que ela possa estar errada a deixará completamente irritada. Cheguei a um ponto em que eu simplesmente preferiria ficar quieto e não falar nada. E isso vai piorar. E eu optaria por saídas.
    E para ser honesto, ela estaria certa muitas vezes ou na maioria das vezes, mas a maneira como ela reagia a qualquer sugestão que ela pudesse estar errada é com muita animosidade (para dizer educadamente)
    Depois de algum tempo, eu me sentia mal e voltava a falar com ela e o ciclo se repetia. Isso não levará o relacionamento a lugar nenhum e, francamente, estou mais preocupado com ela.

    Mais algumas pessoas podem vir e discutir como eles superaram seus problemas (é claro, anonimamente).
    Estou curioso para saber sobre os seguintes itens:
    1. Como era seu relacionamento com os amigos. Você teve sucesso em ter / manter muitos amigos? Você teve que mentir para seus amigos.
    2. Como isso afetou seu relacionamento? Seu namorado ou marido teve que fazer algo especial ou mais compreensivo. Se você der alguns exemplos específicos
    3. Você foi a terapeutas e se sim, em que ponto do tempo você foi.
    4. Que tipo de terapeuta você procurou? Existe algum tipo de terapeuta especializado? Como encontramos aquele que é certo para você.
    Espero que mais pessoas respondam ou me indiquem o fórum de discussão correto.

  • Pat

    17 de outubro de 2012 às 8h11

    SW, sua história parte meu coração e me parece tão familiar. Infelizmente, não tenho respostas para você (ou para mim) que nos ajudem a superar nossos problemas de confiança e seguir em frente. Eu só queria dizer que você não está sozinho em se sentir assim, parece que tem uma coragem fenomenal e, onde quer que esteja, estou lhe enviando um grande abraço. Vou lembrar de você em minhas orações.

  • Água

    29 de outubro de 2012 às 18:54

    Em 2006, minha ex-esposa negou o passaporte de minha filha para me impedir de levá-la para os Estados Unidos. Um indivíduo que desde então não teve nenhum cuidado com uma criança; depois que uma parteira da John R. Radcliffe caiu para que você fosse a enfermeira de seu próprio filho. Desde o momento em que deixei a Inglaterra; minha filha vive em casa suja de pais ex-esposas; violência doméstica contra mim pai e filho, criança não recebendo vacinação vencida duas vezes, cabelo destruído, milho e calosidades nos pés, beetings, drogas ao redor dela etc ... Tenho violação da Convenção de Haia, agressão doméstica, tentativa de sequestro, criança perigo, mentir sob juramento, não pagar pensão alimentícia e roubar propriedade do governo. Não vamos entrar nessa porcaria de gênero. É hora de colocar as coisas em ordem; nenhuma mãe ou pai tem o direito de remover nenhum dos pais da vida da criança. Os juízes deram nossos filhos a mulheres com base na ação de mulheres como minha avó. Eles cuidaram das crianças e não abusaram delas. Não era sobre si mesmas e dinheiro que as mulheres usam para crianças hoje. Nota; como minha avó e não minha mãe. Meu pai me criou, como a maioria dos homens faz há décadas. Não vamos esquecer aqueles pais que criaram seus filhos bastardos que você teve enquanto dormia por aí. Tu que usaste o grito contínuo “os pais que não querem fazer parte ou que criam os filhos” não passam de propaganda. A propaganda costumava promover violações dos direitos civis e direitos iguais perante a lei no direito ao filho. As crianças na América estão em apuros por serem mortas pelas mães, seus namorados, outras crianças e pelo sistema judicial. Ninguém na América, especialmente as mulheres, deve se orgulhar dos problemas que nossos filhos enfrentam hoje. Eventualmente, os homens tomarão uma posição e porão fim a tudo; a fim de salvar nossos filhos. Desçam de seus cavalinhos, As mulheres não fizeram o trabalho; “As garotinhas estão tentando ser garotinhos” e “Os garotinhos estão tentando ser garotinhas”. Isso é o que acontece quando você remove aquela figura masculina da vida de uma criança. Americanos passam mais tempo tentando fazer-se parecer bons para o mundo, mas se o mundo soubesse como nós olhamos por trás de portas fechadas. Pessoas ao redor do mundo olhavam para cima e para a América como um país no qual acreditar e um lugar para ir e se livrar da opressão. Vivemos em uma nação oprimida; fazemos isso para nós mesmos e repetimos para nossos filhos. Apoie o que é certo apenas para as crianças e não para a discriminação de gênero. Essa ação precisa ser implementada imediatamente para salvar nossos filhos da destruição total.

  • Badlandsbabe

    11 de agosto de 2018 às 2h28

    Vee… Você deveria ter vergonha de si mesmo. Você não é um exemplo melhor do que as mesmas pessoas que nos trouxeram a este conselho em primeiro lugar. Fyi ~ VOCÊ é parte do problema e contribui muito para o que há de errado com a América, Inglaterra ou qualquer país a. este é um lugar de compartilhamento e cura, não um lugar de ódio. Se de fato você tivesse o melhor interesse de suas filhas no coração, você NUNCA estaria vomitando esse lixo misógino para todas as mulheres em seu discurso retórico estereotipado e patético, não é isso que os homens de verdade fazem, nem é o exemplo que você deve se orgulhar de dar …
    Newsflash ... Caso ninguém nunca tenha te contado, eu vou ... VOCÊ obviamente tem muita bagagem que VOCÊ PRECISA descarregar e lidar em um ambiente profissional como um consultório de psiquiatras antes de ousar sujeitar crianças, adultos ou plantas à sua ira. Não há nenhuma razão para qualquer um dos acima dispostos a morar com você de bom grado e enquanto você estiver nisso, você pode querer fazer algumas aulas de etiqueta porque seria necessário que você aprendesse algumas maneiras, acredite em mim quando eu digo não apenas sua filha agradece, depois de tudo que ela passou, ela merece. Bom dia e boa sorte, VOCÊ vai precisar.
    P.S. E ao contrário do ódio e do julgamento que você vomita sobre as meninas que querem ser meninos e os meninos querem ser meninas, faça um favor a todos nós e não se iluda ou se iluda pensando que ter um homem como você na equação é a resposta ... Porque não é apenas o problema, é a razão.

  • Michelle Carter-Douglass

    27 de novembro de 2012 às 22h12

    Esta noite meu coração bate por todos neste mundo.
    Meu coração bate por você esta noite.
    Estou orando por aqueles que sofrem esta noite.
    Estou orando por aqueles que ouviram mentiras.

    Leitor, amigo e do mundo, O Senhor ouve seus gritos.
    Sigh. . .

    Eu sei o que significa amar e odiar.
    Eu entendo o que significa ser frio dia e noite.
    Se eu pudesse te abrigar,
    Eu faria isso com amor puro.

    Para qualquer um que foi ferido,
    Fisicamente,
    Mentalmente,
    E emocionalmente - que Deus o edifique espiritualmente.

    Deus pai,
    As lágrimas da minha alma começam a fluir.
    Neste poema, posso curar minha alma.

    King Paper,
    Sobre esta mesa coloquei você.

    Deus pai,
    As lágrimas da minha alma oh como elas fluem.
    Neste poema, posso curar minha alma.

    Queen Paper,
    Em minha mão eu te seguro perto.

    Eu sei o que significa amar e odiar.
    Eu entendo o que significa ser frio dia e noite.
    Se eu pudesse te abrigar,
    Eu faria isso com amor puro.

    Para qualquer um que foi ferido,
    Fisicamente,
    Mentalmente,
    E emocionalmente - que Deus o edifique espiritualmente.

    Uma história na minha aula,
    Eu tenho tanta empatia.
    Para todas as boas mães. . .
    Eu dou este grito!
    Segure seus bebês perto esta noite.
    Saiba que estou fazendo o mesmo.

    Um filme da minha aula,
    Eu tenho tanta empatia.
    Para todos os grandes pais. . .
    Dou esta salva de palmas!
    Segure seus bebês perto esta noite.
    Saiba que estou fazendo o mesmo.

    Eu sei o que significa amar e odiar.
    Eu entendo o que significa ser frio dia e noite.
    Se eu pudesse te abrigar,
    Eu faria isso com amor puro.

    Para qualquer um que foi ferido,
    Fisicamente,
    Mentalmente,
    E emocionalmente - que Deus o edifique espiritualmente.

    King Paper, Queen Pen e meu Deus Todo-Poderoso,
    Deixe fluir,
    Deixe fluir,
    Deixe fluir.
    Proteja todos os famintos, feridos e com frio.
    Cure os corações daqueles que estão com raiva e luxúria.

    Meus olhos agora se fecham.
    Pausa.
    Em nome de Jesus Cristo Amém !!!

    Eu sei o que significa amar e odiar.
    Eu entendo o que significa ser frio dia e noite.
    Se eu pudesse te abrigar,
    Eu faria isso com amor puro.

    Para qualquer um que foi ferido,
    Fisicamente,
    Mentalmente,
    E emocionalmente - que Deus o edifique espiritualmente.

    Deus Pai, em Nome de nosso Senhor e Salvador,
    Jesus Cristo os edifica !!!
    Amém

  • vicanne

    1º de dezembro de 2012 às 17:52

    SW, estou apenas percebendo que sabotar meus relacionamentos não é simplesmente porque estou confuso, mas devido a muitos abusos físicos e emocionais que presenciei e experimentei quando criança e adolescente. Agora estou em um relacionamento maravilhoso com alguém que reconhece que tenho um problema (até mesmo além do meu conhecimento) e me encoraja a procurar ajuda. Ele me ama e apóia e por causa dele, finalmente, aos 30 anos, tratarei de quaisquer questões que tenho medo de reconhecer. Se eu encontrei essa pessoa, você também encontrará. Precisamos assumir a responsabilidade por nossos erros, mas todos precisam entender que pode haver coisas além de nós no trabalho. Você encontrará a pessoa que ama, que o ama e que compreende que o que você experimentou quando criança não é sua culpa. Por favor, entre em contato comigo se houver alguma coisa. Você merece o amor que deseja.

  • DF

    8 de junho de 2016 às 15h02

    Prezados,
    Tenho lido seus comentários e estou ajudando a entender como posso ajudar e apoiar minha esposa. Ela é vítima de abuso infantil e abuso sexual e enfrentamos grandes desafios em nosso relacionamento. Como posso abordar coisas que ela diz sobre si mesma, como: “Eu não me encaixo neste mundo”, “Não quero buscar aprovações”, “Se fiz algo errado, sinto que falhei completamente e chorei” “ sinto que obriguei a fazer coisas na minha vida que não quero ”.
    Eu a amo muito, mas preciso de algumas instruções para ajudá-la ainda melhor. Obrigado a todos. Amo todos vocês

  • Jane

    9 de agosto de 2016 às 12:57

    Fui abusado quando criança. Ninguém vai acreditar em mim porque ele é amado por todos e realmente ele é um bom homem. Mas eu acho a vida difícil, minto muito, tenho muito medo por dentro, mas esse lado não aparece para as pessoas. Todo mundo pensa que estou confiante e ativo. Eu posso colocar aquele sorriso. Mas meu casamento está desmoronando porque eu não sei quem sou meu verdadeiro eu e isso está nos separando. Não falamos muito mais, apenas passamos o dia. eu não quero machucar ninguém na família contando o que aconteceu.

  • Vamos

    10 de dezembro de 2012 às 23h43

    Para SW, tente deus, você pode encontrar a resposta aí.

  • PC

    5 de julho de 2013 às 6h50

    Eu pensei que era forte todos esses anos e agora descubro que sou BPD por causa do abuso em minha vida. Quando eu tinha 7 anos, meu pai me trancou em um trailer e ateou fogo. Aos 30, estou tendo pesadelos ... O meu foi extremo, mas muitas pessoas passam por piores e não saem com esse transtorno. É muito difícil ter que suportar uma vida positiva após as enfermarias.

  • Kelsey

    12 de julho de 2014 à 1h05

    Sinto muito que isso tenha acontecido com você, não consigo imaginar o quão horrível foi e espero o melhor para você, ninguém deveria estar fazendo o que seu pai fez! Espero que você encontre paz enquanto tento fazer o mesmo

  • css

    11 de outubro de 2013 às 14h42

    Atualmente, estou com o coração partido aos cinquenta anos, meu parceiro está à beira do colapso, ele está incapacitado e diz que não aguenta mais 'histórias de trauma'. Ele até disse que começou a me odiar devido ao que aconteceu comigo - eu represento a miséria para ele. Tudo isso agravado por eu fazer escolhas erradas por meio do meu físico mental emocional e (abuso sexual menor também, eu me senti péssimo porque não pude evitar o abuso de minhas irmãs por um homem velho) negligenciar o abuso terrível por minha mãe drogada movida a álcool, vários namorados e então bombshell - minhas filhas (uma minha enteada) foram abusadas e eu descobri durante meu relacionamento com meu parceiro que minha filha biológica também tinha sido e manteve isso para si mesma por 9 anos ... 8/9 anos pelo melhor amigo do meu irmão - além de estuprada no parque de diversões aos 14 anos em seu primeiro passeio “adulto” com suas amigas a 600 metros de nossa casa. Minha ansiedade e falta de motivação e ambição o fizeram sentir que estava enlouquecendo ... Eu acho que posso não ser capaz de salvar este relacionamento e eu quero desesperadamente, sou um artista e cantor talentoso e muitas outras coisas também, mas Acho que é tão difícil que ele começou a dizer coisas muito maldosas - Eu também tive febre glandular no ano passado, mas ele fez muito pela minha família, mas agora diz que não consegue lidar com 'sua sorte', minha irmã fez uma mastectomia dupla. Mãe, uma mulher incrível (de uma família de alcoólatras) morreu de câncer 5 anos atrás .. Estou em terapia e o terapeuta acha que ele está sendo muito mau comigo .. Eu posso ver os dois lados, e porque com danos nos nervos ele está descobrindo horrível ... uau, tenho tanta vontade de encontrar abusadores para minhas filhas e me vingar, mas sei que isso não adiantaria. ótimo arruinar outro relacionamento graças aos abusadores, obrigado mãe!

  • Debra

    2 de janeiro de 2014 às 21:28

    Não há terapia que possa curar o que tantos de nós já passamos. Passei anos em terapia. Não fez nada para me ajudar a curar e ser capaz de formar uma conexão verdadeira com alguém. Você não pode contar a alguém tudo o que você passou e nem mesmo esperar que eles fiquem por perto. Na verdade, descobri que os únicos que ficam são os outros doentes que, no final, usam e abusam de você também. Eles jogam de volta tudo o que você lhes disse na cara e usam contra você. Tenho quase 48 anos e ainda acordo gritando e lutando enquanto durmo. O agressor foi embora, mas o abuso em minha mente continua indefinidamente. NÃO POSSO ESCAPAR dos terrores noturnos em que revivo meu passado. É um câncer que está me corroendo desde o dia em que deixei a casa dos meus pais aos 18 anos. O abuso infantil é um câncer incurável que você dá a uma criança. Isso corrói sua mente, sua alma, seu coração. Ninguém além de nós (os abusados) realmente entenderá os efeitos eternos. Ninguém! Quando saí da casa dos meus pais, pensei aos 18 anos que seria livre. Mas não há LIBERDADE. Não posso escapar da prisão em que me colocaram. Isso nunca vai embora. Estou preso. Vou ficar preso até dar meu último suspiro nesta terra.

  • Suporte estilltravel.com

    3 de janeiro de 2014 às 12h15

    Obrigado pelo seu comentário, Debra. Queremos fornecer links para alguns recursos que podem ser relevantes para você aqui. Temos mais informações sobre o que fazer em uma crise em https://estilltravel.com/xxx/in-crisis.html

    Atenciosamente,
    A equipe estilltravel.com

  • Fofa

    11 de janeiro de 2014 às 4h05

    Ei Debra, entendi o que você está dizendo.

  • Amy

    11 de abril de 2014 às 6h44

    Eu ouço você, garota. Eu ouço você.

  • Qual

    12 de julho de 2014 às 22h56

    Concordo. O abuso que experimentamos nunca sai de nossas mentes. As sequelas sempre nos fazem reexaminar o abuso e seu impacto em nossa vida diária.
    É como um câncer da mente. Eu tento meditar o tempo todo .. Mas thatch ser apenas um desvio para enfrentar e não a maneira certa de perdoar e esquecer. Eu entendo o que você está passando, pois meu primo me molestou repetidamente aos 8 anos. Meus pais não acreditaram em mim e eu tive que sofrer em silêncio por 25 anos. Casei-me com um homem mau que também abusou de mim e o deixou e fugi do estado para voltar. Eu confiei em um estranho na academia que se tornou meu melhor amigo e me deu forças para enfrentar o problema aos meus pais e eventualmente confrontar meu agressor, porém a tortura da ansiedade, depressão, auto-culpa, dissociação do corpo, problemas de controle, pesadelos , e suicídio são questões diárias para mim. Tenho que treinar para olhar as pessoas nos olhos, porque sei que não foi minha culpa, mas senti que era porque meus pais me disseram para ficar de boca fechada. Estou agora com 32 anos e tenho medo de me envolver com alguém. Debra que Deus te mantenha forte, eu sei que é preciso muita vontade para continuar. Você não está sozinho e os outros sentem sua dor.

  • Nicola

    1º de fevereiro de 2014 às 7h31

    Tenho 40 anos e fui molestado pelo meu pai entre 12 e 14 anos. Tentei contar à minha mãe depois da primeira vez que aconteceu, mas ela acreditou nele e ele me puniu por mentir levando um cinto na minha bunda nua 24 vezes e então ele continuou a me molestar e a me dar cinturões por 2 anos até que eu contei à minha mãe novamente e ela acreditou em mim. Eu não o vi desde então. Nunca tive um bom relacionamento. Eu tenho um filho adolescente e estava em um relacionamento emocional e fisicamente abusivo com o pai dele. Desde então, não tive um relacionamento sério, embora eu adorasse um parceiro, eu desisti depois de 2 encontros, no máximo. Tive aconselhamento por volta dos trinta e poucos anos e acho que ajudou, já que não insisto mais no abuso e tenho um pouco mais de confiança. Sou incapaz de um relacionamento, embora deseje um!

  • Karen

    6 de fevereiro de 2014 às 6h44

    Eu posso me identificar totalmente com você Debra. Meu pai estava abusando de mim e minha irmã (meia-irmã do lado da minha mãe) desde o início. Meus pais se divorciaram quando eu tinha 3 anos e estive em lares adotivos até os 6 anos e então ele voltou para me levar para conhecer minha nova mãe, éramos só ele e eu na viagem de Oregon para o Texas e aquela primeira noite no hotel quarto ele começou com o abuso novamente e continuou até eu ter 12 anos. Então, para completar, minha madrasta me batia, ela me batia em qualquer lugar que pudesse agarrar meu pulso e cravar suas unhas neles, ainda tenho cicatrizes até hoje e estou na casa dos 50 anos. Minha meia-irmã (esta da minha madrasta) nunca foi abusada (ou pelo menos é o que ela afirma), mas muitas vezes éramos trancados em nossos quartos e uma vez que durava mais de um ano, só podiam sair para ir à escola. Nunca dissemos nada a ninguém porque tínhamos vergonha e pensávamos que era nossa culpa. Adulta, embora logo aprendi a nunca contar a ninguém o que aconteceu, cometi o erro de contar ao meu primeiro marido e ele nunca foi o mesmo comigo e nos divorciamos alguns anos depois, nunca pude ter um bom relacionamento com homens e estou solteira agora e não namoro ou saio. Eu fico em casa e fico sozinha. Meu agressor morreu em novembro passado e eu não sinto nada por ele e ainda assim as pessoas na minha vida dizem coisas como “bem, ele era humano e é meio triste”, elas acham que eu deveria ficar triste por ele ter morrido e que deveria mostrar-lhe mais respeito? Eu não posso fazer isso. Eu poderia escrever um livro enorme com todos os abusos pelos quais passei, mas não há espaço suficiente aqui para fazer isso, mas isso é só um pouco disso. Eu quero que você saiba que há muitos de nós lá fora e é verdade que apenas alguém que passou pela mesma coisa pode entender.

  • Amy

    11 de abril de 2014 às 7h25

    Meu pai era meu agressor. Muitas pessoas me perguntam por que você não se dá bem com seu pai? Oh, tente seu pai ... eles acham que estou guardando algum rancor mesquinho ou que sou imaturo. Até os 30 anos, me sentia na obrigação de ter laços com ele. Percebi que essas pessoas não têm a menor ideia. Meu filho de 6 anos na época e seu pai pensaram que eu estava sendo mau e não sabiam por que não o fiz. Como vovô. isso foi até que ele veio visitar o desconhecido ou foi convidado e ele teve um episódio completo. , ficando fisicamente violento conosco em público. Quando acabou, meu filho de 6 anos colocou o braço em volta de mim e disse: “Agora entendo como foi crescer com seu pai”, ele nunca mais perguntou sobre meu pai. Ele parou de chamá-lo de vovô e o chama pelo primeiro nome. Não quer nada com ele
    o pai do meu filho também nunca disse nada e não me vê mais como alguém que guarda rancor, mas sim nos protegendo de um homem doentio. Quando as pessoas começam com as viagens de culpa que colocam em mim que são realmente sobre seus problemas familiares e dizem 'foi realmente tão ruim assim?' “Por que você não perdoa e fala com seu pai”? Eu conto a eles um pouco da realidade. Bem, você perdoaria um homem que arrancou seu dente ao jogá-la contra a cabeceira da cama ou jogá-la escada abaixo? Que tal um que te batia na cabeça constantemente ... puxava seu cabelo ... ou te tocava durante o sono. Onde você aprendeu a se vestir sem ficar pelado ou usar uma suíte de banho no chuveiro como a única defesa para um homem que era doente mental e torcido e exigia que ele visse você se trocar ??? Eles calaram a boca bem rápido e ponto final. Estou grato que esse abuso aconteceu entre 7 e 14, então o estado retirou a custódia. Antes eu estava com avós saudáveis. Eu sei que o que eu passei não foi tão ruim quanto os outros suportaram. É doloroso e difícil de lidar ... ser forte. Não há problema em não se importar ou sentir qualquer coisa por seu agressor. .você nunca deve nada a eles. Não importa o que.

  • Stephen

    9 de fevereiro de 2014 às 6h39

    Debra

    Sua história é muito triste e eu sinto por você ser um marido cuja esposa foi abusada quando criança. Como marido, minha esposa falha em se abrir ao seu truama e em buscar ajuda e, no final, sua dor se reflete de volta para mim e meus filhos. Para alguém como eu, que passou por isso no meu relacionamento, queremos ajudar. Não acredito em seus comentários de que aqueles que ficam por perto são os doentes que abusam de você, na verdade são eles que realmente amam você. Você também precisa entender como é difícil viver com alguém que você ama e que vive diariamente com este antigo tranuama. A depressão, ansiedade, abuso e raiva que também afetaram meus filhos.
    Como marido, eu não tenho solução senão continuar a amar e apoiar minha esposa, entretanto chegará um momento em que terei de proteger a mim e minha família.

  • Stephen

    9 de fevereiro de 2014 às 6h48

    Debra

    Além disso, você pode contar abertamente a alguém o que você passou, especialmente em um relacionamento de casado, afinal, eles te amam e querem ajudar! É a sua insegurança que diz que eles vão jogar de volta na sua cara. Somos todos seres humanos com empatia e entendemos que é difícil para você, mas vale a pena perder aquelas pessoas que realmente te amam e se preocupam. Não leve isso para o seu leito de morte, abrace-o e busque ajuda e permita que seus entes queridos ajudem.

  • Veronica

    24 de junho de 2014 às 8:56

    @stephen isso não é verdade em sua resposta se você disser a seu cônjuge ou entes queridos que eles irão apoiá-lo e tentar ajudá-lo. Meu marido sabe que certas músicas me deixam desconfortável porque foram as músicas tocadas durante meu abuso. E ele os canta sempre que aparecem. Eu disse a ele, por favor, não cante essas músicas e ele fica mais alto! Além disso, algumas famílias preferem ignorar a sua existência do que recebê-lo no seio da família por causa dos abusos anteriores como minha família. Eles pensam que se eu estiver fora de sua realidade, então isso nunca aconteceu. Portanto, ir para a família ou entes queridos em busca de apoio às vezes não é uma opção. Descobri que conversar com completos estranhos sobre abuso dá mais apoio do que seus relacionamentos mais próximos.

  • Sheltzy

    23 de fevereiro de 2014 às 14h14

    Ler todos os seus comentários me faz pensar se algum de vocês tem alguma ideia sobre como criar filhos os afetou. Fui criado por dois pais que tiveram uma infância abusiva. Papai estava psicologicamente atormentado por um bêbado e abusado fisicamente. Mamãe foi abusada sexualmente, verbalmente e fisicamente. Ninguém jamais admitiu isso, mas as brigas familiares foram desenfreadas durante o crescimento. A primeira geração de primos existia naquela época, nós nos lembramos disso. A maioria dos efeitos posteriores veio do lado da família da minha mãe. O lado do meu pai apenas continuou a manipulação, então apenas ficamos longe, inventamos, ficamos longe, inventamos. Esse padrão também aconteceu muito do lado da minha mãe, mas a luta foi o que mais me lembro. Minha mãe passou a maior parte da minha vida em terapia. Fui criado enquanto ela estava nisso. Ela sofria fisicamente com uma quantidade enorme de estresse, com dores de cabeça e ataques de pânico. Eu estava em sessões de terapia e aconselhamento escolar. Meu irmão e dois dos meus primos também foram abusados ​​sexualmente por um dos meus tios. Eu nunca fui tocado. Eu fui salvo. Esse era o plano da minha mãe. Eu olho para trás agora e nunca a culpei e a considero incrivelmente forte! Ela não consegue encontrar em si mesma para ver essa força. Ela se casou com um homem que mantém seu passado como uma forma de controlá-la. Ele tem uma natureza muito controladora e usa sua vontade para controlar a família, assim como seu pai fez em seus últimos anos. Mas percebo que meu pai também é vítima de sua infância. Não consigo imaginar o quão difícil é criar filhos, não confiar em si mesmo depois do que foi feito com você e orar a Deus para que tudo dê certo. Deus abençoe todos vocês! Atenciosamente!

  • Brandi

    25 de fevereiro de 2014 às 18:40

    Tenho sofrido abusos mentais e físicos desde que me lembro. Eu tenho 21 anos e moro com meu pai agora, e é ele quem está fazendo isso. Eu não acho que eu poderia deixá-lo. Eu simplesmente não sei mais o que fazer. Acabei de perder a esperança.

  • Liz S

    2 de abril de 2014 às 19h26

    Eu tenho 30 agora. Meu pai abusou de mim desde que eu tinha pelo menos 6 anos de idade. Ele faleceu quando eu tinha 24 anos. Estou fazendo terapia agora e estou muito feliz por ele estar morto. Ele sempre tentou me controlar, mesmo depois que mudei para outras coisas da minha vida. Minha mãe também foi controlada por ele mesmo depois do divórcio ... que aconteceu quando eu tinha entre 5 e 8 anos.
    Minha mãe permitiu que eu fosse abusada sexualmente por um homem de cerca de 35 anos mais velho que eu.
    Até a terapia, nunca consegui ver objetivamente como era minha vida. Brain spotting ou EMDR tem sido uma ótima ferramenta e eu o recomendo a qualquer pessoa.
    De qualquer forma, estou escrevendo hoje para dizer depois de anos de abuso por parte dos pais, os muitos estupros que passei, a violência, etc. As coisas podem mudar, mas você tem que ser forte.
    De alguma forma, conheci um homem amoroso maravilhoso que é gentil e aberto o suficiente para me ajudar com isso. Eu só desejo que os outros possam acreditar que as coisas podem mudar para eles. Nunca pensei que esse tipo de coisa existisse, mas estou tão feliz que encontrei.
    Muito amor e luz a todos vocês ..

  • Jane

    2 de outubro de 2014 às 15:26

    Brandi, depois de ler todos esses contos de cortar o coração, eu ia compartilhar os meus, mas você ainda está passando por isso. Tenho agora 55 anos e uma mulher grande com crianças que são bem-sucedidas e livres. Por favor, saia agora, corra, vá para qualquer lugar, retire o esconderijo depois, por favor, fique seguro, não se preocupe com o que o futuro reserva apenas vá para um lugar seguro e durma à noite Eu mando muito amor, querida criança, você merece uma vida feliz, comece hoje, deixando o monstro para trás, fique segura xx

  • Stephen

    28 de fevereiro de 2014 às 12h36

    Shetzy

    A chave em um relacionamento onde você está apoiando um sobrevivente é a franqueza, não a negação do abuso na infância do passado. Tive a pena que meu parceiro me disse depois que tivemos filhos e então simplesmente desliguei. Eu queria muito ajudar, mas ela nunca se abriria ou trabalharia com terapia. Em vez disso, quando seu truama foi desencadeado mais tarde na vida, ela me considerou seu agressor e, no final, todos nós nos tornamos vítimas de seu truama.

    Brandi acabei de ler seus comentários e meu conselho é que saia ganhe apoio através de amigos, familiares ou serviços da sua região. Você precisa sair, buscar ajuda e curar, não há vergonha e lembre-se sempre que não é SUA FALHA.

  • Amy

    11 de abril de 2014 às 6h34

    O que acontece é que ... venho de abuso ... é difícil dizer a alguém. Difícil dizer ao seu amante ou parceiro. Muitas pessoas não querem lidar com isso e vão deixar você. É vulnerável a se abrir assim porque a triste realidade é que a maioria das pessoas apenas olha para você e suas feridas, fica enojada e vai embora, o que adiciona mais danos.

  • Fred

    3 de abril de 2014 às 11h31

    Acabei de ler isso e isso parte meu coração. Sofri abuso até sair de casa aos 18 anos. Casei-me com uma mulher que havia sido estuprada quando era uma menina de 7 anos. Ela fez sexo com mais de 20 homens antes de eu conhecê-la. Ela se recusou a acreditar que o estupro realmente aconteceu. Após 28 anos de casamento. Ela começou a trair com outros homens. Ela me culpou por tudo que havia de errado com ela. Ela me rotulou como seu agressor. Antes de ler esta página. Eu a odiei e o que ela fez. Agora, oro para que ela receba a ajuda de que precisa para enfrentar seus problemas. E eu ainda a amo.

  • Dawn W.

    26 de abril de 2014 às 8:01

    Meu abuso teve um efeito terrível em meu relacionamento atual. Me faz sentir suja ter qualquer tipo de contato com ele que eu não iniciei e então me faz sentir indesejada que ele não inicie contato. Faz-me sentir ainda pior finalmente ter alguma interação com ele e depois ouvir meu padrasto ao fundo. Isso me fez odiar qualquer um que faça sons semelhantes aos do meu padrasto, fazendo-me parecer um pirralho porque fico muito irritado quando alguém chupa ranho pelo nariz ou tem tosse de fumante. A pior parte é que, embora minha mãe saiba e ele tenha derrubado minha irmã na cabeça dela pelo menos vinte vezes, e eu não estou usando hipérboles, ela a deixa ficar sozinha com ele a maior parte do dia, mesmo quando mostra sinais de comportamento abusivo, como chorar quando estão sozinhos e apego excessivo. A pior parte é que ele não se lembra e minha mãe acredita que ele estava possuído quando me molestou. Ela afirma que não foi tão ruim porque não houve penetração, mas isso me deixou extremamente desconfortável com meu relacionamento atual, agora que fizemos sexo. Estou com provavelmente a pessoa mais leal e atenciosa do mundo, mas ainda me sinto usado. Ele vai me perguntar repetidamente se tenho certeza de que quero fazer algo e repetidamente me diz que só quer fazer o que me sinto confortável, mas agora que perdi minha virgindade com ele, sinto que não tenho o direito de diga não, então eu finjo que estou gostando. Normalmente, ele pode dizer que eu realmente não quero e ele fica me perguntando o que há de errado e me abraça e isso me faz sentir como se estivesse perdendo seu tempo. Meu corpo nem terá uma resposta excitada, isso me incomoda tanto. Eu me sinto mal porque todos falam sobre o quão grande é o meu agressor, até mesmo minha mãe que o chama de sua alma gêmea e deteta todas as canções românticas ou de 'homem bom' para ele, mesmo quando ele deixou nossa casa cair em uma desordem completa. A única pessoa que não gosta dele é meu namorado, que trabalha tentando economizar dinheiro suficiente para conseguir um apartamento para mim. Mesmo há anos, ainda me sinto envergonhada de minha história sexual e do fato de odiar esse 'grande homem' . Minha mãe me diz o quão horrível eu sou por me sentir assim e quer que eu fique em casa o máximo de tempo possível, mas eu realmente não consigo nem funcionar normalmente aqui como está. Eu realmente só quero salvar meu relacionamento atual, mas sinto que posso muito bem me matar porque nunca posso realmente confiar que meu namorado realmente se preocupa comigo, não importa o que ele faça para provar isso para mim.

  • Kelsey

    12 de julho de 2014 às 12h39

    Oi Dawn, Lamento muito que seu padrasto tenha estuprado você. Sua situação de vida parece não ser saudável e tenho certeza de que está desesperado para escapar desse inferno, mas não tire sua vida. Eu tive que viver e ver meu agressor também e agora estou morando em uma cidade diferente. Definitivamente, você deve considerar aceitar a ajuda do site que as pessoas forneceram a você aqui. O que ele fez com você não é sua culpa e o tempo ajudará a curar a mágoa, a culpa, a raiva, etc.

  • Suporte GT

    26 de abril de 2014 às 10:23

    Obrigado pelo seu comentário, Dawn. Queremos fornecer links para alguns recursos que podem ser relevantes para você aqui. Temos mais informações sobre o que fazer em uma crise em https://estilltravel.com/xxx/in-crisis.html

    Atenciosamente,
    A equipe estilltravel.com

  • Shala H

    15 de maio de 2014 às 13h20

    Eu certamente entendo o que todos estão dizendo. Aconteceu comigo também (por que se preocupar com detalhes, você já ouviu isso antes). Tenho algumas sugestões de ferramentas que podem ser úteis, embora não sejam uma panacéia para tudo, sem trabalho ou talvez sem limites. Eles são EMDR, mais rápido eft, eft (técnica de liberdade emocional) e pstec. Todos podem ser pesquisados ​​no Google e são gratuitos. Procurei anos para encontrar isso. E eles ajudaram muito e eu estava muito feliz por ter algo que funcionou, algo que me deu o controle. O que eu enfrento agora são meus próprios limites para 'consertar' as coisas. Eu sinto que é aqui que devo restabelecer um relacionamento com Deus, mas simplesmente não sei como. Eu uso a batida (eft / fast eft) diariamente e isso me ajudou a lidar com a dor e não me machucar fisicamente. Mas estou cansada, não posso trabalhar em TODAS AS COISAS do meu passado e agora não quero. Só quero que Deus cuide disso para que eu possa seguir em frente. Eu me sinto tão deprimido. Eu não sei o que vou fazer.

  • James W.

    5 de julho de 2014 às 6h29

    Essas histórias são tão tristes, comoventes em muitos casos, angustiantes. Não consigo imaginar como é passar por isso.

    Acabo de começar a namorar uma mulher que me contou desde o início sobre seu abuso. Na época, respeitei sua decisão de não me contar mais do que fatos simples. Ela foi estuprada aos 10 anos e manteve em segredo ... Eu não sei quem fez isso, e não perguntei. Então, dez anos depois, aconteceu novamente nas mãos de outra pessoa, e ela então contou à família sobre os dois eventos. Desde então, ela se envolveu em autoflagelação, corte, promiscuidade, prostituição ocasional, etc.

    De qualquer forma, deixei meu casamento por essa pessoa e temos uma atração incrível e intensa um pelo outro. Sexo é o que sempre imaginei que poderia ser; amoroso, intenso, selvagem. Eu sinto que estou apaixonado por ela, e ela diz o mesmo. Ela quer que vivamos juntos.

    Ela recebeu muitos conselhos e parece ter um regime bastante rígido para lidar com suas inseguranças, o que parece funcionar muito bem para ela. Eu estou com medo embora. Com medo de que se eu encorajá-la a se abrir, a confiar mais em mim, eu irei comprometer sua sanidade duramente conquistada só porque eu “quero ajudar”. Eu sinto que ela está emocionalmente distante de mim às vezes, como se ela regredisse à idade em que seu abuso aconteceu ... quase como uma criança, como se fosse algum tipo de jogo. Tenho dois filhos do meu casamento e ela quer ter filhos comigo também, mas isso também me assusta. Não tenho certeza se alguém aqui tem algum conselho, e me sinto quase bobo perguntando isso quando há tantas histórias trágicas aqui ... devo encorajá-la a se abrir ou isso vai destruir tudo?

  • LGW

    25 de julho de 2014 às 3:48

    Ambos precisam ser muito honestos e francos um com o outro. Você tem todo o direito de estar um pouco preocupado e preocupado. Prossiga com cuidado. Digo isso como uma mulher que parece semelhante ao seu parceiro. Se sua parceira não resolveu seus problemas por meio de aconselhamento, de um pastor ou de algum tipo de percepção, pode haver problemas futuros. O abuso sexual passado é um grande problema e pode causar estragos na pessoa com quem aconteceu, bem como em todos os seus relacionamentos.

    Minha situação com meu marido parece semelhante à sua. Fui abusado sexualmente quando criança e muito promíscuo. A atração entre meu marido e eu era muito selvagem e intensa, o sexo era absolutamente incrível no começo, porém devido aos meus problemas como depois estar emocionalmente distante, frio, não conseguir a excitação de formas normais e saudáveis, nossa vida sexual deu uma guinada para o pior. Vou lhe dizer que nunca pensei que sexo seria um problema entre nós. Agora meu casamento está desmoronando e meu marido está vocalizando querendo sair da nossa cama ou trazer alguém para a nossa cama para se realizar. Muitos sentimentos ruins e feridos de ambos os lados aqui.

    Meu conselho para você é ir devagar. Participe de aconselhamento pré-casamento por meio de uma igreja ou de um conselheiro. Leia sobre o abuso sexual e o preço que isso causa nas pessoas a quem ocorre. Arme-se com conhecimento para saber quais desafios podem surgir e se você está disposto a enfrentá-los. Deus abençoe.

  • anônimo

    11 de julho de 2014 às 4:52

    É bom saber que não sou a única pessoa que passou por muita coisa, minha mãe e meu pai se divorciaram desde que me lembro, dos 13-16 anos fui abusada pelo meu pai que nem mesmo é alcoólatra apenas um homem doente. Doente de cabeça, contei para minha mãe que ela acreditou em mim e ele negou, mas não houve resposta sobre isso, aos 16 anos Deus me ajudou porque eu fiz meus exames e fui para a faculdade. Eu nunca voltei para casa até cerca de 4 anos, quando eu era maduro o suficiente para enfrentar o monstro e minha faculdade ficava na mesma cidade pequena .. mas o abuso me deu muitos problemas, eu era um fumante crônico de maconha por cerca de 5 anos. Realmente me ajudou a esquecer o passado, a maior parte da memória da minha infância foi apagada, o que as pessoas realmente precisam é de algo que as faça esquecer, e também a fé para perdoar o agressor percebendo que sua vida é cem vezes mais patética que as vítimas lhes desejam a morte é só seguir em frente, agora tenho 25 e tenho um bom noivado, meu parceiro sabe tudo sobre os abusos e me ama sem dúvidas, aprendi que só dá para seguir em frente na vida e esquecer tudo sobre o drama se você perdoar.

  • Lr

    14 de julho de 2014 às 4:59

    Tenho 46 anos e sofri abusos quando criança. Infelizmente, agora estou apenas começando a ver que isso está causando estragos em minha vida. Tenho ansiedade, depressão e outras condições. Eu moro sozinho, é a única maneira de me sentir segura. Mas ainda não me sinto seguro morando sozinho. Passo muito tempo sozinho ou dormindo, mas pouco tempo, digamos, com um amigo, que também é vítima de abuso. Sonho com uma relação normal com um homem, mas eles só aproveitam e aproveitam, abusam de mim e vão embora. Eu nunca tive um relacionamento normal…. sempre! Atualmente, fui aproveitado / usado / abusado pelo meu fisioterapeuta, enquanto estava em terapia e por quem me apaixonei e não quero deixar. Mas ele vai me deixar, eles sempre fazem. Eu tenho constantemente procurado por um amor normal de um homem, mas isso nunca acontece, eu pareço ser atraída ou acabo com abusadores e mesmo os abusadores não ficam comigo. Sinto tanta raiva por minha vida ser assim, gostaria de estar morto a maior parte do tempo. Eu tive aconselhamento intermitente por muitos anos, mas tudo permanece o mesmo. Não importa o quanto eu tente meus demônios, a incapacidade de confiar, o medo, a ansiedade, o mau julgamento, etc., sempre estarão lá e me assombrarão. Estou farto de esperar que a vida melhore, mas sei que não. Eu odeio minha vida.

  • A equipe estilltravel.com

    14 de julho de 2014 às 8:44

    Obrigado pelo seu comentário, Lr. Queremos fornecer links para alguns recursos que podem ser relevantes para você aqui. Temos mais informações sobre o que fazer em uma crise em https://estilltravel.com/xxx/in-crisis.html

    Atenciosamente,
    A equipe estilltravel.com

  • Lr

    16 de julho de 2014 às 5h25

    Obrigado por responder ao meu comentário. Eu realmente gostei disso. Oxox

  • kat

    5 de agosto de 2014 às 8:43

    seu post Eu só queria escrever para você e dizer que você é amado. Alguém uma vez me disse que você tem que dar a si mesmo o que não recebeu de outras pessoas. A cura é uma jornada de vida e desejo-lhe amor curador. o problema de ser abusado é que nunca aprendemos como nos defendermos, nunca aprendemos os limites adequados, então comece com você mesmo, aprenda os limites adequados consigo mesmo e você emanará, aumentará sua vibração e atrairá amor e cura. Atualmente, estou tendo que voltar para as pessoas que abusaram de mim para me ajudar a seguir em frente com esse tempo, não serei vitimado e vou olhar neles diretamente nos olhos e eles saberão. Eles não podem me machucar mais

  • Toni S.

    23 de agosto de 2014 às 8:44

    Oi! Eu entendo suas preocupações porque eu sou uma mulher de 46 anos que sofreu e estou sofrendo de abuso físico e negligência desde que nasci. As coisas ficam muito difíceis quando você tem um irmão ou irmã com deficiência e eles recebem toda a atenção e tudo o que é comprado para eles.
    Meus pais são maus, maus, desagradáveis ​​e cruéis. O jeito que eles me compraram. Sinto-me totalmente envergonhado deles, pois são irrisponsáveis ​​e não conseguem lidar com isso. Eu realmente acho que se a criação de pais é ruim e eles tiveram uma infância ruim, então pessoas como você e eu seríamos comprados dessa forma. Acredite em mim! Você acaba sofrendo de depressão e ansiedade graves e de dificuldades de aprendizagem à medida que o pensamento nas coisas passa pela sua mente e o destrói.
    Sempre tiveram muito ciúme de mim e não querem me ver com coisas boas.
    Eu só quero me afastar da área e assim eles não vão ficar me importunando e me espionando.
    Sinto vontade de acabar comigo mesmo.

  • Suporte estilltravel.com

    23 de agosto de 2014 às 8:49

    Obrigado pelo seu comentário, Toni. Queremos fornecer links para alguns recursos que podem ser relevantes para você aqui. Temos mais informações sobre o que fazer em uma crise em https://estilltravel.com/xxx/in-crisis.html

    Atenciosamente,
    A equipe estilltravel.com

  • Toni S

    23 de agosto de 2014 às 8:53 AM

    Oi! Eu entendo suas preocupações porque eu sou uma mulher de 46 anos que sofreu e estou sofrendo de abuso físico e negligência desde que nasci. As coisas ficam muito difíceis quando você tem um irmão ou irmã com deficiência e eles recebem toda a atenção e tudo o que é comprado para eles.
    Meus pais são maus, maus, desagradáveis ​​e cruéis. O jeito que eles me compraram. Sinto-me totalmente envergonhado deles, pois são irrisponsáveis ​​e não conseguem lidar com isso. Eu realmente acho que se a criação de pais é ruim e eles tiveram uma infância ruim, então pessoas como você e eu seríamos comprados dessa forma. Acredite em mim! Você acaba sofrendo de depressão e ansiedade graves e de dificuldades de aprendizagem à medida que o pensamento nas coisas passa pela sua mente e o destrói.
    Sempre tiveram muito ciúme de mim e não querem me ver com coisas boas.
    Eu só quero me afastar da área e assim eles não vão ficar me importunando e me espionando.
    Sinto vontade de acabar comigo mesmo.

  • Suporte estilltravel.com

    23 de agosto de 2014 às 21h26

    Obrigado pelo seu comentário, Toni. Queremos fornecer links para alguns recursos que podem ser relevantes para você aqui. Temos mais informações sobre o que fazer em uma crise em https://estilltravel.com/xxx/in-crisis.html

    Atenciosamente,
    A equipe estilltravel.com

  • Anjo

    16 de julho de 2014 às 20:54

    Quatro dias atrás, meu namorado e eu terminamos depois de um relacionamento de quatro anos porque nunca fizemos sexo regularmente. Eu tentei testes clínicos e tomei medicamentos misteriosos, gastei milhares de dólares em terapia específica para traumas, apenas para voltar à estaca zero. Eu teria uma mentalidade para o sexo, mas meu corpo reagiria de forma diferente, deixando meu ex se sentindo como se ele fosse algum tipo de pervertido. Depois de cerca de 3 anos disso, ele decidiu que não era mais feliz porque o abuso sexual que sofri quando criança é maior do que o relacionamento. Isso tem sido muito difícil para mim nos últimos dias. As crianças serão impactadas por nossa separação. Meu coração está partido e sinto que nunca estarei em um relacionamento sexual saudável porque nenhum homem vai me querer uma vez que descobrir meus problemas de intimidade. Isso é difícil e estou muito triste que meu passado tenha arruinado meu relacionamento

  • lisa

    22 de julho de 2014 às 11h44

    Olá, tenho lidado com o abuso emocional da minha infância em todos os meus 50 anos de vida. Minha mãe nunca esteve na minha vida ela sempre ficou longe. Meu pai era muito abusivo comigo e com meus irmãos. Eu realmente não me lembro da minha infância. Tive flashbacks de envelhecimento em minha vida quando criança. Não são bons. Apenas flashbacks dolorosos. Meu pai nos considerou minha mãe quando eu era muito jovem. Fui colocado em uma casa de abrigo com a irmã mais estranha. Meu pai vinha nos visitar lá, lembro-me dele vindo muitas vezes para nos visitar. Eu sempre chorava perguntando se podemos ir com ele, mas ele sempre me disse que não que não sabia cuidar de meninas. Eu tinha irmãos que eu não sabia que tinha até mais tarde, nós fomos para a mesma escola que eu não sabia que eles eram meus irmãos. Meu pai era muito mau e muito pouco amoroso. Quando minha irmã veio para adoção, meu pai veio e nos levou para sua casa depois de todos aqueles anos eu chorei e o odiei por nos deixar lá por tantos anos que ele nos trouxe para morar com ele e meus irmãos. E eu finalmente descobri como meu pai nunca veio me pegar e minha irmã, meu pai era um cafetão que vendia na rua, essas mulheres não eram muito mais velhas do que minha irmã mais velha. Eu realmente odiava meu pai porque ele nos tirou de minha mãe que eu nunca soube que ela morreu quando eu tinha 13 anos meu pai não nos deixou ir ao funeral dela ele nos disse que não a conhecíamos quando ela estava viva, então nós não podia ir. Eu estava tão confuso e perdido naquele tempo todo esse tempo que tínhamos uma mãe e ela não estava lá para nós. Meu pai nunca falou sobre minha mãe, eu não sabia que tinha uma. Meu pai era muito abusivo ele batia em nós e sua mulher ele prostituiu meu pai nunca nos disse que nos amava meu pai morreu dois anos depois da minha morte ele foi morto em sua motocicleta eu estava feliz. Mas conforme fui crescendo comecei a ter relacionamentos com homens, fiquei confusa, magoada e perdida porque comecei a procurar o Amor em tudo o que era errado. Eles não me queriam, só queriam fazer sexo. Pensei que fazer sexo fosse amor, apenas para descobrir que não era. Tenho filhos que nunca quis, mas Deus sabia que ter filhos seria a única coisa que seria boa para mim. Eu me casei, meu marido nunca esteve lá para mim e meus filhos. Meu marido me deu o Hiv. Eu tenho sido positivo por 24 anos, isso é um inferno emocional para mim. Não posso confiar em ninguém. Estou mais sozinho. Tive um relacionamento ruim doentio porque pensei que nunca teria um relacionamento. Ao longo dos anos, conheci alguns grandes homens, mas não me sinto feliz, não posso dar tudo ou meu coração a um homem que acho que estou quebrado porque não sei como receber amor. Eu demonstro amor, eu realmente não digo às pessoas que as amo, apenas meus filhos e meus irmãos. Eu estou em um relacionamento agora, não estou feliz com ele, ele é um cara legal, com quem discutimos de vez em quando, e eu perco a confiança em um relacionamento que discutimos. Eu me importo com ele, eu não o amo como antes, estivemos juntos há 7 meses. Eu não sei o que há de errado comigo. Eu fico deprimido, sempre me empanturrei da depressão, desde que era criança. Já conversei com um conselheiro antes, mas tudo que fiz foi falar com eles e mudei na vida para me encontrar aos 50 anos com problemas de confiança e não consigo receber amor. Minha vida tem sido uma loucura. Eu me amo totalmente, não deixo ninguém na minha vida pessoal, sou muito reservada. Eu sei que tenho problemas, mas não sabia como começar a consertar o envelhecimento da minha vida.

  • Jon

    24 de julho de 2014 às 5:19

    Olá, tenho 30 anos e minha esposa 28, temos 3 filhos juntos e somos, em sua maioria, uma família feliz e tenho certeza de que minha esposa Deos me ama, estamos casados ​​há 10 anos, mas há 5 anos ela disse à irmã que um amigo próximo da família abusou dela quando era uma criança de 9/10, ele foi processado e se declarou culpado. Minha esposa nunca me disse nada, exceto que aconteceu, ela não vai falar sobre isso e pensa que não a afetou, mas não tenho certeza nos últimos 10 anos. Há algumas ocasiões em que tenho certeza de que ela me traiu, digo a mim mesmo que estou paranóico e ela nega, mas sei em meu coração que ela fez isso, mas coloquei na nuca e as coisas voltaram ao normal até algo aleatório acontece de novo Tenho certeza que ela me ama, então não entendo por quê? nós temos uma vida sexual ok (bom para ter 3 filhos de qualquer maneira) e ela tem orgasmos na maioria das vezes Eu queria saber mais sobre os efeitos do abuso e me deparei com a coisa promíscua e isso realmente parece se encaixar, embora ela nunca admitisse que há um problema Eu não sei o que fazer, embora um proberley pudesse simplesmente aguentar, já que é apenas a cada ano cpl. Eu odeio a ideia de rapazes a usando para sexo depois do que ela passou e ela não acreditar que está fazendo isso por causa dela passado, nunca falamos sobre isso Eu não acho que ela quer que eu saiba nada sobre isso Eu faria qualquer coisa por ela e a amaria tanto, mas ela nunca iria admitir até mesmo trair, mas nós dois sabemos que eu sei em meu coração de qualquer maneira, se um pensamento que ela não me amasse eu a deixaria e eu nunca suspeitaria dela quando ela estava sobar é sempre quando ela está mortalmente bêbada. Além disso, ela é uma ótima mãe e esposa, ela é gentil, atenciosa, bonita e inteligente, ela faria qualquer coisa por mim, são nossos filhos e eu a amo mais do que a vida enquanto escrevo isso, as lágrimas rolam pelo meu rosto porque eu não. não quero perdê-la, só não sei o que fazer para salvar nosso casamento antes que seja tarde demais

  • Helen

    24 de julho de 2014 às 6h32

    Olá, jon partiu meu coração ao ler sua história, você parece um marido amoroso e cuidadoso e sua esposa é uma senhora de muita sorte. Embora seja extremamente comum que as vítimas de abuso (especialmente mulheres) sejam mais promíscuas na vida e isso afete muitos relacionamentos femininos, é bom que você ame e se importe o suficiente para tentar ajudá-la, mas primeiro ela precisa admitir que tem uma problema, ela pode não querer falar com você sobre isso porque muitas vítimas de abuso têm vergonha, mesmo que não seja culpa delas. Muitos homens teriam encerrado o relacionamento após o primeiro sinal de infidelidade e isso pode levar a muitas vítimas de abuso a passar por muitos relacionamentos na vida. Mas você realmente precisa falar com ela e tentar fazê-la tentar um conselho de curto prazo para ajudar muitas pessoas a aceitarem o que está acontecendo e assegurar-lhes que não foi culpa dela, caso você não tente falar com ela você mesmo e levá-la a se abrir com você, mas ela precisa saber que não foi culpa dela e ela não deve deixar o b **** afetá-lo mais.
    Certifique-se de que ela sabe que você a ama por ela e não por sexo, pois algumas vítimas pensam que isso é tudo para o que os homens querem. Às vezes, a razão pela qual as vítimas de abuso sentem necessidade de ser promíscuas é uma maneira de retomar o controle do agressor e nada a ver com sexo. Espero que sua esposa se abra e consiga a ajuda de que precisa para o bem de sua família.
    Espero que isto ajude

  • Sthomas

    30 de julho de 2014 às 18h30

    Quebrou meu coração ler isso porque me lembra muito do meu relacionamento. Estou com meu noivo há 3 anos. Fell I. Love desde o início. Ela teve um problema com drogas e bebida no início que eu não sabia até cerca de 6 meses. Isso saiu do controle e um pouco antes de eu ir embora, ela foi para o tratamento e parou de beber. O único problema é que ela estava de volta às drogas no dia em que saiu. Eu sei que naquela época ela traiu. Acho que simplesmente não quero acreditar. Me mata pensar nela com outra pessoa. Eu choro se eu penso nisso. Ela lentamente se livrou das drogas, mas ainda acredito que ela traiu e pode ainda ser. Tento fazer com que ela pelo menos me conte sobre as drogas e as trapaças, mas nega tudo. Receio que ela não fale porque está mantendo a outra pessoa. Para um backup. Eu acredito que era alguém com quem ela estava festejando antes de nos conhecermos. Ela é muito astuta porque nunca consegui encontrar canos de drogas, etc., apenas as queimaduras no carpete e o cheiro, etc., não podiam provar isso. Bxo muita coisa aconteceu que eu poderia durar para sempre, mas realmente preciso falar com alguém que está passando pela mesma coisa. De qualquer forma, o pai dela vai para o hospício e ela vai vê-lo. Eu não entendo por que se ele a machucou tanto. Ela não chora e não vai muito vê-lo, mas ainda vai. Só queria dizer que você não está sozinho. Ainda bem que encontrei isso e voltarei. Espero ter feito sentido. Ela está vindo para cá. Eu voltarei em breve

  • Marcus

    11 de agosto de 2014 às 01h21

    Eu sei exatamente o que você está passando! Orações, minhas orações de irmão!

  • karman j

    31 de julho de 2014 às 21h24

    Tenho 31 anos de idade, fui molestado pelo meu avô desde que me lembro até os 13 anos. Tudo começou como ele apenas me acariciando e me perguntando se eu queria jogar. Ele obviamente sempre me disse para não denunciá-lo. Ele me diria que se eu não o deixasse fazer isso comigo, ele faria isso com meu primo. Eu nunca falei sobre ele até que minhas irmãzinhas iriam passar a noite e eu disse à minha mãe que não, eles não vão ... foi quando tudo saiu. Minha mãe até entrou na garagem um dia e as calças do vovô foram abertas, minha mãe me perguntou e eu não disse nada a ela. Já fui casado e divorciado uma vez. Eu sou casado de novo. Amo meu marido mais do que tudo, mas tenho tantos problemas e sempre tive. Estou com medo do escuro e tenho certeza que sempre terei e não é o escuro que é o problema, é o que vai acontecer comigo no escuro. Tenho problemas de confiança, especialmente com os homens. Eu me recuso a me despir na frente de qualquer pessoa e me sinto desconfortável sendo tocada. Eu tenho flashbacks e ansiedade. Eu tenho consolado, mas sempre percebi o que eles realmente se importam, eles só querem meu dinheiro. Agora posso falar sobre isso e isso ajuda. Felizmente, meu marido me apoia muito. Não sei o que faria sem ele. Sempre terei problemas e continuarei a conviver com eles pelo resto da minha vida.

  • jd

    9 de setembro de 2014 às 6h46

    Olá, por favor, não diga isso, pare de se xingar. Você é o que diz que é, o poder que está em sua língua. É sua escolha fazer a escolha certa, resolvendo quaisquer problemas anteriores que você tenha. Acredito que todo problema tem uma solução, falar com pessoas em quem você confia ou cancelar, acho que vai ajudar. Estou orando por você, por favor, permaneça forte e positivo. Deus te ama

  • Rosa

    27 de fevereiro de 2017 às 19h58

    Oi Karmen,
    Hesitei até em postar aqui, mas quando li seu comentário, tive que expressar que eu, a, fui molestada / abusada sexualmente pelo meu avô quando criança. Eu não falei com ninguém sobre isso porque não definia que acontecesse até recentemente porque eu não conseguia entender minha ansiedade, pouca autoconfiança, buscar atenção dos homens o tempo todo, querer estar perto, apaixonada, amada o tempo todo , indecisa e com medo de ficar sozinha e sinto que nem sei quem sou ou nem gosto de mim mesma. No entanto, eu achava que era assim que eu era e nem sequer considerei que fosse o abuso passado de meu avô. Eu estava sempre mudando de ideia em um relacionamento ou querendo atenção e finalmente conversei com minha melhor amiga sobre isso e disse que talvez eu estivesse deprimido e então ela perguntou aleatoriamente: 'Você já foi abusado sexualmente?' Fiz uma pausa, comecei a pensar e respondi dizendo, na verdade eu tenho. Na verdade, nunca pensei sobre isso e conseguia me lembrar vagamente de muita coisa e não sabia que poderia ser por isso que eu agia da maneira que agia nos primeiros anos de vida adulta. No entanto, tenho lidado com muitas emoções e depressão devido às minhas ações e à maneira como me sinto negativamente sobre mim mesmo. Alguns dias depois, fui almoçar com minha mãe e perguntei por que meu avô faria isso. Minha mãe olhou para mim, me olhou nos olhos como se tivesse visto um fantasma. Ela respondeu: 'Do que você está falando?' Eu disse: “Vovô, por que ele me tocou assim quando eu tinha 7/8 anos?” Mamãe não conseguia acreditar que eu tinha me lembrado daquela experiência. Ela disse que você não tinha 7 anos ... você tinha 3 anos. Você podia ver que as lágrimas estavam crescendo em seus olhos e ela desejou que eu não me lembrasse. Ela perguntou por que eu nunca disse nada até agora, quando eu tinha 22 anos. Eu disse a ela que simplesmente não pensei sobre isso, e se eu fizesse, seriam alguns flashbacks e eu interromperia o processo de pensamento para não ter lembrar. Nunca me afetou emocionalmente até agora, quando estou sendo trazido à tona e agora que estou percebendo como tem sido meu comportamento nos últimos anos. Meu amigo acha que preciso buscar ajuda, um terapeuta ou conversar com alguém sobre isso. Eu disse a ela que estava bem e que não me afetou até agora e quando eu penso mais sobre isso, flashbacks voltariam e seriam as coisas que ele fez para mim que eu nunca me lembrava até agora. Minha mãe sabia disso porque eu ficaria com meu avô, ajudaria ele na fazenda, criaria laços, almoçaria com ele, assistiria tv com ele, ele era meu melhor amigo quando eu era criança. No entanto, quando eu voltaria para minha mãe sobre machucar na minha área privada. Por fim, minha mãe começou a entender o padrão e não sabia se era realmente o que estava acontecendo. Mas até recentemente ela sabia a verdadeira resposta. Isso por algum tempo, não me lembro quanto tempo, mas fui abusado sexualmente e molestado por meu avô aos 3 anos de idade. Minha pergunta é, que eu não sinto que minha situação tenha um efeito tão grande em mim como nos outros, mas eu pode estar agindo da maneira que estou por causa dessa experiência.

  • DF

    1º de março de 2017 às 9h20

    Sua mensagem é uma inspiração para todos nós. Sua coragem é forte e suas palavras gentis. Obrigado por nos dar apoio, luz e esperança.

  • Anita

    3 de agosto de 2014 às 8h40

    Eu apenas machuquei muito. Eu tenho família, mas não. Eu moro a 4000 milhas de distância. Eu me mudei para me tornar alguém que não fui criado para ser. O que pensei seria uma vida melhor para meus filhos, parece ser ainda mais doloroso do que a minha. Eu cresci abusado fisicamente e sexualmente, sem um pai e uma mãe mentalmente incapaz dentro e fora de casa até que eu resisti ao sistema aos 16 anos. Fiquei com a família, mas fui estuprada por um primo. Eu nunca disse. Agora casado com 15 anos, meu marido só conhece partes da história; a razão pela qual eu não digo mais a ele é porque ele usa para me machucar. Quando ele está bravo, ele me bate. Acho que ele odiava ter ido para a faculdade e ter uma colher de prata com seus próprios problemas, terminei a 10ª série e fui capaz de me reinventar para uma renda de quase seis dígitos por 10 anos. até que fui reduzido recentemente. De qualquer forma, estou divagando…. Eu realmente não conheço meu pai verdadeiro porque nos anos 70 eu deveria ser abortado, mas minha mãe decidiu ficar comigo; meu marido me chama de perda de ar, um câncer na sociedade, ele realmente leva isso para outro nível. Ele estraga tudo o que me faz sentir bem, até feriados. Ele diz a mim e aos meus filhos que sou uma mãe de merda. Parei de lutar porque as crianças são mais velhas. Minha filha culpa a nós dois, quando eu digo querida estou em silêncio, ela não pode culpar apenas o pai dela ... De qualquer forma, estou com medo, estou tão sozinha, não confio, choro tanto Eu odeio esse homem, mas não posso ir embora e não sei por quê…. Achei que esta manhã, enquanto ele estava me atacando verbalmente sobre permitir que nosso filho fosse a um “tipo” diferente de igreja, esse homem me deu os presentes mais preciosos que uma mulher ou mãe jamais desejou. No entanto, ele destruiu minha alma e tirou todos os pensamentos preciosos, emoções ou desejos que eu já tive. Não sei como me salvar sem perder meus filhos. Eu rezo, mas não adianta, estou medicado depois que minha empresa reduziu, mas o diário fazer o jantar para mim, limpar esta casa, é algo que eu combato. Eu não gosto de ser chamado de preguiçoso quando tento, então por que tentar ... Devo soar tão desesperado, eu sei o que sinto. Obrigado por apenas me deixar escrever, a dor tem sido muito para enfrentar sozinho.

  • Suporte estilltravel.com

    3 de agosto de 2014 às 11h23

    Obrigado pelo seu comentário, Anita. Queremos fornecer links para alguns recursos que podem ser relevantes para você aqui. Temos mais informações sobre o que fazer em uma crise em https://estilltravel.com/xxx/in-crisis.html

    Atenciosamente,
    A equipe estilltravel.com

  • Melanie

    3 de agosto de 2014 às 23h37

    Eu descobri que meu marido é um sobrevivente de abuso infantil depois de 10 anos. Ao longo de toda a nossa vida eu já senti e vi muitas bandeiras vermelhas e comportamentos mentais, mas não posso realmente ter uma conversa cara a cara com ele, pois ele é extremamente bom em mentiras. Eu o pego em tantos sites de pornografia de registro e tem me traindo com homens e mulheres. Minha vida é um inferno. Eu gostaria da opinião de pessoas que têm o mesmo que eu, eu li um monte de blogs e principalmente o que acabou com o divórcio. Eu disse ao meu marido o mesmo que vou pedir o divórcio. Mas ele continua implorando por chances de acreditar nele. Que ele vai mudar. Eu pergunto a ele, como eu poderia confiar em você quando você me traiu tantas vezes e eu continuo ouvindo as mesmas desculpas, frases e frases repetidamente. Repetindo mais do que meus ouvidos podiam ouvir. Como ele mudaria quando não reconhecesse. Ele me disse imediatamente que morreria com seu segredo. Eu entendo perfeitamente que preciso sair com sua vida, mas de novo e de novo, ele diz, agora está disposto a mudar, mas ainda enfrento mentiras e negações dele. É difícil ter esperança. Por favor informar?

  • Livia

    13 de agosto de 2014 às 23h22

    Atualmente me separei e estou começando o processo de divórcio de meu marido de 19 anos. Crescendo em uma infância abusiva e sem pai, eu sofria de baixa auto-estima e não tinha muitos amigos. Conheci meu marido na faculdade e tive um relacionamento sério com ele no último ano. Por anos, tem havido e-mails, mensagens de texto e telefonemas questionáveis ​​sobre os quais ele mente constantemente ou as histórias que conta nunca são consistentes. Ele também foi muito abusivo emocionalmente comigo, me xingando, me xingando, me chamando de nomes depreciativos e me fazendo ficar fora de seus eventos esportivos por várias horas durante a gravidez e inchaço. Atualmente, trabalhamos no mesmo emprego e, embora separados, ele tem relacionamentos no trabalho e nossos dois filhos cuidam de creches lá também. Ele teve relacionamentos em seu trabalho no passado, enquanto estávamos juntos. Tentando quebrar o disfuncionalismo em que cresci, tive que finalmente tomar a decisão de sair do casamento e trabalhar em mim mesma. Já faz um ano desde que me mudei. Embora eu tenha dias difíceis emocionais passando pelo processo de cura, tenho dias mais pacíficos e felizes do que tive com ele.

  • kat

    5 de agosto de 2014 às 8:55

    Olá pessoal. Tenho 47 anos e, pela primeira vez na vida, estou realmente percebendo que fui abusada. Eu fui derrotado por segurar meu garfo errado, quando me disseram que eu nunca terei amigos porque a forma como minha voz soou, meu pai me bateu com tanta força que eu não consegui nadar por 6 meses. do jeito que meu pai basicamente costumava me bater, agarrar meu cabelo e me jogar no chão e começar a me chutar. Isso acontecia regularmente. Lembro-me de quando tinha 21 anos, cheguei em casa e estava um pouco depois do toque de recolher e meu pai pulou da cama e começou a me bater e minha mãe se juntou a mim. Só lembro que estava em posição fetal no chão dizendo a eles o quanto eu amá-los. Minha vida estava em total negação n Eu empurrei para o lado que minha mãe e meu pai disseram para não olhar para o passado que eles sempre me contavam, então comecei a fumar maconha para lidar com isso. Avance 20 anos e agora estou livre das drogas e sóbrio, e agora percebendo que gostaria de nunca deixar tanta coisa sem cura. por ignorar meu passado e bancar a vítima, eu só os dei poder até hoje continuar tentando me abusar. Eu finalmente mantive minha posição e eles não gostaram, mas foi a coisa mais inspiradora que já fiz. a parte mais difícil foi aprender a me amar - exigiu muito, muito exame da alma. ainda estou em uma jornada de viver e aprender a me amar e ainda tenho dias em que duvido que nunca serei amado, alguém jamais me amará. Vou continuar nesta jornada e desejo a todos amor e cura

  • portia

    7 de agosto de 2014 às 7h19

    Fui abusada sexualmente por meu irmão dos 5 aos 10 anos. Eu choraria até dormir todas as noites, implorando a Deus que me matasse durante o sono. Sofri de extrema depressão e obesidade. Meus pais se divorciaram quando eu tinha 7 anos e ficamos presos ao meu pai. Meu irmão me jogava para passear e me atacava verbalmente, quando ele não estava me estuprando. Eu estava sob constante ataque, especialmente de todos (colegas, professores, irmãos, estranhos e meu pai) me chamando de gorda. Sofro de bulimia há mais de 10 anos e nunca recebi a ajuda necessária; mesmo quando eu implorei por isso. Fui forçada a testemunhar para uma policial que me disse que a culpa era minha. Agora sobrevivi a um primeiro casamento abusivo e estou tendo problemas com a promiscuidade. Meu chefe me acaricia e apalpa há dois anos e nunca vi nada de errado nisso. na verdade, eu gostei e tenho lutado contra a minha vontade de dormir com ele. sou casada com 2 filhos e não quero trair meu marido novamente. eu simplesmente não consigo evitar; um cara flerta comigo e eu quero dormir com ele. eu odeio meu corpo e minha mente está distorcida. eu sinto que não consigo pensar racionalmente.

  • Liz

    9 de agosto de 2014 às 4:58

    Minha primeira lembrança de meu pai é quando ele partiu para o Vietnã. Eu tinha 6 anos. Minha mãe chorava sem parar, dizendo: 'Ele vai voltar, ele vai voltar', mas chorando tão incontrolavelmente que não fazia sentido.

    A próxima lembrança de meu pai que tenho é quando eu estava na 5ª série. Ele parou na porta da frente da nossa casa e disse à minha mãe que estava indo embora. Ele estava voltando para sua cidade natal para voltar aos negócios com seu pai e ela poderia ir se quisesse. Isso foi no final deles passando um ano na “faculdade bíblica”.

    A próxima memória é dele entrando em meu quarto e acariciando meus seios em uma manhã de sábado, enquanto minha mãe estava na cozinha preparando o café da manhã. Eu congelo. Realmente não conseguia respirar. Ouvi minha mãe gritar com ele que o café da manhã estava pronto. Ele rapidamente puxou minha camisa do pijama para baixo e puxou as cobertas de volta sobre mim e correu para fora do meu quarto.

    A próxima lembrança que tenho do meu pai é quando entrava no carro com meus acompanhantes, o menino me dizia que meu pai disse a eles enquanto eu estava me vestindo para ficar longe de mim porque eu seria tão malvado e malvado quanto minha mãe. Ele às vezes também me seguia em meus encontros e me fazia sair do carro e voltar para casa com ele.

    Aos 16 anos, ele me forçou a mudar para outro estado para que ele e minha mãe pudessem trabalhar em seu casamento. Fez-me ir para uma escola não credenciada de 1 sala em uma pequena igreja batista, onde eu era o único na minha série. Eu tive que parar de torcer liderando que era a minha vida. Eu tinha sido um aluno A / B até então.

    Quando ele me levou para fazer o teste SAT, ele me disse para não falar com ninguém. Entrei, precisava de um apontador de lápis. Perguntei a algum cara aleatório onde estava o apontador de lápis. Ele entrou e me pegou, me levou para fora e bem na frente de algumas janelas enormes onde todos podiam nos ver, gritou comigo, depois me disse para voltar e fazer o teste.

    Saí de casa aos 17 anos. Fui para a faculdade. Foi muito bem até que um cara que eu estava namorando me bateu. Saí de lá e voltei para casa. Amei com meus pais por alguns meses. Certa noite, voltei para casa depois do trabalho, por volta das 9h30, e meu pai me disse que eu não poderia mais ficar lá. Eu tinha, aparentemente, falado para minha mãe algo que ele me disse, mas não queria que ela soubesse, então ele colocou todas as minhas roupas no carro e eu não era mais bem-vinda para ficar lá. Não naquela noite. Nunca. Minha mãe ligou para um amigo e me ajudou a encontrar um lugar para ficar.

    Ele me acompanhou até o altar no meu casamento.

    Ele bateu na minha mãe várias vezes. Ela sempre voltou para ele.

    Finalmente contei à minha mãe sobre o abuso sexual dele quando eu tinha 26 anos e eles estavam em aconselhamento. Não me lembro de ela ficar chateada.
    Na verdade, parece meio estranho que ela não tivesse, na minha memória, basicamente, nenhuma raiva.

    Agora, como um adulto de 51 anos, finalmente descobri que não me sinto seguro perto de meus pais. Finalmente, posso ver esses padrões e entender por quê. Eu também não me sinto seguro que meus filhos fiquem com eles por muito tempo.

  • Sindy

    9 de agosto de 2014 às 5h17

    Fui abusada sexualmente por meu pai biológico por muitos anos, ele me dizia que eu preciso fazer sexo com ele ou ele vai deixar a mim e minha mãe e minha irmã e irmão mais novos para cuidarmos de nós mesmos. Minha mãe estava desempregada, não tinha nenhuma educação e foi abusada verbal e fisicamente por meu pai. Ele se tornou um monstro e todos nós tínhamos medo dele
    , ninguém em casa sabia que eu tinha me tornado sua segunda esposa, ele diria faça isso por sua mãe você não vê que ela não está bem e ela não pode cumprir suas obrigações de esposa. Eu então fiquei com medo de contar isso a alguém no colégio? comecei a namorar e meu pai descobriu que me faria dormir com ele só para que eu pudesse ver o cara que eu estava namorando. Foi tão doloroso que meu pai expulsou todos os meus amigos, especialmente quando minha mãe estava fora, apenas para que ele pudesse faça o que quiser comigo. Ele costumava encorajar minha mãe a ir ver sua família só para que eu ficasse com ele sozinha. Eu costumava chorar o tempo todo porque não sabia a quem contar. Então, um dia, meu tio veio me visitar nós então quando ele saiu eu o acompanhei até o ponto de ônibus e naquele momento eu senti que tinha que contar a ele sobre o abuso, ele ouviu e chorou e rapidamente me levou até a família de minha mãe que teve o maior choque de suas vidas com aquela revelação
    .Meu pai foi confrontado e prometeu que iria parar, então eu voltei para casa, mas ele segurou um grugde e então recorreu a me abusar fisicamente, ele me batia diariamente e parecia satisfazer seu hobby sexual que ele não conseguia mais executar agora que ele Retido. Comecei a implorar para minha mãe deixá-lo, mas ela recusou porque tinha mais meios de nos sustentar sozinha, então fico sob o mesmo teto que meu agressor até conseguir minha própria casa aos 30 anos. Agora tenho 35 anos e tenho um filho de 3 anos e uma filha no caminho Não posso deixar meu pai ver meus filhos Eu o odeio com tudo em mim, estou lutando para lidar com as coisas que ele fez comigo enquanto crescia e agora comecei a ter pesadelos com ele abusar sexualmente de mim. As pessoas não entendem por que eu não quero botar o pé na casa da minha família e todos pensam que sou mau, não posso explicar tudo o que aconteceu comigo a eles. Meu pai me privou de muitas coisas, especialmente educação, porque ele se recusou a me colocar na universidade porque me odiava por tê-lo denunciado. Meu passado parece que está me assombrando Eu choro o tempo todo porque não sei como esquecer essa provação

  • ousar

    12 de agosto de 2014 às 19h29

    Urs soa muito como minas ... meus monstros é meu próprio pai! Não me lembro quando começou, sei que piorou. Cada posição eu choro ... nada. Espero que ele queime e sofra no inferno. Quando eu estava sendo abusada, minha ameaça se eu dissesse ao departamento de crianças que separarão meus irmãos. minha mãe idiota não funcionou ... quão estúpida ela pode b. sempre levar uma das outras garotas e eu atrás.realmente? Eu não consigo dormir.Eu entendo o que é meu último até os 17 anos! Eu digo à minha irmã b ecarefull..stepdads ?, papai r pior ... e dept.de crianças r estúpido e cego também

  • Kelly

    21 de agosto de 2014 às 22h24

    Sindy, eu prometo a você, há esperança! Ainda estou me recuperando e posso dizer que a melhor coisa que você pode fazer por si mesma e por seus filhos, neste momento, é ficar ciente de como o abuso afetou você. E saiba que NÃO foi sua culpa! Tornar-se autoconsciente impedirá que o passado arruíne seu futuro. Não se atreva a deixar um homem mau como aquele ter o seu futuro! Depois que finalmente saí de casa, pensei comigo mesmo: “Não vou deixar que isso me afete”. Mas eu era ciumenta, insegura, promíscua, escolhia homens que me tratavam como meu pai e não tinha respeito próprio. Cerque-se de pessoas BONS e inteligentes que o vejam como Deus o vê! Pessoas que vão te elevar e reconstruir seu senso de auto-estima. Seja intencional quanto a isso! Eu prometo a você, com o tempo, isso pode desfazer todas as mentiras que você foi levado a acreditar sobre si mesmo. A coisa mais incrível é que depois de conseguir ver o que realmente é seu abuso e abusador, você poderá ajudar outras mulheres que passaram pela mesma coisa. Deus vai usar você assim, e essa é a maior honra de todas. Eu ainda estou me recuperando. Acabei de me casar com um homem incrível e agora estou lidando com questões sexuais em nosso casamento que eu não fazia ideia que fossem decorrentes de abuso sexual. As coisas ainda estão surgindo, mas se você tomar consciência disso e se cercar de BOAS pessoas que irão ajudá-lo, você encontrará paz e cura. Eu prometo. Eu também recomendo cortar completamente seu pai. E no que diz respeito à justiça, apenas saiba que Deus o julgará de uma forma muito mais eficaz do que qualquer pessoa nesta terra jamais poderia.

  • Dorcas

    24 de agosto de 2014 às 13h41

    Eu nasci em 4 de novembro de 1991, onde minha mãe biológica morreu devido ao nascimento de um filho e eu nasci, cresci com meu pai e uma madrasta que é tão amorosa e carinhosa, quando eu tinha nove anos, meu pai estava mergulhado no álcool começou a abusar de mim sexualmente, ele voltava para casa bêbado durante o dia quando minha mãe estava no trabalho e outros irmãos na escola e me pedia para me despir antes dele, ele também tirava as calças, ele me pedia para tocar suas partes íntimas, isso durou mais ou menos algumas semanas, neste dia em particular minha mãe tinha viajado para o interior para procurar uma empregada doméstica, meu irmão estava dormindo e meu pai chegou tarde da noite bêbado como de costume e me chamou em sua cama- quarto fingindo que estava me ligando para ajudá-lo a trancar a porta, eu estava com um vestido de noite rosa, algo que não coloquei naquela noite fatídica, ele rasgou minha camisola e me estuprou impiedosamente tratando de me matar se eu falar sobre isso, a história é desconhecida da minha família até hoje, eu cresci com amargura e odiava todos os homens, odiava meu pai e todos os homens que eu caí em suas mãos e eles me abusaram, álcool e drogas se tornaram meu estilo de vida até quando eu nasci de novo em 5 de janeiro de 2014, hoje estou curando porque eu me inscrevi para aulas de como superar a rejeição por meu pai espiritual a quem eu abri em fevereiro de 2014 sendo a 1ª vez que falei sobre isso com meu pastor, ainda moro com meus pais e estou em processo de cura, pois perdoo meu pai

  • Lisa

    10 de agosto de 2014 às 13h08

    Percebo que não posso namorar ou ter um relacionamento, porque não confio em muitas pessoas! Eu era surdo e não conseguia falar quando um pedófilo do nosso bairro me molestou várias vezes. Não há necessidade de detalhes. De qualquer forma, aquele homem morreu mais tarde. Eu simplesmente não posso confiar em nenhum homem e preciso de ajuda para superar o trauma da infância! Ninguém me vê chorando e tenho muitos ataques de pânico. Eu sei que nem todos os homens são iguais e não julgam.

  • Lisa

    10 de agosto de 2014 às 15:46

    Estou relatando meu trauma de infância que tentei postar antes! Quando eu tinha cinco anos, surdo e ainda não conseguia falar, fui levado por um pedófilo da vizinhança e molestado várias vezes. Minha mãe percebeu que eu estava faltando e foi até a casa deles me buscar! Outra vez, corri deles !! Eu mal consigo lidar com um namoro ou me aproximando de um homem! Eu preciso de terapia, mas não tenho nenhum terapeuta por aqui que eu goste ou mesmo confie!

  • Sherri

    12 de agosto de 2014 às 23h34

    Eu sou uma mulher de 32 anos. Eu sofri de abuso sexual infantil quando tinha seis anos de idade. Estou em um relacionamento atual com meu namorado. Eu tive meus altos e baixos com ele. Eu o amo, mas antes de termos um relacionamento, era 'amigos com benefícios'. Durante anos, tentei ter um relacionamento e ele recusava. Eu fiz a coisa errada e mexi com dois de seus familiares. Eu lutei com os homens ao longo da minha vida, tanto quanto deixar minha auto-estima ir e não me importar com meu corpo ... o ponto que me levou a sentir que não era amado e dormir com a família do meu namorado. Ele não consegue me perdoar por isso. Acho que a razão pela qual luto com o amor é o abuso sexual que aconteceu comigo quando criança. Toda a equipe do meu namorado sabe o que eu fiz e eles são como sua família. Eles me odeiam. Eu fico com depressão moderada devido ao que aconteceu comigo no meu passado. Eu sei que não é uma desculpa, mas eu sinto que se eu simplesmente dissesse não .. para o homem que abusou sexualmente de mim, e para os homens com quem eu dormi, eu não estaria passando por isso agora ... eu quero continuar no relacionamento, mas não posso continuar com isso se a família dele me odeia e ele continua pensando no que eu fiz ...

  • Jena B

    21 de agosto de 2014 às 8:01

    a melhor coisa a fazer nessa situação é cortar os laços com o namorado. O dano já foi feito. sua melhor aposta é seguir em frente e trabalhar todos os seus problemas de infância que o vêm perseguindo há anos. uma vez que você foi capaz de trabalhar com eles e aprendeu a perdoar as pessoas que o prejudicaram, você pode dirigir para um relacionamento saudável e funcional até então, é melhor que você trabalhe em você. infelizmente, o que aconteceu é que você quebrou a confiança não apenas de seu namorado, mas também da família dele e de todos os amigos. querida, faça um favor a si mesma e siga em frente e se torne uma pessoa feliz, o que não acontecerá até que você comece a aprender a respeitar e amar a si mesmo

  • Leona D

    13 de agosto de 2014 às 8h30

    Oi, meu nome é Leona D minha mãe morreu quando eu tinha 8 anos de idade, mudei-me para a casa dos meus dois avós físicos e emocionais que minhas irmãs, irmãos e eu tivemos que ir para a casa de caça meu abuso sexual começou aos 10 anos de idade Fui abusado sexual por um irmão mais velho, dois tios na casa onde moro o abuso sexual durou até os 12 anos não houve ajuda para mim porque digo à polícia que ia começar a caçar em casa mas a polícia não não me importava, então eu tinha que parar o abuso sexual e físico e emocional estava indo jogar o caminho que eu saí de casa Eu inicio um incêndio na casa é como eu saí de casa que foi o melhor dia do dia Eu estava fora de casa fui mandado para um hospício em ohio Eu moro no hospício até os 18 anos de idade Fui abuso sexual por um trabalhador que trabalha no hospital psiquiátrico contei ao chefe e fui abuso sexual por um trabalhador eu fiz um teste de gravidez e deu positivo trabalhador foi demitido quando ele pode voltar ao trabalho eu estava disco harge do hospital foi morar com uma equipe, mas eu posso dizer que tenho uma irmã gêmea que todas ficam nas mesmas instituições psiquiátricas que eu não gosto mais do hospital psiquiátrico que levo para a equipe se ela ganhar ' ela vai ter que levar minha irmã gêmea para eu não vou deixar minha irmã a equipe tinha uma irmã que trabalhava em algum lugar e ela e sua irmã também eram gêmeas uma irmã me deixou morar com ela e a nossa gêmea deixou minha gêmea morar com ela eu entrei em depressão, então tive minha filhinha, fui buscar ajuda e recebi ajuda aos 20 anos de idade e agora tenho 53 anos, mas em 2009 minha loja saiu sobre o físico e abuso emocional e sexual começa aos 10 anos de idade Fui abusado por um irmão mais velho, dois tios em casa, acredito que levaria isso para o túmulo the anthony sowell serienkiller APÓS MINHA LOJA NÃO PUDER, JÁ NÃO TENHO DEPRESSÃO AGORA DESCONTO DE TODOS OS medicamentos usados ​​para tratar transtornos mentais EU PREENCHO BEM E EU PERDOO O PE ople que abusam de mim, essa é a única maneira de se curar NÃO DESISTE, HÁ UMA GRANDE AJUDA LÁ PARA TODOS homens, mulheres e crianças vai ficar mais difícil antes que melhore EU APENAS AMO DIZER OBRIGADO A TODOS Comportamental Medicina e Aconselhamento O MetroHealth Broadway Health Center PELA GRANDE AJUDA EU NUNCA VEIO UMA droga e álcool PORQUE TODOS TENHO UMA PARA TOMAR AGORA POSSO CONTINUAR COM MINHA GRANDE VIDA E DESFRUTAR DA MINHA FAMÍLIA

  • Elena

    15 de agosto de 2014 às 22h55

    Fui abusado física e emocionalmente quando criança por ambos os pais. Eles eram pessoas cruéis. Eu realmente acho que não posso culpá-los porque tenho certeza de que ambos foram criados por pais abusivos e desamorosos também. Tive ajuda psicológica e tenho o prazer de dizer que meu filho foi criado com tanto amor e carinho. Eu só queria parar de me odiar. Eu sei que internalizei todos os comentários negativos cruéis que meus pais fizeram. Eles me provocavam implacavelmente, brincavam comigo e riam do meu desconforto, me batiam e me diziam como eu era estúpido, feio e inútil. Passei a acreditar neles, a acreditar que não sou bom. Em um nível racional, eu sei que não é verdade. Mas em um nível emocional, ainda sou muito negativo sobre mim mesmo. Não confio em quase ninguém e acredito que não sou bom. Eu gostaria de poder parar o pensamento negativo. Eu continuo tentando.

  • Laranjas

    22 de agosto de 2014 às 7h31

    Fui negligenciado quando criança. Lembro-me de ter 2 anos e tentar desesperadamente usar uma torradeira para fazer torradas. Eu costumava comer o resíduo de enxofre na ponta dos fósforos de meu pai de um cigarro aceso. Eu bebericava latas velhas de coca com cinzas e recusava Pepsi quando adulto porque me lembrava uma coca sem gás que 'engoliu a cinza'. Meu irmão mais velho disse que quando era bebê eu comia insetos mortos. Duvido que seja porque os bebês colocam coisas na boca. As únicas lembranças que tenho quando criança giram em torno da comida. Eu me lembro da fome. Conforme fui crescendo, tornei-me uma garota bonita ... No entanto, ser bonita era uma maldição, porque eu era jogada para o lado, às vezes mudando de escola duas vezes em um ano. As garotas me odiavam e eu sofria bastante bullying. Eu nunca poderia me conectar com mulheres ou formar amizades duradouras com elas, embora eu quisesse. Até hoje outra mulher me assusta. Meus pais se separaram quando eu tinha 12 anos. Nessa época, eu tinha um irmão mais novo que usava fraldas. Meus irmãos e eu nos mudamos com minha mãe para outro apartamento barato. Nossa mãe simplesmente parou de voltar para casa devido a um vício cada vez maior em crack e meu pai ficou 'inconsciente' por um tempo. Perdemos o telefone ... Os utilitários ... E então, um dia, alguns homens que não falavam inglês vieram ao apartamento e começaram a tirar todas as nossas coisas e minha mãe não estava em lugar nenhum. Meu irmão mais velho foi embora e ficou sem-teto aos 15 anos. Um homem mais velho o acolheu e meu irmão começou a questionar sua sexualidade, mesmo sendo um homem heterossexual hoje. Minha mãe consegue se recompor por cinco minutos e eu fico com ela ... alguns meses (talvez semanas) quando ela me bate com um cabide de plástico durante uma psicose de cocaína. As autoridades FINALMENTE se envolvem e ligam para meu pai. Ele me leva para morar com ele e a mãe dele (minha grama). Meu pai não tinha dinheiro apesar de ir trabalhar todos os dias. Este lugar estava uma bagunça. Eu não tinha uma cama e dormia em uma sala de jantar informal sem porta. À noite, meu pai assistia pornografia na sala de estar. Foi doloroso para mim, como uma menina da oitava série, ouvir meu pai se masturbando a noite toda. Eu tive que fazer xixi tanto, mas vivia com medo do que eu estaria interrompendo apenas para ir ao banheiro. Meu pai realmente acreditava que eu não notaria sem porta! Eu tive que ir sem itens essenciais, como shampoo ou roupas íntimas desesperadamente necessárias. Eu estava tão feliz de ter 13 anos porque legalmente poderia trabalhar e tudo que eu queria fazer era comprar para mim um frasco de perfume de chuva do amor para que as pessoas parassem de zombar de mim na escola, e eu precisava de coisas como absorventes internos. Comecei a perceber doenças mentais em meu Grama. Ela contava os segundos cada vez que eu precisava tomar banho e gritava coisas horríveis comigo por desperdiçar água quente. Ela ficou cada vez mais instável em relação a mim. Parecia tão delirante que qualquer impacto emocional em meu nome era nulo e sem efeito. Lembre-se de que uma catástrofe na minha infância ocorria quase todos os meses, o que geralmente resultava em relocação. A catástrofe com minha grama de 80 e poucos anos ... Que começou a cheirar a urina enquanto eu comecei a ser provocada por ser 'fedorenta' na escola ... ela encontrou um clipe de papel em sua cafeteira e se convenceu de que eu estava tentando matá-la . Felizmente, meu pai tem algumas qualidades redentoras e nos mudou para um novo lugar. Um quarto (ele pegou o sofá). A vida ficou mais fácil por um momento e eu me lembro de ser feliz apenas com meu pai e eu. Ele era bom comigo naquela época. Eu me senti segura e quando o Natal chegou, colocamos uma árvore ... Eu gostei daquele ano, embora o bullying na escola estivesse ficando mais difícil para mim. Meu pai cuidou de mim e não gritava muito comigo na época. Ele acabou conhecendo uma mulher bonita. … Nós íamos jantares em sua bela casa algumas noites por semana… Ela me comprava coisas de criança de verdade, embora eu tivesse 13, talvez 14 anos e fosse um fã ferrenho do Pink Floyd. Quando eu tinha 15 anos, mudamos para outro apartamento. Lembro-me de meu pai sendo parado no estacionamento e eles acabaram levando-o para a cadeia sem licença. Tenho problemas de memória horríveis que ainda são um problema hoje e não me lembro do que aconteceu depois da prisão do meu pai. Ele não foi feito para ficar sentado por muito tempo. Tudo que me lembro a seguir é de não querer ir para uma terceira escola no meu segundo ano. Eu nunca desisti legalmente. Eu simplesmente nunca voltei para a escola e ninguém percebeu. A namorada do meu pai parou de fingir que gostava de mim quando percebeu que não precisava gostar de mim ou me querer por perto para ganhar o afeto do meu pai. Ele finalmente parou de voltar para casa, mas ainda assim pagou o aluguel. Meu pai foi a primeira pessoa a partir meu coração. Às vezes, acredito que fiquei com o coração partido desde então. Eu era autossuficiente e andava até o trabalho, mas quando penso no passado ... Eu era apenas uma criança !! Embora minha inocência já tivesse passado. Eu deixei meu vizinho de 35 anos fazer sexo oral em mim naquela época e não me senti bem, na verdade, me deixou doente. No entanto, nunca tentei correr. Eu pensei que era o que eu deveria fazer. Meu pai agora tinha meu irmão mais novo. E minha mãe não foi ouvida até que eu fosse adulto e fosse preso por ser prostituta de rua. Peguei o caminho errado e fiz os amigos errados. Eu usei drogas. Eu usei drogas com minha mãe. Um dia depois do meu aniversário de dezoito anos, meu pai veio ao apartamento. Ele me entregou 200 dólares e me disse para ir embora. Eu não tive nenhuma educação ... Eu nunca poderia passar em uma classe quando freqüentava a escola. Comecei a fazer strip-tease em clubes para sustentar uma vida e um apartamento na cidade. Eu tinha pais doces e me tornei uma dessas meninas. Depois experimentei heroína aos 27 e mudou tudo. Eventualmente, fui para a prisão por posse. De certa forma, a heroína me salvou e me trouxe de uma drogada narcisista. Eu estava humilhado e tinha perdido tudo. Felizmente consegui quebrar o ciclo depois de um ano. Eu experimentei amor e desgosto novamente, mas algo incrível aconteceu. Fiquei grávida na pior época. Eu não estava mais tirando minha roupa por dinheiro, mas não tinha meios para sustentar uma criança e ninguém para apoiar minha decisão. Fiquei sem-teto durante a gravidez e novamente depois de dar à luz. Meu filho está agora com quatro anos e preencheu um buraco em meu coração. Eu sei que o tive de forma egoísta. Eu queria que alguém me amasse de volta. Em vez disso, meu filho me ensinou como dar amor. Não me interpretem mal ... Ainda tenho alguns problemas ... Não posso recusar uma oferta de analgésicos no dentista e sempre vou acabar comendo o roteiro em dois dias. Eu AMARIA uma carreira, mas meu porte criminoso de drogas atrapalha. A ansiedade é um problema e as pessoas muitas vezes presumem que sou um grande idiota porque entro em pânico sem motivo específico. Às vezes, silenciosamente, desenvolvo uma sensação de desgraça iminente. Também tenho problemas horríveis de concentração e memória. O kicker ?? Eu ainda tenho os dois pais na minha vida. Minha mãe é exclusivamente alcoólatra .. E Grama AINDA ESTÁ CHUTANDO, mesmo sendo senil. Ela está chegando aos 100 anos. Meu pai me devastou bastante ao longo dos anos, mas ele aprendeu a lição com o fato de estar por perto e ser estável. Meu irmão mais novo não foi esquecido. Meu pai agora vai ser um ex-proprietário devido a colocar meu irmão na faculdade. Eu ainda sou um otário pelo meu pai ... Mas eu dei um FLIP e enlouqueci com ele por mais de uma semana, mas isso foi há 2 anos. Ele ameaçou obter uma ordem de restrição. Eu era muito assustador. Era uma raiva reprimida. Está melhor agora .. Eu não estou mais brava com ele. Meu pai sabe que não protegeu a mim e meu outro irmão. Pela primeira vez, vi um homem velho consumido por uma grande dose de culpa e a raiva que deixei crescer todos aqueles anos se tornou algo de que me arrependi. É bastante triste. Apesar de tudo, eu não quero que ele sofra. Eu quero que ele seja feliz.

  • agulha um

    25 de agosto de 2014 às 7h42

    Eu não te conheço, mas eu te amo, fique forte ♡

  • Lírio

    2 de setembro de 2014 às 3:12

    Nenhuma criança ou pessoa deveria passar pelo que você passou. Fique forte para seu filho, as coisas podem ser diferentes para ele e para você. Sua família está em minhas orações

  • Maria

    11 de setembro de 2014 às 15h04

    Nossa, eu não sei o que dizer a não ser que eu gostaria de poder ouvir você para que você possa dizer tudo isso e te dar conforto porque isso é tudo tão horrível que fui fisicamente abusado por minha mãe e intimidado durante o ensino médio, mas nunca fui molestado ou então eu acho que não consigo me lembrar muito da minha infância, mas toda vez que tento explicar para alguém como minha vida foi difícil, eles me dizem perdoe e siga em frente! LIKE é simples assim, não vou dizer que vou apenas ouvir você e você pode deixar sair tudo que tem o direito de ser ouvida e confortada! Depois de toda aquela merda que você teve que passar, lembre-se de que você é melhor do que eles e peça a Deus para preencher todos aqueles espaços vazios com o seu amor

  • Angie

    3 de outubro de 2014 às 23h44

    Estou sozinho na minha batalha pela sobrevivência da infância ... :-( Tenho 42 anos e tenho 4 filhos ... Eu quebrei o ciclo ... Lembro-me de pensar como um jovem adulto eu como vou fazer isso ... honestamente Eu apenas peguei a memória e arquivei ... às vezes, quando eu bebia demais, derramava-se ... me deixava com uma cicatriz toda ... minha mãe, que eu amava e sentia tanto, nunca perdia o ritmo ... ajudou

  • justiça

    26 de agosto de 2014 às 4:54

    Eu acabei de arruinar meu casamento porque eu não disse ao meu marido que eu tinha 29 anos como uma menina de 5 anos, meu suposto tio enfiava as mãos nas minhas calças e ele dizia: 'Só estou checando para ver se vc fiz xixi na cama .. eu disse a minha mãe e meu pai, mas eles nunca acreditaram em mim porque isso aconteceu um pouco mais e mais tarde dwn a estrada, eu digo. Meu tio-avô molestou meu tio-avô, com 11 anos de lado da família. Eu, minha irmã caçula e meu irmão caçula, ele nos faria três fazer sexo. e mais uma vez mamãe e papai não acreditaram em nós .. então eu peguei drogas e meditei um homem chamado terrell eu me apaixonei por ele. Uma vez fui estuprada de novo e, eu disse a ele e ele disse que ia espancá-lo e assim por diante ... bem, vindo descobrir que ele se tornou amigo dele, então eu não contaria a ninguém o que aconteceu comigo bcos Eu não podia confiar em ninguém ... então agora meu marido me odeia e me chama de mentirosa b **** e w ****

  • Janice

    26 de agosto de 2014 às 10h07

    Fui abusado sexualmente pelo meu irmão mais velho desde que me lembro. Nunca recordei totalmente todas as memórias até o ano passado. Agora é como um pesadelo para mim. Eu arruinei meu casamento por causa da infidelidade e depois que eu disse ao meu marido o que meu irmão fez comigo, ele ficou bravo comigo e me disse para ir morar com meu irmão porque eu devo ter gostado porque eu deixei continuar. Na noite em que contei a ele, ele me pediu sexo oral. Ele quer o divórcio por causa de meus relacionamentos online com outros homens. Agora ele está jogando meu abuso de volta na minha cara. Eu tentei lidar com isso, mas parece que só está piorando. Não tenho seguro de saúde, então não posso mais ver meu Dr. Não sei mais o que fazer. Qualquer sugestão seria muito apreciada.

  • Loumar

    27 de agosto de 2014 às 7h07

    Fui abusada sexualmente por um gril mais velho em um acampamento de verão e tenho lutado contra os efeitos remanescentes desse trauma por toda a minha vida. Eu já passei por todo o jogo de ansiedades, sou gay, bissexual (o asbuso era o mesmo abuso sexual), deveria me matar, deveria contar a alguém. Estou em terapia há mais de 10 anos e recentemente fiquei noiva de um homem incrível que me ama incondicionalmente. No entanto, estou triste e apavorado. Não estou experimentando o prazer que uma mulher recém-noiva deve sentir. Estou à beira das lágrimas o tempo todo, e meu medo de machucar este homem é incontrolável. Alguma ideia? Estou desesperado para entender isso.

  • enviar

    6 de setembro de 2014 às 19h02

    Fui abusada sexualmente, mental e fisicamente desde os quatro anos de idade, pelo meu tio, meu padrasto, irmão e irmãos amigos. Agora tenho 32 anos e procuro ajuda mental. Eu segurei todos os sentimentos por tanto tempo e eles estão voltando em pesadelos. Sou casado e tenho dois filhos. Meu marido percebeu uma mudança em mim e eu quero ser honesta, mas simplesmente não consigo cuspir as palavras. Estou sofrendo tanto que não sei o que fazer. Eu me sinto tão perdida e sozinha, tenho medo de dizer a ele porque ele não gosta de coisas emocionais. Eu gosto que essas pessoas possam compartilhar essas coisas aqui. Eu realmente sinto nojo de mim mesmo e de meus sentimentos. Eu quero tanto morrer!

  • Suporte estilltravel.com

    7 de setembro de 2014 às 11h15

    Obrigado pelo seu comentário, Manda. Queremos fornecer links para alguns recursos que podem ser relevantes para você aqui. Temos mais informações sobre o que fazer em uma crise em https://estilltravel.com/xxx/in-crisis.html

    Atenciosamente,
    A equipe estilltravel.com

  • Breanna S.

    7 de setembro de 2014 às 23h25

    Tenho 19 anos e fui molestado por 3 primos e passo gpa meu irmão meu tio e meu pai biológico. Meu pai começou quando eu tinha 4 anos junto com seu irmão mais novo. Quando fiquei mais velho, parecia que fui molestado por mais pessoas mais fam ... isso deve ser minha culpa de alguma forma, já que era principalmente da família ... eu finalmente contei sobre meu pai com 13 anos antes de Cristo, ele estava tentando me matar e minha madrasta estava deixando ele bc eu disse a ela e mesmo ela não estava indo para a polícia, ele ainda estava bravo .. mas o ponto é que eu disse que ele escapou e todo mundo pensa que sou um mentiroso agora. Eu tive aconselhamento, mas eles só me deixaram brava, dizendo que sabiam como eu me sentia e que precisava perdoar e seguir em frente. Mas eu não posso. im 19 agora e eu ainda tenho pesadelos. Eu tenho a mentalidade de uma vítima. Eu não posso ter um orgasmo por penetração e eu entro em pânico sem motivo .. eu não estou tomando remédios porque eu sempre minto nos testes. Receio que, se for honesto, as pessoas saberão o quão louco eu sou. Eu tenho debates comigo mesmo. Costumo sonhar acordado, como gosto de chamá-lo (eu fantasio e planejo diferentes maneiras de me matar), é como se eu o visse por completo e é um alívio por enquanto, então não ajo, faça isso. Eu sinto que sou a culpada se alguém está chateado. Eu tenho essa coisa que acontece quando estou chateado, às vezes, desmorono e fico tipo ir para um canto escuro da minha cabeça e eu continuo a vida, mas não me lembro disso ... Eu fui uma semana inteira uma vez e não tenho memória do que fiz Sempre me sinto abandonado quando fico sozinho é quase insuportável. Eu também tive um colapso um par de meses atrás à noite, quando vi essas pessoas da sombra tryn para me confortar me dizendo para ir com eles na próxima coisa que eu sei que estou em uma posição fetal na beira da estrada chorando meu corpo com cãibras e um cara perguntando se eu estava bem eu gosto de desmaiar .. minha ansiedade é horrível do nada eu tenho uma sensação de peso no peito junto com falta de ar e dores agudas. Isso nunca foi tão ruim. Eu estive fora do abuso desde os 14 anos. Tenho 19 anos agora, por que estou fazendo essas coisas agora? ... o que há de errado comigo ... por favor, dê um conselho que estou perdido e cansado de sofrer.

  • Suporte estilltravel.com

    8 de setembro de 2014 às 10:51

    Obrigado por seu comentário, Breanna. Queremos fornecer links para alguns recursos que podem ser relevantes para você aqui. Temos mais informações sobre o que fazer em uma crise em https://estilltravel.com/xxx/in-crisis.html

    Atenciosamente,
    A equipe estilltravel.com

  • J

    14 de setembro de 2014 às 10h06

    Lamento muito saber que você está passando por isso. Quando eu tinha 4 anos, fui molestado pelo meu primo. Ele tinha 6 anos. Eu tenho uma família desfeita e dez de nós morando em uma casa. Depois disso, meus outros 2 primos começaram a se juntar a nós. Eles tinham quase a mesma idade que eu, então pensei que era algo que eu tinha que fazer. Eu ainda me culpo por deixar continuar e não contar. Tenho 22 anos e ainda não contei a ninguém. Estou com medo de que tudo tenha sido inventado na minha cabeça. Meus avós ainda são donos daquela casa e sempre que entro nela minha pele se arrepia. Me sinto suja. Tenho que enfrentar minha família, meus primos e não vou olhar nos olhos deles. É como se eles pudessem viver uma vida normal enquanto eu sofro em silêncio. Eu penso em me matar de vez em quando, mas não consigo lidar com o que sinto. Estou com muito medo de pedir ajuda, mas se doer tanto agora, não consigo imaginar como será quando eu colocar tudo para fora. Estou com medo de me sentir julgado. Estou em um relacionamento há 2 anos e no início o sexo estava bom. Mas um dia esses flashbacks começaram e eu empurrei meu namorado de cima de mim tão rápido que sua cabeça giraria. Ele estava confuso e não entendia. Eu finalmente tive coragem, um mês atrás, de dizer a ele por que eu não posso fazer sexo bc se eu não fizesse isso iria arruinar nosso relacionamento. Ele tenta trabalhar comigo, mas ainda fica frustrado, porque às vezes não posso deixar que ele me toque. Eu sei que nunca vai melhorar até eu conseguir ajuda, mas essa etapa parece um salto gigante que não me sinto capaz de dar.

  • Suporte estilltravel.com

    14 de setembro de 2014 às 10:22

    Obrigado por seu comentário, J. Gostaríamos de fornecer links para alguns recursos que podem ser relevantes para você aqui. Temos mais informações sobre o que fazer em uma crise em https://estilltravel.com/xxx/in-crisis.html

    Atenciosamente,
    A equipe estilltravel.com

  • Fácil

    13 de setembro de 2014 às 12h49

    Olá a todos

    Meus sinceros agradecimentos e gratidão a todos os sobreviventes deste site. Seus contos horríveis e tristes são uma fonte de força para nós, que tivemos a sorte de não passar por sua provação. Acabei de perceber a escala desta terrível doença ( abuso infantil) como é generalizado. Estou aqui porque estou tentando descobrir se estou fazendo a coisa certa ou não em meu relacionamento com minha esposa de 20 anos. Deixe-me apressar e dizer que minha provação é um piquenique de domingo quando comparada com a maioria das histórias mencionadas aqui

    Minha esposa, quando estávamos namorando, cerca de 20 anos atrás, me contou sobre o abuso e a negligência de seus pais. seu pecado foi ter nascido menina quando seu pai queria um menino. Ela foi espancada até virar polpa pelo pai, a mãe, porque queria salvar seu casamento, nunca impediu o abuso físico. Ela foi jogada para fora de casa e trancada em um banheiro externo, espancada com arame farpado. Ela também testemunhou a irmã de sua mãe sofrendo terríveis abusos de seu parceiro.

    Sempre que estávamos juntos, ela chorava mesmo quando éramos felizes, porque ela disse que nunca se sentiu amada assim. Cinco anos depois do casamento, comecei a trair (eu era simplesmente um tolo) e isso a devastou. Ela desenvolveu ou pelo menos comecei a notar ataques de pânico, ansiedade, depressão, tentativas de suicídio, auto-aversão (desejo de ser estuprada) para chamar minha atenção e finalmente a vingança me traiu. Queria expulsá-la da minha vida e dos meus filhos (2). Só parei por aí quando vi uma foto de como ela tinha 15 anos atrás, quando ela me contou seu abuso. Não só parei de querer sair, mas fiz todo o possível para ajudá-la a se recuperar desse estado.
    Procuramos ajuda profissional, mas seu abuso infantil nunca foi mencionado ou mencionado, e ficamos juntos até agora. Acabei de descobrir que ela traiu com outro homem casado. Esse cara é o amante dela na escola. descobri isso um mês depois que ela terminou o relacionamento. O fato é que ela interrompeu esse relacionamento porque percebeu que embora o amasse, ele não poderia deixar sua esposa e ela não poderia compartilhá-lo com outra mulher. Durante esse período, ela começou a contatar seu ex-namorado, o primeiro com quem ela me traiu. Quando confrontada, ela entrou em pânico e quis cometer suicídio. Em algum momento durante o caso, ela teve ataques de pânico na estrada à noite, sozinha. Eu não sabia a causa desse ataque de pânico até descobrir que foi quando ela começou um caso. Ela tem pesadelos terríveis que ela toma creme à noite quase diariamente. Ela pessoas tentando matá-la ou prejudicá-la. Ultimamente, isso aconteceu durante o dia, não à noite.

    O que acontece é que eu a amo muito, não quero que nos separemos. Temos 2 filhos fofos (10 e 12) e eu a amo. Quero ser como alguns dos homens aqui que apoiaram suas esposas.

    Antes de concluir, deixe-me dizer que ela é um ser humano muito bom. Posso dizer que 95% dela é angelical por natureza. Ela ajuda a todos que precisam. Ela é muito gentil. Minha família a ama muito. Ela é um ser humano temente a Deus. Uma ótima mãe. Embora quando eu estava traindo ela abusou de nossa filha por um tempo, até que eu percebi o que estava acontecendo.

    Acho que ela tem uma personalidade dividida. Essa parte oculta, o desconhecido para todos, exceto para mim, parece ruim, mas há mais coisas boas do que ruins em sua personagem.

    Meu dilema é que ela não vincula seus problemas à educação, ela afirma que fui eu quem criou todos os problemas em nosso relacionamento. Quero ajudar minha adorável esposa, mas ela não quer minha ajuda, pois envolve abrir seu passado e ela tem um relacionamento sólido com seus pais, que agora são bons pais. Ela esconde dos pais tudo de ruim que ela trai, ela ocasionalmente bebe, ela conversa nas redes sociais sem parar com suas amigas traidoras como se tratando de como trair ou mudar de parceiro.

    Seus pais não sabem que ela tem um problema mental sério que precisa de atenção. Tenho medo de que piore e afete crianças inocentes antes que ela receba ajuda. Estou tão angustiado que estou pensando em fazer
    algo horrível como expor o outro lado dela para ajudá-la a conseguir ajuda profissional.

    Alguém pode oferecer alguma ajuda aqui. Eu sou da África do Sul, o país mais desenvolvido da África. Temos alguns profissionais de saúde mental aclamados mundialmente.

    Como faço para que ela busque ajuda profissional ou, pelo menos, tente entender que o que aconteceu com ela quando criança teve um impacto em sua vida adulta, especialmente em seus relacionamentos no futuro.

    Obrigado mais uma vez por compartilhar e ouvir sua terapêutica, acho que vou dormir um pouco esta noite.
    PODE ALGUEM AJUDAR. EU NÃO PODE DORMIR HÁ UM MÊS AGORA.

  • Rochellen

    5 de outubro de 2014 às 12h50

    Só o tempo e a compreensão ajudarão a curar uma alma quebrada e, pelos sons disso, sua esposa está fazendo tudo o que pode para afastar a mente de sua dor. e, com muita tristeza, magoamos aqueles que mais amamos, porque temos medo de perdê-los sem perceber que nossas ações os afastarão. mantenha-se firme…. mostre a ela não importa o que aconteça ... você só quer ajudá-la a curar a alma que tem sofrido por tanto tempo !! Eu mesma fui abusada quando criança e 20 anos depois estou aguardando uma data para enfrentar meu agressor !! Eu sempre tento olhar para o lado mais brilhante e às vezes eu realmente luto para encontrá-lo, mas sempre haverá algo lá que pode trazer um sorriso ao seu rosto e eu acredito que você será da sua esposa novamente ... Eu tenho aconselhamento e realmente tem me ajudou pessoalmente…. Espero que isso ajude você de alguma forma.

  • S

    15 de setembro de 2014 às 9h25

    Bonolo, posso relacionar um pouco. Algumas de nossas experiências são iguais e outras diferentes. No entanto, casei-me com uma sobrevivente e ela se recusa a acreditar que seu abuso sexual quando criança afeta o relacionamento. Eu li, pesquisei e li mais sobre depressão, abuso sexual infantil e amar uma sobrevivente de abuso sexual infantil.

    Ela foi abusada dos 6 aos 13 anos de idade. Eu sei que ela manipula nossas filhas emocionalmente quando ela não consegue o que quer. Quando eu digo a ela para parar de gritar com eles, ela fica muito vocal, física e gritando ... Eu tenho que deixar meu ponto de vista e ir embora com o entendimento de que não posso controlá-la ou boxear com ela. Ela então começa a acreditar que é sua culpa e depois me empurra para dizer que não é bom estar com ela. Eu digo a ela que vai ficar tudo bem. Ela então me diz, você apenas acha que estou quebrado. Eu digo não a ela e entendo e vejo você. Ontem e ontem à noite, discutimos. Finalmente, ela ligou para sua mãe e disse que estava se mudando de mim. Eu disse tudo bem. Esta manhã, ela foi rude e não se importou com o que eu estava fazendo. Então, 5 minutos atrás, ela me perguntou como estou indo? Ela muda, eu me pergunto se ela tem dupla personalidade ou algo assim. Ela não receberá ajuda, mas eu a amo tanto que não sei o que fazer algumas vezes. Eu estou ficando louco alguns dias. Amar um sobrevivente é um trabalho árduo emocionalmente e deve ser centrado em tudo isso.

  • Bonola

    20 de setembro de 2014 às 18:19

    S
    Caso semelhante ao meu exatamente. Eu também a amo. Hoje ela saiu de casa com o namorado de infância, depois de fingir que está tudo bem o dia, ela me mandou um sms dizendo que não vai voltar para casa. Não tenho ideia de onde ela está, meu medo é que ela esteja tomando remédios e tenha ataques de pânico. Estou prestes a zombar dela agora.

  • Wendy

    20 de setembro de 2014 às 20:56

    Meus primeiros 18 anos de vida foram um pesadelo vivo. Eu estive em 13 lares adotivos. Crescer no final dos anos 70 e 80 e me formar em 92. A primeira vez que fui malestado foi quando tinha 3 ou 4 anos. Não percebi até ficar muito mais velho. Tive um padrasto que me batia. Quem me malestou sexual depois dos 12 anos de idade. Meus pais eram traficantes de drogas nos anos 80. Eu tive um outro homem me maltratando. Eu tive 3 irmãos morrendo. O primeiro de supostamente SIDS. Então ouvindo mais tarde. Ele morreu porque minha mãe o jogou contra a parede. Então eu tive um irmão e uma irmã que cuidei desde que os dois nasceram. Eles morreram em um incêndio em 1988. Absolutamente devastados… Onde estavam nas mãos do meu padrasto. O caso até hoje não foi encerrado. Depois que eles morreram, eu fiz. Aos olhos da minha família. Tornou-se pupilo do estado aos 13 anos. Queria me matar várias vezes. Eu me cortei .. Eu adquiri anorexia e bulimia logo depois. Eu estive na reabilitação em bloqueio por 31/2 meses, sem ninguém por perto para me ajudar a juntar as peças. Em seguida, os lares adotivos. Eu era uma adolescente horrível. Este é um breve resumo dos meus anos de juventude. Eu me apaixonei pelo meu primeiro amor aos 16 anos. Onde eu não era forte o suficiente para superar nosso relacionamento. Tínhamos 2 filhos juntos. Meu filho mais novo nasceu 4 minutos antes. Outra devastação :( Eu literalmente enlouqueci. Aquele casamento desmoronou. Agora, eu tenho 4 filhos 2 são mais velhos. Mais ou menos 19 e 12. Os outros 2 têm 5 e 3. Meu segundo casamento está desmoronando. Estou tentando descobrir se meus relacionamentos desmoronam devido ao meu passado. Ou estou com o homem errado. Estou fortemente medicado, onde estou bastante entorpecido. Porque, não há como eu poder tocar na base de tudo que me machuquei por. Qualquer coisa que possa me ajudar a descobrir os dias atuais. Obrigado!

  • jenna r.

    21 de setembro de 2014 às 17:25

    Isso soa como eu. Sou abusado desde os 3 anos de idade. Abuso sexual por um membro da família de 3 a 7 anos. Então mantive em segredo até os 11 anos. Finalmente não consegui segurar mais, então contei para minha mãe. Como era um membro próximo da família, minha casa foi destruída e até hoje eu me culpo por isso. Mesmo que eu tenha feito terapia e perdoado meu agressor e estejamos bem agora, eu não consigo me aproximar de nenhum cara sexualmente ou mesmo remotamente intimamente. Eu também fui abusada física, mental e emocionalmente por minha mãe, já que ela também me culpou por destruir a família. Fui diagnosticado com PTSD, ansiedade e depressão moderada. Nunca tentei suicídio, mas tenho lutado contra a automutilação e as drogas. De qualquer forma, acho que só queria compartilhar e dizer a quem está lendo isso, você não está sozinho e pode sentir. Você não tem que manter tudo dentro. Fiz isso por muitos anos e não me deu nada além de arrependimento. Eu simplesmente não posso confiar em ninguém além de mim. Talvez amor e família não estejam nas cartas para mim. Eu não sei…

  • Maggie

    7 de outubro de 2014 às 16h35

    Jenna, eu sei como você se sente. Achei que tivesse superado todos os molestamentos e estupros que sofri dos 2 aos 12 anos, mas recentemente tive a pior depressão e sentimentos suicidas da minha vida. Tenho 32 anos e disse ao meu irmão (o único molestador sobrevivente) que precisava me afastar dele e não falar com ele para que pudesse me curar das memórias. Ele ficou com medo de que eu o denunciasse porque ele tem seus próprios filhos que ele chamou de minha mãe e confessou tudo para ela. Ele disse que seus amigos o obrigaram a fazer isso (nunca me lembro de ter visto mais ninguém lá) e ele estava com tanto medo de sua esposa descobrir seu passado sujo. Desde então, minha mãe me fez sentir como se eu fosse a pior pessoa do mundo. Ela disse que eu não perdoo, que arruíno minha família e, o pior de tudo, disse que sente pena dele porque ele vive com a culpa de me molestar.
    Choro várias vezes ao dia, estou tão deprimido.

  • Suporte estilltravel.com

    8 de outubro de 2014 às 10:28

    Obrigado pelo seu comentário, Maggie. Queremos fornecer links para alguns recursos que podem ser relevantes para você aqui. Temos mais informações sobre o que fazer em uma crise em https://estilltravel.com/xxx/in-crisis.html

    Atenciosamente,
    A equipe estilltravel.com

  • Maggie

    27 de outubro de 2014 às 10:41

    sua mãe fez você se sentir ainda mais injusto se seu irmão lamentasse o que ele fez, seria um stsrt, ele não está pensando em si mesmo, é injusto, você deveria tolerar isso, é mais abuso e o erro me deixa louco como as pessoas sekfish podem ser você não fez nada de errado, não se preocupe com isso, peça ajuda para resolvê-lo ou isso vai arruinar seu futuro boa sorte x

  • Dee

    21 de setembro de 2014 às 20:45

    Tenho 24 anos e hoje tive um de meus flashbacks sobre ser abusado sexualmente. Lembro-me de ter cerca de 4 ou 5 anos, meu primo mais velho me fez fazer sexo oral com ele. Lembro-me dele me dizendo para fazer isso, ou então diria à minha mãe que eu estava sendo mau e que, sendo criança, fiz o que ele me disse para fazer porque não queria ter problemas. Naquele mesmo dia, lembro dele me dizendo para fazer algo e eu disse não. Quando fiz isso, ele ameaçou contar a minha mãe o que eu tinha feito. Esta memória é nebulosa, mas tão clara. Outro incidente de que me lembro é um dos antigos namorados da minha mãe me tocando de forma inadequada. Eu tinha cerca de 11 ou 12 anos, ele fazia cócegas em mim e eu odiava quando ele fazia isso porque meu peito sempre doía depois. Conforme eu envelhecia e pensava nisso, meu peito doía porque ele estava tocando e apertando meu peito. Além disso, depois que ele terminasse de me “fazer cócegas”, eu sempre teria que puxar minha camisa para baixo. Essa memória também é nebulosa, mas muito clara. Eu empurrei essas memórias para dentro, mas às vezes elas tendem a aparecer. Esta é a minha primeira vez compartilhando isso. Quero obter ajuda para aprender a lidar com esse tipo de coisa, mas não sei por onde começar.

  • vss

    23 de setembro de 2014 às 21h21

    Tenho lido todas as suas histórias que partem meu coração. Eu também fui abusado quando criança pelo amigo do meu pai, meu pai e tio. Estou casado agora e, em terapia, tentarei o EMDR como último recurso. Recentemente, disse ao meu marido que no início ele me apoiava muito e agora, toda vez que começamos uma discussão, ele me diz que sou uma bagunça desde a infância. Estou começando a ficar ressentido com ele, desde que me abri com ele, ele joga na minha cara que eu estou uma bagunça da cabeça. Quando estamos juntos, nos damos muito amor uns com os outros e fiéis. Tenho um grande problema de confiança e piorou desde que abri esta porta após 30 anos. Estamos em aconselhamento matrimonial, o que nos tem ajudado, mas quando discutimos, sinto que ele está me tratando como abusador. Não uso drogas, bebo ocasionalmente e sou uma esposa fiel. Eu apenas me sinto tão perdida às vezes e não consigo entender como ele pode dizer essas coisas para mim e no momento seguinte ter esse amor incondicional por mim. Por favor, dê-me seus pensamentos. Obrigado

  • Angie

    26 de setembro de 2014 às 17h03

    Olá, tenho estado a ler algumas das histórias que me trazem memórias do passado que são um desafio. Tenho 40 anos, mãe de cinco filhos, tive o meu primeiro filho aos 16, o meu mais novo está prestes a fazer três em alguns meses, quatro menina um menino, eu só tenho meu filho de dois anos. Fui abandonado por minha mãe aos quatro anos de idade e deixei meu pai, então pensei que fosse meu pai, ele abusou sexualmente e fisicamente de mim dos 4 aos 14 anos de idade. Temia voltar da escola porque sabia que ele estaria em casa ele se casou quando eu tinha 10 anos de idade, minha madrasta era cruel verbalmente e fisicamente abusiva quando eu fiz 14 anos. Acabei dando um soco na minha madrasta deixando-a com um olho roxo uma semana depois. Eu fugi pela segunda vez, peguei meu irmão mais novo, ele também foi abusado emocionalmente e fisicamente tudo que eu queria era minha mãe, mas nunca tive permissão de vê-la até aquele dia em que fugimos ... quando eu disse a minha mãe as palavras que ela disse para mim ficaram comigo por mais de 20 anos quando eu tinha 32 aquelas palavras que guardava dentro de mim eu finalmente saí e fui atrás de minha mãe ... Não sei por que tentei sufocá-la, tudo que sei é que não entendi por que ela não me protegeu ... Tenho meninas e se uma de minhas filhas vieram até mim e me disseram que aos dois anos QUE O PAI AS BEIJOA LÁ ... Eu entraria em ação e não ignorar meu filho .. Eu amo muito minha mãe não somos próximos, mas eu ligo para ela ou a visitarei uma vez ou outra para ver como ela está .. como pelo homem que me machucou bem eu não ando perto dele e ainda acho que ele deveria ter ficado preso por mais de 9 meses de prisão pelo que fez comigo. Conheci meu pai verdadeiro aos 17 anos, mas não somos próximos em absoluto. Tenho dificuldade em me abrir e me permitir amar ou ser amado em meus relacionamentos, meu problema de confiança. Estou chegando lá lentamente. Já passei por aconselhamento e tomei remédios para meu transtorno de estresse pós-traumático. E tenho estado bem sem por uns 3 anos até recentemente eu conheci alguém que ele é maravilhoso ele só quer apressar o relacionamento Eu quero ir devagar e namorar conhecer um ao outro ele diz que eu não sou carinhoso ele não entende o que eu Já passei por suas dificuldades e acho que não estou pronto.

  • Chelsea

    26 de setembro de 2014 às 22h04

    Olá, eu sou uma mulher de 25 anos. Eu li alguns dos comentários. Alguns r duros outros são alguns o que acuret. Eu só queria acrescentar que eu passei não só por abuso sexual quando criança, mas também como jovem adulto, há vários anos. Houve abuso físico e emocional também. Eu fiz terapia e ainda estou. Eu percorri um longo caminho e só quero superar tudo, mas parece que não posso. Eu tenho muitas deficiências e avarias diferentes devido ao meu abuso. Fico feliz em dizer que não abuse das pessoas ou crianças. Eu não quero ser nada além da minha família de nascimento. Eu sou adotado, mas muitas vezes sinto que as pessoas não entendem como é difícil viver com os medos assustadores e o passado constantemente lembrando você do que aconteceu. Eu costumava ser sexualmente ativo, mas agora jurei para mim mesmo, agora estou esperando até me casar e espero. posso ficar com isso. Eu tenho muitas lutas, mas soube do que tenho de deficiência e o que passei que é incrível que eu possa funcionar tão bem quanto eu. Eu acho que o que eu quero saber é se algum dia vou superar isso? Vou me curar e ser capaz de seguir em frente. Não posso tomar remédios. Sou alérgico a quase todos eles e os que não são alérgicos a não funcionam. Quero estar bem e seguir em frente e ter um relacionamento de sucesso tanto que muitas vezes choro e me sinto preso como se estivesse acorrentado por meus passado. Quero saber se tenho esperança ou se vou ficar assim pelo resto da minha vida.

  • yvi p

    1º de outubro de 2014 às 11h26

    Tão feliz em encontrar este site existem outras pessoas por aí que já passaram por isso ou algo parecido com a minha história um dia, prometo escrever tudo, vou escrever um livro. É uma boa iniciativa e deve continuar, fico feliz em ver os muitos comentários. Sempre fui muito juiz pela minha família imediata que nunca escuta o meu lado das coisas, o pai da família e os irmãos primeiro me chamaram de covil, então eu fui juiz e considerado um pária agora eles espalham rumores sobre mim, alguns pensam que sou louco alguns conhecem minha mãe melhor e sabem que algo aconteceu comigo. Todo mundo sabe que eu estive em uma unidade de psiquiatria, ninguém sabe ao certo por quê. Como minha mãe agora é e sempre me abusou muito, ela foi criada em um convento que minha avó colocou ela lá. vamos começar com minha mãe me machucou muito quando criança, eu sofri abusos físicos, verbais e ela também me deixou com muitas pessoas diferentes, ela não se importava comigo, não me protegeu Eu tinha muitas babás incluindo homens adultos . Fui molestada por um desses homens quando era apenas uma criança e disse à minha mãe que ela ignorava. Ele era um amigo dela, enquanto ela ainda era casada com meu pai. Ela era abusiva e promiscua, manipuladora e um covil. Mais tarde, casei-me com um homem mais velho, amigo do amante da minha mãe, que não me respeitava e era abusivo comigo. Ele foi para a cadeia por cleptamancia até a prisão por seis meses, eu deixei ele e agora estou morando com meu marido atual, que também é abusivo. Graças a Deus pela medicação, pela terapia para minhas filhas e amigos. Após a terapia, eu me importo mais comigo, eu não estaria aqui se não tivesse minhas próprias filhas. Eles me inspiram, eles são bons filhos, eles são inteligentes e bonitos. Minha mãe foi criada em um orfanato, eu gostaria que ela tivesse desistido para adoção, ela era jovem, não queria que eu dissesse que não sou filha dela para pessoas que conhecemos. Nunca se importe comigo. Estou vivendo provar que pode ser revertido minhas filhas adoram que eu me ame, temos uma relação muito diferente e saudável que tínhamos com a mãe. Eu não a amo, mas a perdoo, eu a vejo às vezes, mas estamos distantes. Nós, vítimas de crimes, não temos culpa, precisamos de tanta ajuda quanto qualquer um pode dar, mas dê-me um sorriso, não um julgamento.

  • Destino

    1º de outubro de 2014 às 14h21

    Olá, estive pensando se fui abusado sexualmente quando criança por 2 anos consecutivos e negligenciado por ambos os pais. Tenho 18 anos, agora eu tinha 5 anos, então não tenho nenhuma lembrança do que aconteceu, mas estou ciente de que aconteceu. Estou com medo porque não acho que estou pronto para lembrar todas as coisas horríveis quando essas memórias ocorrerão? Eles podem acontecer a qualquer momento? Eu vivi uma vida normal, bem, não normal se você tem 2 pais que realmente não se importam com você, mas quero dizer com personalidade sábia, eu perdôo muito e tento ser o mais legal da pessoa que posso, mas eu sei que um dia eu terei que ver as memórias Eu simplesmente não sei quando a maior parte da minha infância de 4-10 foi muito ruim e não há nenhuma memória de nada disso por favor me ajude eu preciso de respostas

  • 4 de outubro de 2014 às 12h08

    Eu tenho 53 anos. abuso físico, mental, emocional e sexual a partir dos 2 anos de idade. Não tenho muitas lembranças da minha infância e de alguns dos meus adolescentes. Tenho muitas emoções por dentro. Não sinto que superei minha idade. Choro muito, não fui uma boa mãe. Passei a maior parte da minha vida correndo e me automedicando, mas à medida que envelhecemos não há para onde correr. Nunca soube para onde estava correndo. Sei que alguém entende e minha família também. Eu NEM o erro se encaixa. É muito solitário. Mamãe e papai morreram. Ninguém escuta. Fui ao terapeuta quando era mais jovem, lares adotivos. Não sei como falar com meus filhos. Acho que eles seriam mais felizes se eu simplesmente não estivesse por perto. Os terapeutas disseram que eu exagero porque minhas memórias estão muito dispersas. Algumas eu pensei que eram memórias de minha irmã disse que era casa errada etc. Eu sou louco

  • Nikki

    5 de outubro de 2014 às 18:22

    Respondendo a Darla - eu ouço você e posso me identificar com você. Você não está louco, nem um pouco! Você, como eu, já passou por muita coisa na vida e, às vezes, essas características continuam à medida que você envelhece. Meus pais usavam drogas e, aos 6 anos, acabei morando com minha avó paterna. Uma vez lá, fui abusada sexualmente. Eu vi meus pais, minha mãe intermitentemente, pois ela ainda vivia fora do estado e meu pai, que vivia intermitentemente na minha casa. Na adolescência comecei a escrever poesias para expressar meus sentimentos, sempre com vontade de estar com minha mãe. Não tenho muitas boas lembranças da minha infância. Agora, com 33 anos e 3 filhos, continuo a chorar às vezes quando penso em certas situações que encontrei quando criança. Eu também fiz terapia, o que ajudou, mas nunca continuei a frequentar as sessões. Não confio em muitas pessoas e só tenho um pequeno círculo de pessoas com quem posso falar. Sinto muito pelas coisas que você experimentou em sua vida. Eu quero que você saiba que a vida não acabou, você pode se reparar tendo fé, indo à igreja ou lendo informações bíblicas e espirituais / vendo programas relacionados à igreja. Dar o exemplo para seus filhos, que precisam de você, quer reconheçam isso ou não. Às vezes, ninguém com quem você interage pode ajudá-lo, portanto, você precisa obter as ferramentas necessárias para se ajudar e se tornar uma pessoa mais forte. Você é amado, mesmo por alguém que talvez não conheça.

  • abril

    6 de outubro de 2014 às 18:50

    Eu estava lendo alguns comentários e estou muito satisfeito em ver quantas mulheres têm força para se apresentar e falar sobre essas coisas. Tenho apenas 21 anos e já passei por todos os tipos de abusos possíveis. Graças ao ex-marido da minha mãe ..
    Mas eu tenho uma pergunta para todos vocês, especialmente para as mães lá fora! Depois de ser abusada sexualmente por tanto tempo durante minha infância, estou com medo. Recentemente, tive uma linda menina. Ela tem 8 meses. Papai e eu nos revezamos pulando na banheira com ela todas as noites para dar-lhe banho e tomar banho. Mas, sempre que é a vez dele fazer QUALQUER COISA que exija tocar o corpo dela de qualquer maneira, estou constantemente observando com medo .. Todo esse 'e se' circula meu cérebro ..

    Alguém mais já teve esse problema? Ou é só comigo..

  • Cristina

    13 de outubro de 2014 às 4:34

    Olá, abril, li sua postagem e entendi perfeitamente de onde você vem. Eu comunicaria esse medo ao pai dela. Eu passei por algumas coisas crescendo. Agora tenho 3 filhas e fico ansioso só de pensar na minha filha de 8 meses na banheira com alguém. Apenas diga a ele como você se sente ... é uma pena sentir que você tem que estar em guarda o tempo todo.

  • becky

    17 de novembro de 2014 às 17:54

    April, meu nome é Becky, fui molestada por meu filho bAbysitter. Eu tenho alguns momentos terríveis. Quero fazer amor selvagem com meu marido, mas me sinto suja e com vergonha e costumo chorar. Tenho 44 anos e tenho 3 meninas crescidas e um filho adulto.
    A razão pela qual espero poder ajudá-lo é que ninguém estava lá para mim. Por favor, não deixe aquele molestador de crianças que merece a morte por machucar você.
    Então aqui vai sabendo que estou falando demais. Se você quer que conheça o amor e o prazer que não conhecemos, nunca a deixe ficar sozinha com um cara de qualquer idade.
    Bem, eu já falei o suficiente, apenas saiba que você tem um amigo em mim e está disposto a conversar a qualquer hora.
    E lembre-se sempre de que Jesus ama você assim como eu.
    Em seu amor becky

  • Joey

    8 de outubro de 2014 às 5:20

    Olá a todos,
    Posso me relacionar com muitas histórias aqui. Fui abusado sexualmente por 2 tios (um em casa conosco por 4 anos), quando criança, fisicamente / emocionalmente abusado pelo meu pai alcoólatra, mas o pior e mais prejudicial de todos é a crueldade emocional e aspereza de minha própria mãe em minha direção.

    Ela me humilhou na frente dos outros, me castigou cruelmente, me rejeitou, me intimidou, ameaçou mandar-me para uma casa, usou o tratamento silencioso em mim, me ignorou, usou de agressão passiva contra mim - sempre fingindo que ela não estava fazendo algo errado. eg eu pedi um gole d'água na porta dos fundos e um balde d'água foi derrubado sobre minha cabeça de 8 anos, e ela saiu correndo rindo por dentro para os adultos. Eu era e ainda sou o “bode expiatório” da família. Ela me escolheu desde muito jovem, por alguma razão, eu era a pessoa em quem ela poderia descontar sua infelicidade (papai estava brincando). Eu tinha que ser o pai de meus 5 irmãos também, então perdi muitos minha infância com muita responsabilidade desde muito jovem. Os primeiros 5 filhos nasceram em 6 anos, eu o mais velho. Nossa mãe nunca esteve em casa, mas sempre trabalhou.

    Eu sei que algumas pessoas não podem compreender que uma mãe faria isso com seu próprio filho, mas, acredite em mim, era real. Uma mulher adulta injetando seu veneno em sua própria garotinha indefesa é a coisa mais maligna que uma mulher pode fazer. não tem que ser abuso físico para causar DOR AO LONGO DA VIDA.

    Ela disfarçou muito bem, a maioria dos meus irmãos não quer admitir que ela foi e ainda é muito cruel comigo, já que ela é uma mentirosa muito astuta / manipuladora e são eles e seus filhos que estão recebendo o amor, a atenção, o tempo , etc. Um irmão admite isso agora e repreendeu-a. Ela ainda me intimida e mostra desprezo por tudo que eu digo na frente dos outros, mesmo nos meus 50 anos. Eu apenas continuei engolindo e mantendo a mágoa por dentro, enquanto isso, me matando com álcool.

    'Minha mãe' fez o mesmo com meu próprio filho, seu neto mais velho - rejeitou-o - age como se ele nem existisse. Eu sou o filho mais velho que ela também gostaria de não existir. MAS, ela não vai perseguir eu longe dos meus irmãos, mesmo que ela os convide deliberadamente para coisas sem me convidar - finge que ela tentou quando eles pediram, etc - a maioria não consegue ver o que ela está fazendo. Agora eu moro na Interestadual há 20 anos para minha sanidade.

    De qualquer forma, na semana passada, durante uma visita, finalmente enfrentei ela. Ela me humilhou muitas vezes na frente da minha irmã & Bro-in-la.Meu pai está morto agora, mas ele até admitiu que não sabe por que ela me tratava como ela fazia. Quando ele estava vivo, ela me tratava como a “outra mulher”. Ela tinha ciúmes do amor de meu pai por mim, a filha mais velha de 6 anos, éramos muito próximos. No último, tive a coragem de enfrentá-la, estou farto de ter uma mãe “má” - prefiro NÃO ter nenhuma mãe. Eu, tristemente, SABIA por 7 anos, que minha própria mãe não me amava, então estava muito, muito cautelosa com ela. Notado que ela contava muitas mentiras sobre os outros e eu nunca poderia confiar nela. O dia das mães sempre foi um dia muito choroso para mim.

    Tentei esquecer sua rejeição / crueldade com drogas, álcool. Parei de fumar maconha aos 27 anos,
    agora parei de anestesiar a dor com álcool também. Eu não vou agüentar mais. Dizem que você ensina as pessoas a tratá-lo bem, semana passada, ensinei a pessoa que deveria ser 'maternal' comigo, que não estou mais tolerando o comportamento dela - fico feliz em aceitar meu dinheiro para sua jardinagem por 5 anos, dinheiro para férias, etc, mas não fico feliz em me tratar com respeito. Recuso-me a ser usado e abusado mais.

    Sinto-me totalmente fortalecido. Agora me recuso a usar a palavra 'mamãe', quando falo sobre ela - ela perdeu o privilégio. Boa sorte para todos vocês, que todos tenham paz. Fortaleçam-se primeiro, então enfrentem seus agressores, diga-lhes que o que fizeram não é aceitável e depois viva uma vida mais feliz com ou sem eles - o que você tem a perder, exceto tirar um grande peso da mente? :)

  • Shannon Zelmer

    8 de outubro de 2014 às 18:10

    Fiquei muito triste ao ler seus comentários. Espero que você tenha tido um pouco de paz em sua vida. Por favor, saiba que você estará em minhas orações. Deus abençoe.

  • lin

    8 de outubro de 2014 às 21h58

    Tive um problema quando era jovem de 7 a 8 anos e não sabia o que fazer com isso. Meu vizinho que era um homem mais velho percebeu isso e me disse para ficar longe daquela casa e disse ao homem para ficar longe de mim.
    Quando eu tinha 17 anos, um colega de classe da escola Christan que frequentei por alguns meses me atacou sexualmente. Ele ficou furioso porque eu tinha namorado e não queria deixá-lo para ficar com ele. Eu me protegi e fui embora.
    Um ano depois, fui estuprada por um bom amigo do meu namorado enquanto era babá de sua filhinha. Meu namorado não acreditou em mim e meses depois eu o deixei porque ele preferia ser amigo dele do que estar comigo. Eu bloqueei muito isso da minha memória, mas me causou problemas. Costumava me cortar, comecei a fumar, o que chamo de suicídio lento.
    Estou noiva de um homem bom, embora às vezes ele me assuste, mas ele entende meu passado e se esforça para não fazer coisas que não superei, como meu pescoço, eu congelo quando é tocado. Eu ainda choro por estar confusa, vergonha, culpa, nojo, sozinha, não digna dos pensamentos da vida que passam pela minha cabeça.
    Ele tem 3 garotas que eu amo e irei protegê-las de não experimentarem o que eu passei, mas seu filho mais velho teve uma situação pior do que eu, 9 meses de seu melhor amigo. Eu vejo a dor, ela não vai falar sobre isso. Ele não quer que ninguém fale sobre isso. Eu tratei da minha causa a primeira pessoa está morta e a segunda é quem sabe aonde não importa e o terceiro militar perdeu a carreira e saiu da minha vida. Eu me odeio e conheço a dor. Ela é uma garota maravilhosa. Eu gostaria de poder falar com ela sem eles me odiarem trazendo isso à tona. Não contei aos meus pais sobre os dois primeiros e mencionei o terceiro a eles meses depois de acontecer. Eu fui capaz de me mudar, mas ela não pode. Ainda temos que ver o cara em nossa cidade. Ele saiu porque delatou alguém. Eu me preocupo com as meninas saindo sozinhas. Eu ainda uso pelo menos uma lâmina em mim. Dei a ela um meu para quando estivermos na cidade, ensinei a ela como usar. Mas mesmo isso não pode parar a dor e o caos do coração e da mente.

    Tenho uma família amorosa e ótimos colegas de trabalho que estão ao meu lado e oram por mim. Eu quero estar lá para minha filha. Ela perdeu a mãe no ano passado e está morando apenas com o pai nos últimos 5. Ele acha que, se você não falar, isso não aconteceria. Mas não falar piora as emoções.

    Eu amo essas meninas e estarei lá para elas. Levei mais de uma década e ainda estou tentando superar meu passado. Lições aprendidas. Não confio em muitas pessoas por causa delas. Eu aprendi que a maioria das pessoas pensa que quando você tem um flashback de que está procurando atenção ou drama, elas não sabem a dor e o trauma que isso causa a uma pessoa. Eu oro por todos vocês e espero que vocês possam orar por minha filha.

    E agradeço ao criador deste site porque eu nunca escrevi minhas experiências e apenas as mencionei em fragmentos para outras pessoas.

  • Cristina

    13 de outubro de 2014 às 6h31

    Depois que o dano foi feito, comecei a me odiar. Encontrei segurança e poder na mesma coisa que tentou matar meu espírito. Tive vergonha porque parei de resistir ... tornou-se prazeroso. Isso me ajudou a superar isso. Eu me fiz acreditar que queria. Isso se manifestou em mim de uma forma onde se tornou eu. Sem ele, eu estava deprimido e impotente. Já perdoei os outros, mas não acho que me perdoei completamente. Costumo temer o aconselhamento ... pode parecer loucura, mas mesmo com toda a dor, eu estava com medo de me tornar alguém que não reconhecia. Perder pessoas, perder a parte de mim que me trouxe conforto. Pequenas coisas me permitem saber que estou progredindo, mas ainda tenho muito trabalho autônomo a fazer ... exemplo: acabei de ter meu terceiro filho. Não consegui amamentar os dois primeiros. Eu tenho amamentado este aqui por quase 5 meses e não sinto aquele sentimento pervertido que tive com os dois primeiros, parece completamente maternal. Coisas tão simples geram muitas emoções confusas.

  • Shannon

    25 de outubro de 2014 às 2h10

    Oi .. Eu me senti em sintonia com o que você escreveu .. Eu fui abusado dos 7 aos 13 anos pelo meu avô, comecei a me odiar porque o amor dele era tudo o que eu me mostrava desde que minha mãe e meu pai costumavam bater me regularmente. Eu me odiava como sentia prazer por isso em um ponto. Tenho 4 filhos e agora 29, e sofri de depressão durante toda a minha vida. Seus filhos são a sua força e esses animais não devem ser capazes de abusar de crianças ... os adultos estão lá para orientar e nutrir. Não é pensamento de ninguém, mas existe. Nós somos as vítimas e sobreviventes!

  • Nicc

    13 de outubro de 2014 às 22h02

    Olá, tenho 18 anos e fui estuprada pelo meu melhor amigo, irmão mais velho, quando eu tinha 10-12 anos, ele me ameaçou e eu estava com muito medo de fazer qualquer coisa pensando que poderia ter problemas. À medida que fui envelhecendo, a notícia se espalhou na escola, mas as pessoas não acreditavam que eu havia sido estuprada, então me chamaram de vagabunda do ensino fundamental ao ensino médio e até agora. Por muito tempo, depois de ser estuprada, eu pensei que todo o meu corpo era bom porque eu deixei homens / meninos se aproveitarem de mim e eu apenas fechei meus olhos e esperei que tudo acabasse. Eu superei esse problema na minha vida, mas não sou deixado com isso como meu passado, estou tendo problemas em me perdoar e acho que meu namorado está desconfortável com isso porque ele não entende a maneira como eu me sentia, ele parece pensar que eu talvez gostei. Mas, para ser sincero, odiava apenas a ideia de sexo até agora com meu namorado, embora às vezes ainda seja difícil para mim, eu só queria ter alguém que entendesse

  • Britt

    16 de outubro de 2014 às 9h50

    Fui molestada sexualmente por meu pai desde os 7 até os 15 anos. Ele me alimentou com drogas e álcool e fez tudo o que você poderia fazer por uma criança. Eu tentei encontrar Deus, tentei aconselhamento e simplesmente não consigo superar os flashbacks. Eu sinto que minha cabeça vai explodir. Eu tenho um filho que é autista, então, enquanto tento manter minha sanidade, também tenho uma grande luta com meu filho. Estou em processo de entrar no tribunal para prender meu pai porque temo que isso aconteça novamente com outra pessoa. Não tenho 25 anos e estou tentando lidar com o que aconteceu então. Também sou casado com alguém que é controlador e sei que ele me ama e diz que não é minha culpa, mas não me apóia de forma alguma e diz coisas como eu nunca vou superar isso até que eu enlouqueça e queira que eu vá para o poilce e agora que eu tive e estou realmente lutando com as emoções dele, ele continua tentando me desencorajar disso. Tudo que peço é que ele seja amoroso e me mostre o amor e o apoio de que preciso. Achei que talvez fosse melhor deixá-lo porque não consigo lidar com o estresse de meu pai passando por isso e agora com meu casamento e meu filho. Ele não me deixa porque diz que me ama demais. Alguém mais está na situação? Eu realmente preciso de alguns conselhos e uma coisa que me impede é o abuso e o abuso mental que sofri durante toda a minha vida, não sei se posso fazer isso sozinho. Não tenho nenhum apoio familiar, sendo que todos eles são drogados e envolvidos em seus pequenos mundos. Realmente gostaria da opinião de outras pessoas.

  • mitch

    27 de novembro de 2014 às 8h24

    Eu não conheço a realidade e a fantasia ...: '(flashback da minha infância me persegue toda vez que estou feliz de vez em quando ... Eu sou fisicamente abusado por meu pai me espancando até a morte machucando até a parte de aço do cinto coagular meu sangue ... eu não consigo dormir ... eu tenho tantos relacionamentos fracassados ​​Eu sou uma mãe solteira ... E agora sou uma amante. Nem me conhece Eu sempre procuro por Deus, mas às vezes memórias ruins me perseguem.

  • mitch

    27 de novembro de 2014 às 8:33

    Eu sempre fui estuprada aos 20 anos e fiz um aborto aos 23. Tenho apenas 25 anos agora, por favor me ajude, não quero arruinar minha vida. Socorro.

  • Taylor

    20 de outubro de 2014 às 13h09

    Jesus, eu nunca pensei que encontraria um site como este ... muito menos postar nele. Jesus ok ... um sim, então de 8 a 14 anos fui tocada pelo marido da minha mãe. Não meu pai. Nossa, ok ... quando eu finalmente abri, ela não acreditou em mim ou não se importou ou eu não sei, porra. Minha tia e meu tio me acolheram imediatamente. Minha mãe mentiu para todos que conhecemos e disse que eu me mudei porque ela não me deixou ir ao baile. Eu tenho um irmão mais novo que era o pai dele ... ele sabia porque eu o deixei. Meu bebezinho. Ele ficou arrasado. Isso me arruinou. Bem, mamãe e ele eventualmente se divorciaram - ele era muito, muito abusivo verbalmente também. Ele mudou de estado, graças a Deus. Mas então mamãe teve câncer. Como o estágio 4 do câncer de mama. Ela ainda tem hoje. Eu tenho 23 btw. Ok, então meu irmãozinho teve que se mudar ... para o pai. Felizmente, ele se casou novamente e se casou com uma mulher maravilhosa. Ele trabalha fora da cidade, então isso não me incomoda muito. Enquanto isso, mamãe ainda fala com ele ao telefone. Age como se nada tivesse acontecido conosco. Eu realmente não acho que ela se lembra de nada disso. Eu mal consigo. Eu tenho um namorado agora e nós fizemos sexo normal e outras coisas, mas isso realmente está me incomodando. Qualquer coisa sexual que eu não queira fazer parte. Como tudo. Tenho uma ansiedade debilitante e, se me sentir desconfortável, encolho. Bem diante de seus olhos. Já se passaram anos desde que eu falei sobre isso então ... ahh. Ugh

  • Taylor

    31 de outubro de 2014 às 10:17

    Oi Taylor:

    Tenho uma namorada que foi molestada quando tinha 10 anos. Na época, ela foi molestada por seu padrasto. Não foi bem para ela. A mãe dele ficou do lado dele e até pediu para mentir no tribunal. Você pode imaginar? Isso separou a família tanto emocional quanto financeiramente. Ela teve que ir morar com seu pai. Quando ela tinha 12 anos, ela conheceu um menino. O menino tinha 16, 17. Os meninos do quarteirão a desafiaram a beijá-lo. Ela fez. E logo depois, eles começaram a namorar. O menino a pressionou para fazer sexo com ele. Ela cedeu. O menino pediu que ela fizesse todas as coisas que os adultos fazem: boquetes, sexo anal e até sexo a três. Esse trio que eles tinham, ela me disse que odiava. O menino ficaria com raiva dela se ela não fizesse as coisas que ela queria que ela fizesse. O outro garoto do trio tinha 18 anos. Eles entraram sorrateiramente em seu quarto à meia-noite (casa do pai) e a forçaram. Logo ela percebeu que este menino só queria sexo com ela. Ela o deixou. Mas ela ficou arrasada, é claro. Ela então conheceu um primo. Este primo foi bom com ela e ela encontrou conforto nele. Não muito depois disso, porém, o primo pediu para fazer sexo. Ela diz que não podia dizer não porque gostava do fato da prima ser solidária emocionalmente e ela não queria perder isso. Seu pai e toda a família de seu pai descobriram e ela foi rotulada como promíscua e prostituta. Ela foi chamada de vagabunda muitas vezes pela própria família. Logo depois ela teve outro namorado. Quando ela fez sexo com ele, ele a deixou e disse que ela estava apaixonada por outra pessoa. Depois disso, ela foi visitar a mãe no Colorado nas férias de verão. No Colorado, as coisas pioraram novamente. O tio namorado de sua irmã a estuprou. Este estuprador ameaçou prejudicar sua família se ela não obedecesse. Ela relutantemente cedeu. Ele a segurou e a estuprou. Ela me disse isso uma noite. Ela estava chorando quando me contou. Ela escreveu em um diário. Ela escreveu na terceira pessoa. Ela se refere à pessoa como 'aquela garotinha'. Depois que ela voltou do Colorado. Quando ela tinha quatorze anos, ela conheceu esse jovem. Ele foi bom no começo. Eles começaram a conversar e ele apoiava muito em tudo. E eles começaram a namorar. Tudo estava bem por dois meses. Até esse cara começar a pedir para fazer sexo o tempo todo. Ela queria fazer sexo anal. Que ela não gosta e, novamente, todos os tipos de sexo que ela não queria. Ele também começou a ficar com ciúmes de tudo. Ele era muito possessivo e abusivo às vezes. Enquanto isso, minha namorada sempre sofreu de depressão e ansiedade. Em uma daquelas discussões que ela teve com esse cara, ela ficou tão chateada que tentou se machucar e acabou em um hospital psiquiátrico. Eventualmente, eles se separaram. Mas não terminaria aí. Esse cara ligava para ela para contar todos os tipos de coisas ruins. Até que ela teve que dizer a ele que ela tinha conhecido um novo cara para que ele parasse de incomodá-la. Depois disto. Um cara que é amigo do pai dela começou a morar com eles quando esse cara ficou sem-teto. Esse cara iria falar sobre sexo com ela. E começou a insinuar coisas sobre sexo com ela. Um dia, quando eles estavam sozinhos, esse cara tirou seu pênis e começou a se masturbar e agarrou as mãos dela e a fez tocá-lo. Algum tempo depois, outro amigo de seu pai começou a tocá-la sempre que podia. Ela disse a seu pai e seu pai conversou com ele, mas isso não o impediu. Isso continuou por anos. Como resultado, minha namorada tem baixa auto-estima, ansiedade, depressão clínica e muito baixa autoestima. Ela é linda, mas pensa que é feia. Ela tem problemas de confiança e é muito frágil. Uma vez, nós começamos uma discussão em que eu a fiz se sentir mal e ela foi para casa, tomou banho e se cortou. Depois de tudo isso, aprendi que esse tipo de coisa acontece muito. E a culpa geralmente é dos pais por não cuidarem dos filhos. Não há nenhum açúcar nisso. É culpa dos pais. Minha namorada sobreviveu a tudo isso e acho que é uma maravilha como ela é quem ela é. Ela não faz você ver que ela está triste. Ela se esforça para desfrutar de tudo o que é alegre em seu caminho. Às vezes é difícil, mas isso não a impede de tentar. Digo que ela é maravilhosa e a pessoa mais incrível que conheço todos os dias. E eu realmente fiz com que ela fosse feliz, embora ela caia em depressão facilmente por tudo que a faz lembrar do passado, estamos lutando para torná-lo melhor. Tentamos todos os dias tornar as coisas melhores. Planejamos ter filhos e dar a eles uma vida maravilhosa. Uma vida que ela nunca teve. E é assim que deveria ser. É assim que todos deveriam ser. Lamento que esse tipo de coisa aconteça, mas acontece. E, infelizmente, tudo o que podemos fazer é lutar para aproveitar o resto do que resta de nossas vidas e não olhar para trás.

  • Taylor

    2 de novembro de 2014 às 10:45

    Eu só quero me sentir normal. Estou cansado do fardo e gostaria que tudo desaparecesse.

  • iashia

    21 de outubro de 2014 às 23h08

    Não acredito em fazer isso, mas aqui vai ... Minha mãe se casou com o marido dela depois de namorar alguns meses. Sempre me senti desconfortável perto dele, podia vê-lo sempre me observando. Começou com Lil coisas como abraços e outras coisas. Então ele começou a bater na minha bunda na frente da minha mãe e ela não disse nada. Ele pedia uma massagem, só me fazia subir em cima dele para massagear seu peito, ele me oferecia dinheiro, eu tinha apenas 11-13 anos e minha mãe nunca dava dinheiro para minha mesada. Ele me tocava ou entrava no meu quarto sem bater, especialmente pela manhã, quando eu estava me preparando para a escola. Ele andava de cueca com sua coisa para fora. Foi todos os dias por quase 3 anos. Eu tentei me matar quando tinha 14 anos. Minha mãe nunca acreditou em mim, ela apoiou ele no tribunal. Ela sabia o que estava acontecendo ou que ele era inapropriado comigo na frente dela, ela tinha que saber. Fui expulso de família para família. Eu sempre tive um problema com a intimidade, odeio ser tocado, isso me faz arrepiar. Isso afetou tantos relacionamentos, especialmente com meu pai que eu não acho que ele olhou para mim da mesma forma de novo como se eu tivesse sido contaminado. De vez em quando, às vezes recebo flashbacks de coisas que não lembrava. Isso me deixou com medo de ser amada da maneira adequada como uma mulher deveria. Eu sofri de depressão e ansiedade extrema por toda a minha vida. Isso me deixou muito cansada dos homens, especialmente perto do meu filho. Minha mãe deixou o amor cegá-la aconteceria o mesmo comigo ??? É um medo que tenho, sei que não vai acontecer, porque tenho um parceiro em quem posso confiar. Eu e minha mãe não falamos que ela ainda está com o marido e eu não posso perdoá-la por virar as costas para mim quando eu realmente precisava dela. Quero dizer, como ela pode se casar com um homem que fez isso com sua própria carne e sangue. Meu parceiro está sempre comigo por causa do sexo, mas eu odeio, não é ele, sou eu, mas eu gostaria de poder contar a ele, mas secretamente estou envergonhado e com vergonha no fundo, eu ainda me culpo, não sei por quê ...

  • chris

    26 de outubro de 2014 às 03h46

    Dos 5 aos 17 anos, fui molestado pelo meu pai. Agora tenho 50 anos e tenho problemas com. Eu fui trabalhar como conselheiro por anos, mas mais recentemente estou com muita raiva de minha mãe por não fazer nada. Lembro-me de dizer à minha tia que disse ao meu pai desnecessário dizer que me lembro claramente até hoje como gritaram e disseram que eu iria para a cadeia. Meu pai era policial. Meus pais tiveram um casamento feio e abusaram do álcool. Então agora aqui estou eu, anos depois e não tenho ninguém para falar, minha mãe diz para superar e depois de tudo que seu pai foi molestado quando criança, sem desculpa eu disse a ela, eu nunca machuquei meus filhos, esse problema destruiu minha primeiro casamento e agora meu segundo casamento é ótimo, exceto para a verdade feia. Meus pais e eu tivemos um relacionamento distante por anos e eu estava feliz, mas depois da querida do pai do meu marido, meu marido sugeriu que passássemos mais tempo com meus pais, agora eles moram bem próximos e eu não gosto disso. Meu pai tem problemas de saúde e minha mãe é as mesmas mulheres narcisistas. Sempre acha que ela sabe o que é melhor, só não entendo como uma mãe pode ser tão cruel, ela me menospreza até o fim. Estou meio que no final das contas porque meu marido pergunta por que estou tão brava com meus pais, eu quero dizer a ele a verdade e acreditar nele. Ficaria atrás de mim, mas não tenho certeza do que fazer. Eu acho que estou cansado de ver e ouvir como meus pais são maravilhosos pelas pessoas e meus próprios pais. Meu marido se ofereceu para encontrar um novo emprego e se mudar porque ele não gosta de me ver estressada, mas ele tem uma ótima carreira e ee ter uma boa casa. Desculpe por toda a tagarelice, é bom tirar isso do meu peito. Engraçado, eu cresci em uma casa de classe média alta com muito dinheiro e brinquedos, mas nunca feliz. Eu estava muito feliz até que deixei essas pessoas voltarem demais à minha vida. Não consigo decidir se digo ao meu marido Estou bastante confiante de que ele nunca iria embora, mas tenho medo de que ele conheça o homem que ele pensou que meu pai não é nada disso.

  • lisa

    31 de outubro de 2014 às 9h11

    Meu coração vai para você. Eu sou uma mulher de 51 anos em um segundo casamento que também sofreu abuso sexual na infância de um vizinho por muitos anos, tinha pais que viram os sinais, mas optaram por não fazer nada. Acho que depois de anos de aconselhamento e conselhos maravilhosos de pessoas na minha vida eu recomendaria que você contasse a seu marido. Permita-se ser totalmente vulnerável ao homem que jurou amor e compromisso com você por toda a sua vida. Por favor, não permita que os pecados e erros de seu pai e a negligência e erros de sua mãe ditem o resto de sua vida aqui na terra. Perdoá-los não os isenta; ele libera você para se amar e ter relacionamentos saudáveis ​​com aqueles com quem você escolher. Ao contar a seu marido sobre os atos desprezíveis do passado de seu pai, você ficará livre para seguir em frente e permitirá que seu pai implore por perdão para você. Desejo a você toda a vida e apoio que você tanto merece ter….

  • Eleazar Garcia

    31 de outubro de 2014 às 23h27

    Não tenho certeza se o que aprendi com minha noiva é relevante. Eu sou um PTA de profissão e sou um homem paciente e um guerreiro de coração. Eu a amo e ela sofreu por causa de seu tio e tudo que eu sinto é raiva. Ela afirma ter perdoado o tio, mas quando somos íntimos ela se fecha. Tudo o que ela quer fazer é me agradar, e eu não estou feliz. Eu também quero ser seu garanhão, mas me sinto impotente lutando contra seu passado. Ela realmente gosta do que fazemos e então isso se insinua em nossa vida e eu fico com nojo dela. Ela me deu sinais confusos e sinto que sou eu. Sempre sou culpado. Fiquei com raiva quando soube de sua experiência e agora ela quer convidá-lo para nosso casamento. Ela também tem uma tendência de deixar os filhos pisarem nela. Tento ajudar, mas não sou ninguém. É como se ela quisesse que eles se safassem de seu mau comportamento e depois quisesse minha ajuda para livrá-los de problemas, porque ela sabe que eu amo seus filhos. Ela também permite que sua filha durma com pessoas que realmente não conhecemos. Além disso, sua filha está ficando curiosa sobre a sexualidade e tenho medo de repetir. Às vezes fico com raiva porque é como se ela quisesse ensinar uma lição à filha, permitindo que algo acontecesse. No momento estou longe das crianças e tenho pouco contato com elas, mas tenho medo de perder o controle se algo acontecer com sua filha. Sou o pai dos meus filhos e embora tenha sido severo com os meus filhos, eles ainda cometem erros, mas nunca lidei com o abuso sexual apenas aconselhando-os a ter cuidado e não confiar em ninguém. Seu primo também foi molestado. A curiosidade não é desculpa para homens ou mulheres abusarem de crianças. Eles são curiosos e devem ser protegidos e ensinados que a sexualidade é uma expressão de Amor, não uma fraqueza de homens e mulheres. Devemos educá-los de que há um tempo e lugar e uma pessoa especial a quem você pode expressar esse amor. Eu amo minha noiva e preciso de oração por nós dois. Principalmente para eu saber como expressar meu Amor por ela. Eu sinto que estou desmoronando ao que parece. Vou ser mais paciente e menos crítico. Eu tendo a esquecer que sua atitude pode ser um reflexo direto de como ela se sentia no momento. Também temo retaliação por parte de sua filha, porque parece que nunca a deixei escapar por ser abusiva com sua mãe e permitir que ela dormisse com suas amigas o tempo todo. Ela tem 11 anos. e uma mão cheia. Eu a amo como minha própria filha, mas não me sinto confortável com ela porque ela pode ter muito ciúme de sua mãe. Ela briga comigo e joga muito comigo e eu tento ensinar-lhe habilidades como autodefesa, autorrespeito e exigir respeito. Voleibol e cozinhar, mas às vezes ela quer agir apenas 3 anos. Sei que o pai dela não é brincalhão nem se importa em ficar com ela por causa da namorada, mas não confio nos filhos da namorada. Eles são muito avançados quando se trata de vida e sexualidade. Eu me preocupo e minha noiva age como se não fosse um negócio biga. Talvez eu esteja exagerando, mas essas duas crianças fazem perguntas adultas sobre sexualidade e isso talvez seja um sinal de alerta. Eu faço o meu melhor para guiá-los e compartilhar com eles minha experiência sobre não correr pela vida, mas os comentários que eles fazem me assustam.

  • sem corpo

    11 de julho de 2015 às 19h39

    Eu e meu irmão gêmeo fomos molestados quando tínhamos 7 anos por nosso professor de religião e ninguém sabia porque meu pai estava traindo minha mãe na época. Eu estava com medo e desconfortável e não sabia o que ele estava fazendo, nunca contamos a ninguém e fingimos nunca aconteceu mais tarde no colégio eu tive um colapso nervoso quando comecei a ouvir meninos falando sobre mim de uma forma sexual Eu podia ouvir suas vozes em todos os lugares que eu ia eles me atormentavam mentalmente eu tinha medo de tomar banho minha família me levou a um psiquiatra eles disseram que eu tenho schetzofrania e depressão, mas não consegui descobrir por que estou com medo de sair de casa ou ir a qualquer lugar sozinho Tenho muito medo de homens ou meninos, mesmo mulheres, especialmente estranhos Tenho medo de ir para a universidade, então não frequento e estou começando a falhar, acho que não posso lide com isso ninguém sabe nem mesmo meu psiquiatra, eu moro no Egito, pple são tão conservadores, alguns matam seus filhos por fazerem sexo, estou com medo e muito deprimido

  • Catarina

    27 de outubro de 2014 às 10:57

    Fui controlado e abusado física e mentalmente pelo meu pai e a falta de sentimento ou emoção da minha mãe levou-me a ter mais abusos em ataques de estupro de vida muito mais hoje estou uma bagunça, pensei em suicídio do que li essas histórias e vi outras pessoas pior do que eu, então não estou sozinho, vou lutar

  • vss

    3 de novembro de 2014 às 21:01

    Olá a todos, como uma atualização desde setembro, as coisas realmente mudaram para mim. Comecei a terapia EMDR, que li neste site. Fez maravilhas por mim, não só porque comecei a fazer exercícios no campo de treinamento e a me alimentar de maneira saudável. Sinto-me bem comigo mesma, meu casamento é maravilhoso. Deixe-me explicar que não acredito em perdoar meus molestadores. Vou odiá-los para sempre, então estou trabalhando para me curar. Por favor, todos olhem para a Terapia EMDR, é maravilhoso se sentir assim. Nunca fiquei tão feliz que meu nível de ansiedade caiu. Se você decidir tentar, por favor, me mantenha informado.

    Boa sorte para todos vocês. E lembre-se de que você é importante, há esperança de que eu seja uma história de sucesso.

  • Aubrey

    14 de novembro de 2014 às 2:27

    Fui repetidamente estuprada pelo meu padrasto dos 3 aos 8 anos de idade. Agora tenho 37 anos. Minha irmã (filha do meu estuprador) é 5 anos mais nova que eu. Ela tem um relacionamento com este homem agora. Ele foi condenado e cumpriu pena pelo que fez comigo. Minha irmã me enviou uma mensagem no Facebook ontem explicando que a vida é muito curta para guardar rancor, e eu só preciso esquecer isso. Ela também explicou que as pessoas lhe fizeram coisas erradas e ela foi boa o suficiente para perdoá-las. Eu concluí a terapia com sucesso anos atrás e estou indo muito bem na minha vida. Alguém poderia POR FAVOR me explicar por que minha irmã acha que eu deveria ser o “amigo” do homem? Eu simplesmente não consigo entender por que minha irmã esperava que eu fizesse.

  • T

    24 de novembro de 2014 às 19h28

    Direi agora a Aubrey e a qualquer pessoa que esteja lendo esta mensagem. Quando alguém lhe diz para não “guardar rancor”, “perdoar e esquecer” ou “deixar pra lá”. Ponha-os fora de sua vida, pois eles não têm idéia da dor e do sofrimento do abuso sexual. Ninguém vai entender até que tenha passado por isso. Saber que isso acontece com você desde que você tinha 3 anos ???? Ela obviamente tem alguns problemas mentais sérios e não é boa para sua cura ou um bom sistema de suporte na vida. Lamento que você tenha que passar por isso ou mesmo ouvir essas palavras. Que frio de gelo.

  • Sophie

    17 de novembro de 2014 às 6:01

    Minha mãe estava muito doente e meu pai a deixou e a nós. Lembro-me do namorado da minha mãe batendo em mim com um cinto, mas eu era muito jovem, provavelmente por volta dos dois anos de idade. Acho que ele tentou ser sexual comigo, mas quando jovem eu recusei e levei as surras em vez disso. Em seguida, mudei para um orfanato e, finalmente, fui adotado. Meu tio me molestou algumas vezes. Eu provavelmente tinha cerca de oito anos. Ele tocou minha irmã mais nova também, mas principalmente estava interessado em me tocar. Eu nunca disse aos meus pais adotivos, eles eram muito abusivos física e emocionalmente comigo. Carrego tanto ódio e raiva que a maioria das pessoas não consegue ver. Não consigo terminar minha história. Meu namorado abusivo está entrando.

  • A equipe estilltravel.com

    18 de novembro de 2014 às 14h13

    Obrigado pelo seu comentário, Sophie. Queremos fornecer links para alguns recursos que podem ser relevantes para você aqui. Temos mais informações sobre violência doméstica em https://estilltravel.com/xxx/therapy-for-domestic-violence.html e informações adicionais sobre o que fazer em uma crise no https://estilltravel.com/xxx/in-crisis.html

    Atenciosamente,

    A equipe estilltravel.com

  • Margarida

    23 de novembro de 2014 às 19h49

    Olá, fui abusado sexualmente quando criança. Então, quando eu tinha cerca de 7 anos, nos mudamos e uma tia veio morar conosco porque não tinha para onde ir. Tínhamos que dividir um quarto. Várias vezes por semana minha tia ficava bêbada e começava a abusar verbalmente de mim, ela sabia do abuso sexual que aconteceu e me dizia coisas horríveis como “sua safada”. Eu ficava chateado e contava aos meus pais, mas eles diziam que ela não tinha para onde ir, então tive que aguentar isso por cerca de 8 anos. Eu HD vários relacionamentos e eventualmente me casei, o que acabou em divórcio. Agora estou em um relacionamento há 12 anos, mas não estou feliz. Estou no mesmo emprego há 20 anos porque não tenho confiança para encontrar outro emprego, mas tenho um bom cérebro. Tenho uma auto-estima muito baixa. Desde que eu era jovem, sempre dei meus brinquedos, agora na vida adulta, dou todo meu dinheiro para amigos e familiares. Por que eu faço isso - eu quero parar porque agora me encontro em dívidas. Outras pessoas abusadas têm esse problema? Tenho 53 anos. Só deixo as pessoas aproveitarem.

  • Carol

    26 de novembro de 2014 às 6h23

    Fui abusada sexualmente quando criança, abusada fisicamente e depois estuprada aos 20 anos e também fiz um aborto por estupro. Depois de muito trabalho, não tive problemas e aqui são 15 anos depois e minhas coisas estão em todo lugar. Por quê ??

  • A equipe estilltravel.com

    26 de novembro de 2014 às 10:40

    Obrigado pelo seu comentário, Carol. Queremos fornecer links para alguns recursos que podem ser relevantes para você aqui. Temos mais informações sobre violência doméstica em https://estilltravel.com/xxx/therapy-for-domestic-violence.html e informações adicionais sobre o que fazer em uma crise no https://estilltravel.com/xxx/in-crisis.html

    Atenciosamente,
    A equipe estilltravel.com

  • Carvalho

    26 de novembro de 2014 às 22h08

    Fui abusado mental e fisicamente quando criança, isso também inclui estupro dos 7 aos 12 anos de idade, quando finalmente consegui sair. Tenho muitos problemas agora com relacionamentos. O relacionamento mais longo que tive foi de 5 anos e foi intermitente. Tenho medo de me aproximar de alguém. Já traí no passado e acho que isso tem muito a ver com minha história de infância e atualmente estou trabalhando para resolver essas questões porque quero um relacionamento feliz e saudável. Tenho 26 anos e quero tanto deixar meu passado para trás e ser feliz. Eu também fui estuprada em abril de 2013, o que resultou em engravidar, mas aquele com quem eu estava na época não conseguiu me proteger do mal porque ele estava em uma viagem de negócios e talvez seja por isso que eu o deixei tanto porque sinto ele não me protegeu como eu sinto que ele deveria ter feito. Eu passo por tanta coisa sem ninguém saber porque eu mantenho muita coisa engarrafada.

  • Kathleen

    28 de novembro de 2014 às 11:00

    Quando eu tinha cerca de 13 anos, talvez 14, meu irmão começou a me molestar. Mesmo que isso me fizesse mal, não pude contar a ninguém porque meu irmão era o menino de ouro e isso teria partido o coração de meu pai e minha mãe teria simplesmente varrido tudo para debaixo do tapete. Há cerca de dois anos, quando minha mãe faleceu, meu irmão me perguntou se eu culpava o que ele fazia. E WHAM tudo voltou para mim Por cinquenta anos eu bloqueei e agora cada vez que penso nisso, o mesmo sentimento doentio volta. Hoje contei ao meu marido e ele não teve grande resposta. Pretendo contar aos meus outros irmãos e confrontar Steve, aquele que fez isso comigo. Você acha que algum dia terei paz com isso. Alguém por favor me ajude. Eu preciso de respostas.

  • Diane

    3 de dezembro de 2014 às 8h39

    Querida Kathleen, sinto muito pelo que você está passando, acredite em mim, eu sei o que é, eu tenho 29 anos, com 5 ou 6 anos, meu irmão me molestou e até tentou me estuprar. Eu disse à minha mãe e ela meio que varreu para debaixo do tapete. quando eu tinha 12 anos, meu irmão mais velho começou a fazer o mesmo. quando eu finalmente disse à minha família, eles riram de mim Ele riu de mim me chamou de mentiroso, eu não posso mais confiar nas pessoas, eu não quero ninguém perto meu filho e o que é pior é que os mesmos irmãos moram perto de nós, então meu filho pode estar em perigo Eu sou uma mãe solteira Eu não sei o que fazer, mas confiar em Deus, ele a manteve salvo todo esse tempo, eu quero diga que estou planejando obter aconselhamento e sugira que você faça o mesmo. Lembre-se de que você não está sozinho.

  • Charles H

    2 de dezembro de 2014 às 20:16

    Casei-me com uma mulher que sofreu abusos físicos e ligeiramente abusados ​​sexualmente quando criança (uma vez que é tudo o que ela contou sexualmente). Ela é um ser humano confuso. Ela tinha dois filhos quando nos casamos. 86 dias após o casamento, ela iniciou um ataque violento de 5 anos contra a de 4 anos que me faz pensar hoje, eu deveria ter denunciado o abuso antes. Ela disse “quando você chora, eu não tenho medo, eu sei que você está ouvindo”. Fez uma criança de 4 anos chorar 25 vezes por semana para diminuir o medo. Felizmente, ela admitiu abuso físico e emocional de seus filhos (por escrito), quando eles tinham apenas 1 e 3 anos de idade. Ela deixou provas escritas em minha casa quando se mudou e pediu o divórcio. Ela se divorciou de mim porque seus filhos só me ouviam, eu nunca gritei com eles. Terapeutas, digam aos cônjuges se eles têm um humano verdadeiramente confuso com quem estão casados. Foi-me dito pelo meu, mas fiquei mesmo assim para as crianças. Recebi visitas com seus filhos 10 vezes por mês (apenas US $ 50 mil). Ela ainda levava a criança a tentar assassinar o mais velho, assim como bf skinner sugeriu em seu livro que escreveu com John Cleese, página 61.
    Se você passou mal quando criança, não tenha filhos, a menos que seu terapeuta diga que você está pronto. Ou não, o abuso infantil se propaga facilmente. A irmã da minha ex também é muito má. 100 anos de abuso infantil nesta família. 13 divórcios desde 1962. Nem uma palavra até depois do casamento.

  • Mitsi

    3 de dezembro de 2014 às 10:48

    Eu quero compartilhar algo. porque me sinto muito pesado. Não sei como posso mudar isso. Eu tinha 12 anos quando meu tio que está no exterior veio até minha casa para nos conhecer. ele disse que vai dar uma festa. então todos nós entramos no carro. meu tio estava sentado ao meu lado. sua conversa começou dizendo que sou muito gordo e coisas assim. ele puxou minha camiseta de lado e disse para ver seu pneu e tudo. Eu me senti muito desconfortável naquele ponto. mas nunca pensei que as coisas piorariam depois disso. a partir daquele dia ele começou a me molestar. sempre que saíamos, ele se sentava bem ao meu lado. Eu costumava usar uma corrente naquela época. ele costumava agarrar minha corrente ao longo da minha camiseta e dizer que era lindo. a partir desse ponto eu sabia o que ele estava tentando fazer. Eu costumava apenas chorar, mas não consigo explicar a ninguém o que estava acontecendo comigo. meu tio tirava minha camiseta dos ombros, me tocava de forma inadequada, tentando me beijar. Eu me tornei muito agressivo devido a isso. comecei a falar rudemente a cada vez1, medo dos outros, andar na estrada sem perceber1, calava-se, chorava debaixo dos meus cobertores. Isso durou até os 18 anos, quando meu casamento foi consertado com um cara. ele me achou muito bonita e perfeita para ele. como meu casamento estava consertado meu tio veio do exterior e ele levou a mim, minha irmã e meu irmão para fazer compras no carro. ele levou meu irmão e minha irmã para um hotel e me disse para ir de carro. ele voltou e tentou estuprar. Eu neguei ele então ele me bateu muitas vezes, eu estava chorando muito. enquanto ele estava me forçando o motorista veio e descobriu que algo está suspeito. durante toda a jornada ele nunca me deixou sozinha no carro. meu irmão tinha apenas 6 anos sim. ele estava muito tenso ao me ver chorando no carro. ele me perguntou por que estou chorando. Eu não vou me comportar mal com sua irmã. plz não chore. Fiquei tão emocionado naquela época e fiquei muito emocionado com o cuidado dele comigo. naquela noite chorei muito e contei tudo aos meus pais e irmã. no dia seguinte, meus pais não fizeram nada com meu tio. eles costumavam atendê-lo normalmente. Me senti muito mal. a única coisa que meus pais fizeram foi impedir que eu e minha irmã ficássemos com ele. antes do casamento, contei toda a minha história ao meu marido. ele me abraçou e disse: Não se preocupe, ninguém se atreverá a tocar em você a partir de agora. Eu senti-me bem. Eu me casei com 19 anos. À noite, quando eu dormia, meu marido me tocava ou me abraçava. Eu choro como o inferno e tento me proteger. mas assim que eu ouço sua voz durante meu sono eu uso para acalmar e ele, por favor, me salve e não deixe ninguém vir. Tenho muito medo de conhecer pessoas, de ir a qualquer tipo de entrevista ou de trabalhar em qualquer lugar. Fui selecionado em muitos lugares, mas não me sinto confiante o suficiente para sair. Eu estou com medo. plz Gide me por que fazer. Ajude-me!

  • A equipe estilltravel.com

    3 de dezembro de 2014 às 11h18

    Obrigado pelo seu comentário, Mitsi. Se você gostaria de consultar um profissional de saúde mental, sinta-se à vontade para retornar à nossa página inicial, https://estilltravel.com/ e digite seu código postal no campo de pesquisa para encontrar terapeutas em sua área. Se você está procurando um conselheiro que pratica um tipo específico de terapia, ou que lida com preocupações específicas, você pode fazer uma pesquisa avançada clicando aqui: https://estilltravel.com/xxx/advanced-search.html

    Depois de inserir suas informações, você será direcionado a uma lista de terapeutas e conselheiros que atendem aos seus critérios. A partir desta lista, você pode clicar para ver os perfis completos dos nossos membros e entrar em contato com os próprios terapeutas para obter mais informações. Você também pode nos ligar para obter ajuda para encontrar um terapeuta. Estamos no escritório de segunda a sexta-feira, das 8h00 às 16h00. Hora do Pacífico; nosso número de telefone é 888-563-2112 ramal 1

    Atenciosamente,

    A equipe estilltravel.com

  • T

    6 de dezembro de 2014 às 21h20

    Carol,

    Peço desculpas por estar apenas vendo seu comentário. Eu não pensei que iria receber muitas respostas. Mas irei verificar com mais frequência agora. Acredito que a razão de suas coisas estarem em todo lugar é porque talvez uma memória trouxe de volta um pouco do seu trauma ou algo pode tê-lo desencadeado. Não quero desencorajá-lo, mas às vezes levará muito tempo para se recuperar do abuso sexual. Parece que você passou por muitos traumas durante a maior parte da sua vida. Eu só tiraria um tempo quando você precisar, tempo para meditar, dizer uma oração se você acredita em Deus e talvez procurar mais terapia ou falar com um amigo de confiança. Se você estivesse de pé antes de poder voltar a ficar de pé novamente. Você é forte.

  • T

    6 de dezembro de 2014 às 21h29

    Kathleen,

    Eu acredito que você terá paz. Sua mãe parece muito pouco solidária. Há mais alguém ao seu redor que o apoiou, visto que seu marido não teve uma boa resposta? O apoio é importante, mas cuidar de si mesmo é o mais importante. Deixar sair isso vai fazer você se sentir melhor. É um grande passo e acredito que você pode dar certo. Depende inteiramente de você dizer a quem deseja contar e você tem todo o direito de sentir raiva. Eu recomendaria talvez encontrar um grupo de apoio ou alguém próximo para conversar em sua família. Se isso não for possível, você pode sempre entrar em contato com meu e-mail. A propósito, lamento que isso tenha acontecido com você.

    T.

  • T

    6 de dezembro de 2014 às 21h34

    Carvalho,

    Lamento e espero que você possa encontrar conforto em seu tempo de provação. Os relacionamentos são um trabalho muito difícil e ainda mais difícil se você passou por abuso porque sua confiança foi seriamente prejudicada. Quando nossa confiança é prejudicada quando crianças, isso afeta os relacionamentos adultos. Isso sempre acontecerá até que possamos encontrar a ajuda certa. Espero que você consiga encontrar um pouco de paz e eu recomendo que você tire essas coisas do seu peito e é ótimo que você tenha vindo a este site.

    T.

  • T

    6 de dezembro de 2014 às 21h38

    Mitch,

    Ser mãe solteira é difícil, mas ainda mais difícil se você está passando por isso. Rezar para Deus. Diga a ele tudo em sua mente. Você se sentirá muito melhor depois e começará a ver algumas mudanças. Espero que seus pesadelos desapareçam e lamento que você tenha apanhado quando criança. Você pode precisar interromper seus relacionamentos e dedicar algum tempo para se curar completamente.

    T.

  • neeky

    7 de dezembro de 2014 às 6h40

    Eu realmente nunca falo sobre isso, mas aqui vai. Fui abusado sexual e emocionalmente pelo meu padrasto desde os 5 aos 13 anos. Minha mãe trabalhava muito e achava que ele era a figura paterna perfeita. Ele entrava no meu quarto à noite, entrava no banheiro enquanto eu estava tomando banho e me tocava. Quando eu tinha cerca de 11 anos, eu o peguei acariciando minha irmãzinha e eu surtei. Fiquei em casa o tempo todo para garantir que minhas irmãzinhas estivessem protegidas. Eu finalmente contei para minha mãe aos 13 e ela enlouqueceu. Ela queria matá-lo. Eu descobri que estava grávida alguns dias depois. Estou agora com 26 anos e meu filho com 12. Eu o amo de todo o coração. Ele me torna mais forte e feliz. Eu nunca chorei por mim mesma. Não tenho vida sexual porque é difícil para mim confiar em alguém, especialmente perto do meu filho. Nunca fui à terapia ou recebi ajuda profissional, mas tenho tido problemas ultimamente. Preciso de ajuda agora porque estou me desfazendo lentamente.

  • Christina

    7 de dezembro de 2014 às 19:00

    Alguém poderia responder ...

    Fui abusado pelo meu pai dos 8 aos 20 anos. A forma como isso me afetou é que acho muito difícil confiar em meus relacionamentos. Estou sempre no modo defensivo. Meu namorado atual parece empurrado para longe de mim e está prestes a sair. Eu me sinto responsável. Ele me sugeriu que procurasse ajuda ... hoje dei o primeiro passo para me organizar para ver um sicólogo. Eu o amo muito e sinto que o perdi ..
    Isso me mata por dentro e quero fazer tudo certo para evitar essa separação. Ele é minha rocha há quase um ano e é o único homem na minha vida que me fez perceber que ainda tenho que lidar com esses problemas para me tornar uma pessoa melhor e livre.
    Até agora eu achava que estava bem, pois me certifiquei de trancar aquelas experiências de abuso horríveis que tive quando criança. Bem, não foram trancados ... foram apenas ignorados. Eu não posso mais ignorá-los ..
    O que eu faço para evitar que meu namorado vá embora ... Eu não quero que ele fique porque ele sente pena de mim também!
    Pela primeira vez na minha vida me sinto muito perdida ...

  • Ryan

    8 de dezembro de 2014 à 1h15

    Você precisa se amar primeiro ...

  • vss

    27 de dezembro de 2014 às 12h11

    Christina .. Eu também bloqueei esse tempo horrível que passei. Tive vários relacionamentos, sempre os afastei, nunca confiei em ninguém com meus filhos. Eu percebo que quanto mais velho eu tinha essa porta destrancada e antes que você percebesse eu estava uma bagunça muito quente. Meu casamento estava à beira do divórcio. Eu li exatamente neste site que o EMDR pesquisei e encontrei um médico certificado pelo conselho em minha área local. Digo que estou mais calmo e meu casamento deu uma virada. Eu me sinto bem comigo mesma, finalmente conversei sobre isso com minhas irmãs, o que nunca havia explicado que estava passando pela terapia EMDR. Depois de falar com eles, não me senti como uma vítima ou envergonhado, era a primeira vez e me senti bem. Por favor, se você tem um homem que o apóia e ama, busque essa ajuda, é maravilhoso e me salvou. Melhores votos e mantenha-me informado. Deus abençoe

  • Ryan

    8 de dezembro de 2014 às 01h23

    Meu problema…. Eu amo essa mulher, meu coração bate rápido pensando nela quando a vejo ... de qualquer maneira ela foi molestada jovem, tinha dois filhos, então eu a conheci no meio de um relacionamento ruim ... difícil para ela, todos os caras não são idiotas, especialmente quando eles próprios tiveram um coração partido ... de qualquer maneira, ela está com um cara decente, mas os dois sabem que quando ela vai para a escola, é um fim entre eles ...

    algum conselho EU AMO essa mulher e seus 2 filhos e eu me casaria com ela se eu tivesse a menor chance, mas ... chega de namorado ruim !!

  • Carvalho

    8 de dezembro de 2014 às 19h40

    T, fiz terapia por muitos anos depois que meus avós conseguiram minha custódia. Agora estou com medo por causa do meu medo de trazer tudo de volta como nas memórias. Tenho algumas memórias e às vezes até pesadelos com o que aconteceu. Eu até durmo com a luz acesa quando estou sozinha em casa pelo medo de ficar sozinha à noite porque tudo acontecia à noite enquanto crescia. Estou feliz por ter encontrado este site e posso discutir abertamente o que aconteceu quando criança. Não é fácil, mas estou indo bem. Eu sempre disse que nunca deixaria meus filhos passarem pelo que eu passei e até agora tudo bem. Eu não grito com eles, eu não os bato para punição. Em vez disso, fico parado e sinto mais respeito por parte deles do que por meus próprios pais. Sinto que ao criar meus filhos me saí melhor do que eu mesmo, mas sinto em meus relacionamentos que preciso de ajuda para poder me casar com meu melhor amigo como planejado e permanecer fiel. Até agora tenho me saído bem sem terapia, mas tenho medo de uma recaída. tem sido fiel a ele há um ano.

  • Cristal

    9 de dezembro de 2014 às 19:30

    Fui molestado pelo meu tio dos 4 aos 13 anos. Tentei denunciá-lo e o que aconteceu aos 11 os policiais até se envolveram, mas fui ameaçado pela minha família de mentir e dizer que nunca aconteceu e quando o caso foi arquivado, meu tio mais uma vez continuou a me molestar e foi pego dois anos depois por molestar outra garota ... bem depois disso aconteceu toda a minha FAMÍLIA ao lado dos poucos que sabiam o que realmente aconteceu pensaram que eu realmente tinha inventado tudo, então dos 13 aos 15 anos, três outros homens me molestaram e todas as vezes que tentei contar a alguém sobre o que esses homens (que eram da família ou amigos próximos da família), ninguém acreditou em mim e me xingou ou disse “É exatamente por isso que eu estava preocupado com você morando aqui, eu sabia que você faria isso, mas pensei que você me acusaria !!!” Então esses homens se safaram porque sabiam que ninguém acreditaria em mim ... bem, meu tio, que me molestou pela primeira vez, me escreveu uma carta da prisão e também revelou uma foto que fez em algum tipo ou papelão e escondeu um carta secreta ali para eu encontrar e ele também incluiu um corte de seu pênis que ele mesmo coloriu e traçou do seu próprio ... na carta, que era muito detalhada e grosseira, ele admitiu o que tinha feito no passado e que ele queria continuar assim que saísse ... minha mãe descobriu e mostrou a todos e a qualquer um que pudesse. Então, e somente então, as pessoas acreditaram em mim e já era tarde demais ... mesmo depois de todos saberem a verdade, ninguém nunca me perguntou sobre isso ou se eu estava bem. Nunca recebi a ajuda de que precisava, nunca fui à terapia. E agora, com vinte e poucos anos, sou casada com um homem muito mais velho e não confio nele. Parte disso é culpa dele, mas muito é meu passado, nenhum homem, incluindo meu pai, jamais permaneceu na minha vida e os poucos que ficaram acabaram me abusando sexualmente. Eu não sei o que fazer eu quero mudar, mas como ??? Eu nem sei por onde começar ... e se eu não fizer algo, vou acabar apenas empurrando-o para longe, porque pelo menos posso controlar a quantidade de dor que ele vai fazer para mim

  • Nicole

    22 de janeiro de 2015 às 9h34

    Crystal, sinto muito por ouvir sua história e também posso me identificar com seus problemas de confiança, pois também fui abusada sexualmente por um amigo próximo da família. Tentei alcançá-la, mas ela nunca me ouviu e me ignorou. Agora, na minha vida adulta, vejo o preço que isso tem causado em mim, na minha intimidade e nos meus relacionamentos. Eu diria que o melhor lugar para começar, por mais difícil que possa parecer, é amar a si mesmo e conversar com alguém não preconceituoso, como um terapeuta ou alguém em um centro de crise local. É um fardo difícil de carregar quando você se sente tão sozinho e sua confiança foi quebrada por tanto tempo. O amor próprio incondicional é difícil, mas você precisa começar a amar e confiar em si mesmo antes de compartilhar seu amor e confiança com outra pessoa. Entre em contato se precisar conversar. Desejo o melhor para você!

  • Carvalho

    22 de dezembro de 2014 às 8h37

    Cristal,
    Eu sei o que você quer dizer, ninguém acreditou em mim porque era o namorado da minha mãe e sua família que estavam fazendo essa merda comigo. Acabei fugindo porque ninguém acreditou em mim. Foi muito ruim, então sim, eu sei o que você está passando e é difícil. Meu pai sempre estava dentro e fora da minha vida também. Minha mãe nunca acreditou em mim, disse que eu estava mentindo mesmo depois de fazer o teste do detector de mentiras. Fui colocada com meus avós dos 12 aos 17 anos quando me casei com meu primeiro marido e acabou depois de 5 anos por causa de meus problemas de confiança e eu tinha até traído ele por causa dos meus problemas. Agora estou com esse cara incrível com quem estive de vez em quando por 4 anos e ele é muito mais velho também, talvez seja verdade o que a família disse sobre eu estar com Ben antes de conhecê-lo, disseram que era porque eu tenho papai problemas.

  • Kristin

    22 de abril de 2015 às 9h30

    Fui sodomizado pelo meu tio quando tinha 9 anos. Não sei quanto tempo durou em anos. Ele me deixou assistir a filmes pornográficos com ele e me deixou beber cerveja com ele. No começo ele apenas me tocou, sexo oral e inserção do dedo. Depois de algumas vezes assim, ele fez sexo anal sem rodeios comigo. Eu sangrei por um curto período de tempo depois. Eu disse ao meu primo e meu primo levou para os adultos. Todo mundo disse que eu estava mentindo. Eles disseram que eu devo ter gostado. Fui tratada como uma doença na minha família. Depois de tentar me matar 3 vezes, decidi fugir. Um mês depois de voltar para casa, a segunda das duas pessoas que realmente acreditaram em mim (meu outro tio e amada figura paterna morreu) eu tinha 16 anos nessa época, então comecei a beber em profusão e a usar a cocaína como método de enfrentamento. Eu era extremamente promíscuo e a maioria deles era muito mais velha do que eu. Aos 16 anos, tive sexo consensual com um jovem de 28 anos, por exemplo. Já fui casado 4 vezes e apenas o meu segundo não abusou de mim ... Eu o traí e o abandonei. Eu fui para o Exército e comecei a fazer aconselhamento. Tentei transformar meu agressor na polícia e eles nem ouviram minha história. Recentemente, confrontei meu perpetrador e ele negou ter feito qualquer coisa. Lembro-me de coisas vividamente no que diz respeito aos episódios reais de abuso sexual, mas não posso deixar de me perguntar se estou louco ou talvez esteja inventando. Eu exibo mais de 50 dos sintomas acima. Fui tocado aos 7 anos por minhas babás, um menino de 16 anos, sodomizado pelo meu tio aos 9, estuprado por dois homens, um aos 18 e um aos 19. Às vezes sinto que trouxe tudo para mim, mas sei que logicamente não era meu culpa. Portanto, agora é uma questão de minha sanidade.

  • Empy

    26 de dezembro de 2014 às 19h41

    Anseio por intimidade com alguém, mas fui abusada e aproveitada na infância. Eu era suicida no colégio. Fiquei com raiva durante minha infância. Estou trabalhando com um psicólogo. Tenho insistido mais nos aspectos negativos do que no fato de ser um sobrevivente. Eu preciso chorar, mas não consigo, mesmo que doa.

    Mesmo que eu queira estar com alguém, eu não sei como me daria romanticamente porque não gosto de beijar ou pensar em outras coisas sexuais. Isso poderia ser resultado de abuso?

    Como faço para me recuperar? Como vou deixar ir e apenas chorar as lágrimas dolorosas? Como faço para parar de perder tempo em terapia e apenas dizer como realmente me sinto.

    Não sinto que minha vida está completa, embora eu tenha um filho que sempre quis. Eu o estou criando sozinho com a ajuda dos meus pais quando eles o levam para me dar um tempo, mas eles não gostam do meu padrão de vida porque não é assim que eles vivem.
    Por favor me ajude

  • Emily

    2 de janeiro de 2015 às 4h40

    Empy, estou na sua situação. você desfrutará de tudo o que deseja se compreender e aceitar por que não gostou disso uma vez e entender quais riscos tem medo de correr e por quê, por exemplo, confiar nas pessoas novamente. é preciso muita coragem, peça a seus amigos para ajudá-lo, você não precisa fazer isso sozinho como talvez tivesse que fazer quando era jovem. boa sorte e coragem! você consegue fazer isso.

  • leila

    9 de janeiro de 2015 às 7h21

    Também fui molestado no início da adolescência por um membro da família e mais tarde por um grupo de meninos da minha escola, que mais tarde me tornou o culpado da história, mesmo depois das coisas horríveis que fizeram comigo. Eu me casei quando tinha 21 anos com um cara doce, mas eu apenas traí e traí. Ele saía muito e isso me fazia sentir sozinha. Estamos à beira do divórcio agora. Parei de trair depois de finalmente fazer terapia. Mas é como se os demônios ainda me assombrassem. E meu marido apenas abusa emocionalmente de mim o tempo todo.

  • A equipe estilltravel.com

    9 de janeiro de 2015 às 8:32

    Obrigada pelo seu comentário, Leila. Queremos fornecer links para alguns recursos que podem ser relevantes para você aqui. Temos mais informações sobre violência doméstica em https://estilltravel.com/xxx/therapy-for-domestic-violence.html e informações adicionais sobre o que fazer em uma crise no https://estilltravel.com/xxx/in-crisis.html

    Atenciosamente,
    A equipe estilltravel.com

  • Babs

    20 de janeiro de 2015 à 1:01

    Olá, tenho lido esses comentários e posso me identificar com muitos de vocês. Fui abusado emocionalmente, fisicamente e, em uma ocasião, sexualmente por meu padrasto até os 15 anos, quando as autoridades foram notificadas e ele foi parado. Ele costumava me bater com tanta força no traseiro nu que eu tinha marcas roxas de mãos e ele também usava um cinto e uma bengala. Ele também costumava entrar no banheiro quando eu estava lá e andar nu na minha frente. Minha mãe ficou do lado dele. Infelizmente, o estrago foi feito e agora, aos 47, sou uma bagunça emocional, apesar de ter feito aconselhamento. Estou casado há 26 anos com um homem decente (6 anos mais velho) que me sustentou e me apoiou durante anos de depressão, mas ele não é demonstrativo e descobri que anseio por afeto por toda a minha vida adulta ( precisando de abraços, me dizendo que sou amado etc.). Como eu retribuí? Traindo-o mais de uma vez com homens mais velhos (sem realmente fazer sexo, mas precisando de afeto, como uma criança). Atualmente estou envolvido com um colega de trabalho que é mais velho, prestes a se divorciar e que é muito carinhoso (a relação não é adúltera no momento) e meu casamento está prestes a se separar. Como faço para sair desse caminho de autodestruição e egoísmo? Tornei-me cristão há 21 anos, mas ainda me comportei assim desde então e não frequento mais a igreja. Sinto que não posso mais estar com meu marido, pois não confio em mim mesma, muito menos em ninguém e tenho causado muita dor. Devo também acrescentar que tenho dois filhos adultos, um dos quais é autista e não sinto ter lidado muito bem com esta situação.

  • A equipe estilltravel.com

    20 de janeiro de 2015 às 9h38

    Obrigado por seu comentário, Lilica. Queremos fornecer links para alguns recursos que podem ser relevantes para você aqui. Temos mais informações sobre violência doméstica em https://estilltravel.com/xxx/therapy-for-domestic-violence.html e informações adicionais sobre o que fazer em uma crise no https://estilltravel.com/xxx/in-crisis.html

    Atenciosamente,
    A equipe estilltravel.com

  • Kate

    20 de janeiro de 2015 às 18:59

    Portanto, não tenho certeza de como devo dizer tudo isso e se tudo fará sentido ... Eu costumava olhar para a minha infância e pensar que fui tão abençoado. Tínhamos uma fazenda enorme com muitos animais e muitos amigos. Foi só aos 15 anos que olhei para trás e percebi que o que aconteceu comigo não era normal e não estava bem. Meu irmão abusou sexualmente de mim quando eu tinha 8 anos. Não fizemos sexo, mas ele me forçou a fazer todo o resto e eu fiz isso. Quando alguém em quem você confia tanto, pede para você fazer algo, você simplesmente faz. abusado sexualmente pelo meu melhor amigo durante 5-6 meses aos 11 anos de idade. Disseram-me que estávamos fazendo isso para “praticar para a coisa real”. Quando eu tinha 13 anos comecei a abusar do álcool, aos 16 comecei com a maconha, 17 com as drogas pesadas. Meu pai abusou mentalmente de mim e minha família desde o início até eu ter 15 anos (essa é a idade em que decidi não tê-lo mais em minha vida). Ele costumava sacar a espingarda da minha mãe e irmãos e dizer que não éramos filhos dele. Essa mãe deve ter trapaceado. Ele era bipolar, alcoólatra e passava de 6 a 7 horas bêbado no pub local facilmente 4 dias por semana. Nós pisávamos em cascas de ovo ao redor dele, sempre com medo de como ele estava. Uma vez que mamãe comprou a marca errada de manteiga então ele o jogou pela janela e cortou os móveis ao meio com serra elétrica. Depois que meus pais se divorciaram, ele nunca mais quis me ver, exceto para impressionar suas novas namoradas. De qualquer forma, há um milhão de coisas que eu poderia te contar sobre meu pai, mas o que estou realmente escrevendo é que levei 13 anos para contar a alguém sobre meu abuso sexual. Eu nunca disse à minha família que apenas contei à minha melhor amiga, exceto que ela era a pior pessoa que eu poderia ter contado. Ela ficou chocada por eu não ter superado tudo ainda. Esses 13 anos devem ser mais do que suficientes. Sem saber por que não superei tudo, fiquei realmente autodestrutivo de novo, não usava álcool ou drogas desde os 19 anos, mas agora voltei a usar drogas para criar um entorpecimento e uma falsa felicidade, comecei a dirigir rápido demais para sentir a adrenalina e pulei as refeições porque gostava de sentir dor no estômago. Conheci o cara mais legal possível, ele gostou muito de mim e eu gostei muito dele. Só ele começou a ver o quão imprudente eu era e terminou nosso relacionamento antes mesmo de começar. De certa forma, estou feliz que acabou ... Eu continuei tendo que fingir que estava feliz com ele e fingir que estava tudo bem. Me assustou dizer a ele que fui abusada, não queria que ele pensasse que eu estava suja, machucada ou nojenta. Não queria que ele soubesse que dar e receber oralmente me dá vontade de chorar, que só me lembra das vezes em que fui forçada a fazê-lo. Eu sei como o sexo é importante para um relacionamento e acho que ele fica melhor com alguém que não está quebrado. Mas então me sinto culpado por até mesmo me deixar chamar isso de abuso sexual porque, em comparação com outras pessoas, não passei por nada! Eu não fui batida e não fui uma vítima por anos ..

    De qualquer forma, sinto muito pelo longo discurso .. Ninguém precisa responder, apenas me senti bem em deixar tudo para fora :)

  • julian m

    23 de janeiro de 2015 às 10:22

    Obrigado por dedicar seu tempo para expor algumas de suas dores ... vou mantê-lo em oração!

  • Claro

    7 de fevereiro de 2015 às 4:29

    você não tem nenhum motivo para se sentir culpado, você não pode comparar sua experiência com a dos outros ... você já passou por muitas dores e não está danificado, você teve experiências traumáticas que ninguém merece e é assim que a mente e o corpo respondem à dor e trauma.
    você está em minhas orações, obrigado por compartilhar, é muito corajoso da sua parte e espero que você encontre alguém mais receptivo / substancial para se abrir porque essa aceitação pode ajudá-lo a se curar. A terapia pode criar esse espaço e também ajudar, não perca a esperança!
    pensamentos e orações x

  • Danielle

    8 de fevereiro de 2015 às 15:49

    Obrigado por compartilhar! Isso me ajudou, eu fui abusada pelo meu filho de uma babá que era um amigo e eu nunca fui estuprada, mas obrigada a fazer tudo o mais também me ajudou muito. Obrigado! Espero que você esteja bem!

  • Thugga

    24 de janeiro de 2015 às 22h19

    Estou envolvido com uma senhora que foi batida repetidamente por seu padrasto quando ela tinha 15 anos ... eu a apoiava muito, mas eu tinha problemas para entender quando estávamos namorando oral era um problema agora que vivemos juntos oral não é uma opção e carinho de ninguém tipo está fora da porta toda vez que eu toco ela é sempre uma desculpa assim doeu, ou não faça isso, você vai me machucar pare assim. Preciso de ajuda porque realmente amo essa mulher e tenho medo que ela me afaste e não a queira perder.

  • Nicole

    25 de janeiro de 2015 às 10:14

    Fui abusado minha vida inteira. Agora tenho 22 anos e não quero que isso continue afetando minha vida adulta. Minha mãe sempre foi emocional e mentalmente abusiva, mas por volta dos 11 anos ela era fisicamente abusiva. Eu tenho 5 outros irmãos, mas por algum motivo ela era apenas fisicamente abuaive comigo. Por que eu? Parece que nunca consigo encontrar a resposta para essa pergunta. Uma vez, depois que ela e meu irmão saíram de férias e meus outros irmãos foram para a casa dos pais (este foi o quarto divórcio da minha mãe), ela voltou tarde com meus irmãos e começou a me sufocar contra a parede. Meus irmãos mais novos de 4 e 6 anos gritavam 'não a mate, não a mate.' Eu tenho flashbacks dela batendo minha cabeça na parede e ela pegando meus sapatos e me batendo com eles (meus saltos de igreja). Eu chamaria a polícia, mas ninguém acreditou em mim. Eu me mudei quando tinha 16 anos e morava com uma amiga e sua família. Agora, tenho depressão e ansiedade severas. Eu tentei cometer suicídio e pensei em fazer isso todos os dias nos últimos 5 anos. Eu tenho problemas de fixação. Muitas vezes me sinto sozinho e como se ninguém me entendesse. Eu bebo muito álcool, embora esteja na faculdade e seja normal, mas dependo disso. Eu me cortei e tenho feito isso várias vezes desde os 13 anos. Eu odeio tanto minha mãe. Eu só quero saber se algum dia vou superar isso. Quando os flashbacks vão parar?

  • Sharon

    30 de janeiro de 2015 às 23h14

    Tenho 42 anos e estou fazendo terapia ... 2 anos até agora. E já deram as provas necessárias à polícia. Aguardando datas de julgamento. Fui estuprada pelo meu pai dos 2 a metade dos anos a quase 6 anos. Estou lutando com os julgamentos das mães agora sobre falar e não ter vergonha do que aconteceu. Como uma criança pode ser responsável pelo que aconteceu com ela e por que as pessoas não entendem a necessidade de falar. Ainda assim, quando eu explico se era o filho deles ... instantaneamente eles comentam e dizem que matariam. No entanto, como eu poderia matar ou matar minha família quando todos estavam me intimidando para me calar? Até meu namorado está com nojo de mim e não me deu conforto e apoio ... disse que era problema meu e é um trabalho duro. No entanto, sou tão cuidadoso ao afetar a vida de outras pessoas e ainda sofro por não falar. Eu sou um adulto e deveria ser livre para falar. Ele tem vergonha de mim. E me fazendo sentir culpada. Já fui suicida antes por me sentir tão sozinha e por mais que odeie os sentimentos que prometi a mim mesma, não irei lá novamente. É tão difícil lidar com isso. Tenho 3 filhos que são fantásticos e estão orgulhosos de mim, o que você pensaria que uma família e amigos seriam. No entanto, eles permitem que você sofra mais. O lugar mais solitário do mundo. Tem sido toda a minha vida.

  • Sharon

    30 de janeiro de 2015 às 23h16

    Shoud leu. .. * lutando com julgamentos de outros agora .. não mães.

  • joe

    31 de janeiro de 2015 às 19h27

    Preciso de ajuda, por favor. Estou namorando uma mulher maravilhosa que me confidenciou que foi abusada sexualmente por seu pai por muitos anos. Ele começou a estuprá-la quando era adolescente. Finalmente terminou aos 15 anos. Ela desenvolveu um distúrbio alimentar em uma idade jovem com o qual ainda lida (ela está na casa dos 40). Ela também era uma cortadora. Ela também me disse que foi estuprada por um estranho aos 19 anos. Ela nunca foi casada. E pelo que ela me disse, a maioria de seus relacionamentos anteriores foram muito abusivos tanto fisicamente quanto sexualmente. Ela disse que abusou do álcool por um curto período, mas agora está bem com isso. Fiquei surpreso por ela não ter histórico de uso de drogas ou promiscuidade. Ela está funcionando muito bem sexualmente. Nunca se afaste disso. Meu problema agora é que parece que ela teve muito mais parceiros sexuais do que alegou e alguns desses homens também mencionaram as drogas. Quando pergunto sobre tudo isso, ela continua mentindo. Ela faz aconselhamento desde a adolescência e vive dizendo que este médico é a única pessoa que sabe tudo sobre ela. Minha pergunta é: é normal para uma pessoa como ela ser muito ativa sexualmente e abusar de drogas? E se ela compartilhou tanto comigo (todos recebidos de braços abertos), por que ela mentiria sobre esses outros detalhes.

  • Claro

    7 de fevereiro de 2015 à 1h45

    Alguém por favor pode me ajudar! Fiquei tão preso que não posso estar com ninguém, me apaixono, mas não posso agir sobre isso porque antes, quando eu fiz isso, era alguém semelhante ao meu agressor (e ao meu pai que não é uma boa figura masculina, era um mulherengo , trapacear, abandonou nossa família)
    Sou leal, monogâmica e prefiro esperar até amar alguém para ficarem juntos, mas me sinto impedida pela minha história ..

    Tenho 26 anos e estou em terapia há um ano depois de deixar uma situação de vida familiar abusiva. ele bebia muito e era violento e sempre foi dominador, controlador e tentou me fazer sentir pequena ou não me aceitou / me isolou muito desde que eu era jovem, mas também verbalmente abusivo e sexualmente impróprio ... Eu não quero entrar em como, mas
    Preciso entender por que continuo encontrando homens que parecem realmente estar apaixonados por mim ou obcecados e tão saudáveis ​​e gentis, mas iguais aos dois homens negativos da minha família. eles são mulherengos, ou emocionalmente manipuladores / distantes ou abusivos de alguma forma também com problemas de vício. os mesmos traços que me deixam muito triste, então tenho que me afastar.
    Eu não gosto de drogas ou dessas cenas ... Eu definitivamente respeito a mim mesma e ao sexo oposto e levo meu tempo ... sou cautelosa, mas ainda assim, eu continuo encontrando-o e é doloroso e decepcionante sentir que você trabalha duro e ainda se sente perseguido por um ' tipo 'de homem OU vou encontrar um cara que foi abusado em sua família com quem eu me dou bem, mas nunca me sinto próxima dele, nós dois acabamos nos afastando e nos sentindo solitários.
    meu primeiro amor, antes que eu entendesse o abuso ou falasse sobre isso… acabou sendo desonesto / infiel / humilhante sexualmente / dominador e me estuprou durante o sono. as vítimas são amaldiçoadas a continuar encontrando o mesmo tipo ou a não conseguir se conectar? Sinto que encontro pessoas com muita frequência que querem namorar ou fazer sexo com você ou são desse tipo, mas raramente pessoas que querem coisas substanciais ...
    Eu sinto que o amor com um homem é uma memória distante mal existe que só aparece em fragmentos e então algo dá errado ou a pessoa tem um lado deles que surge
    Estranhamente, tenho relacionamentos amorosos / íntimos incríveis com amigos homens, colegas, alguns familiares, mas nenhuma pessoa se sente atraída ... obviamente.

    Como você quebra o ciclo, eu recorri nos últimos dois anos a ser amigo de pessoas de quem gosto romanticamente, só para ter certeza; Recuso-me a acabar em uma dinâmica negativa novamente, da última vez que estive apaixonado demais para partir foi exaustivo. e levei anos para me afastar dos dois homens negativos também, então preciso entender o que faz as vítimas de abuso repetirem a história e se é inútil querer ter uma união pacífica que seja realmente íntima e amorosa?

  • Em

    2 de março de 2015 às 14h29

    Olá Clair, estou numa situação muito semelhante e continuo à procura de respostas. Será que gastamos muita energia em não pensar no macaco vermelho? Acredito que você está no caminho certo, pois notou o padrão e tentou quebrá-lo. Continue o bom trabalho e não tenha medo, confie em si mesmo! Às vezes, sinto que estou perdendo a cabeça, pois quero tanto não terminar em um relacionamento muito semelhante. O que percebi, às vezes eu forço a outra pessoa a me machucar, pois me condicionei ao longo dos anos a um tratamento negativo e isso é o que considero normal. Comecei a me cercar apenas de pessoas positivas, livros, notícias, música, etc. Ultimamente vejo uma mudança, estou atraindo diferentes tipos de pessoas em minha vida, os tópicos de discussão são muito diferentes, há uma calma interior pela qual estou muito agradecido. Acredito que se fui capaz de me condicionar a tantas coisas negativas em minha vida, posso mudar e me condicionar a experiências positivas. Também aprendi que lutar contra ela não ajuda muito, aceitação faz mágica ... claro, somos apenas humanos e às vezes nos sentimos um pouco perdidos :) Espero que você encontre paz em breve e alguém com quem você tenha muitas experiências de coisas boas! Pensando em você e mandando muitos abraços calorosos :)

  • Danielle

    8 de fevereiro de 2015 às 15:46

    Eu não sei o que fazer?

    Quando criança, fui abusada por outra criança um ano mais velha do que eu, ele era meu filho de babás, isso durou anos, não me lembro de muito, acho que se tentasse bloquear, lembro-me de alguns incidentes. quando eu tinha 15 anos, ele morreu, então minha mãe disse que eu deveria vê-lo e ver se ele estava bem, então eu fui, ele me levou a um campo e, embora fosse horrível, eu sabia que o que tinha acontecido quando eu era mais jovem realmente aconteceu.

    Eu nunca fui estuprada, no entanto, isso realmente me afetou. Eu só contei isso a uma pessoa e que era meu melhor amigo há cerca de 4 anos e agora aos 18 eu recentemente entrei em um relacionamento e toda vez que ele tenta ser íntimo de mim, só não goste e isso me lembra dele e eu não consigo superar isso!

    Não sei o que fazer, não posso contar a ninguém, pois ele e sua família são como parte da nossa família e um dos meus amigos está saindo com ele e eu não quero causar problemas! Eu só quero seguir com a vida e ser livre

  • Kris

    10 de fevereiro de 2015 às 20:59

    Sempre fui um estranho em minha família, o mais novo de três. Eu sou um 49 agora e ainda não me encaixo. Eu sempre recebia gritos, tapas e me faziam sentir estúpido. Quando criança, eu sabia que não deveria ser tratado dessa maneira. Eu até disse à minha família que eles riram de mim. Agora tenho mais educação do que qualquer um deles e eles continuam a me desvalorizar e a tudo que eu digo ou faço. Lembro-me de alguns comportamentos estranhos que tive quando criança e eles são sexuais. Eu sei que devo ter sido molestado, mas as memórias são vagas. Lembro-me de um amigo, se a família me pediu para ir ver seu trailer com ele, ele me fez tocá-lo e olhar fotos de meninas nuas. Meus pais vieram para o trailer pegá-lo, mas só falaram para ele sair nada foi feito. Estou cansado de agir como se gostasse da reunião da família, não, e não tenho desejo de estar perto dos meus pais ou irmãos, eles ainda me tratam como um estúpido e mau. Meu filho de 16 anos percebe e pergunta por que eles não gostam de você. A família fala sobre minha paternidade e como sou péssima como mãe.

  • Julieta

    16 de fevereiro de 2015 às 4:46 PM

    Isso é horrível. Você merece mais do que isso. Você merece ser amado, valorizado, encorajado e apoiado. Vou rezar por você. Apoie-se em Deus para curar sua dor. Isso é realmente difícil e doloroso. Obrigado por compartilhar eu posso relacionar

  • Shannon

    21 de fevereiro de 2015 às 22h39

    Fui estuprada por meu irmão dos 5 aos 7 anos. Aprendi bem rápido como mentir e evitar. Na 7ª série, colegas de classe me bateram e me estupraram. Eu nunca disse uma palavra. Então meu pai morreu quando eu tinha 38 anos. Comecei a falar. Meu marido se recusa a me ajudar a curar. Ele não vai comparecer à minha terapia. E até usou os estupros para me machucar. Hoje ele assinou um contrato de aluguel de uma casa e deixou meu filho com necessidades especiais. Sozinho. Estou com tanto medo.

  • Mjj

    22 de fevereiro de 2015 às 10:28

    Olá
    Encontrei este site enquanto tentava encontrar alguns conselhos sobre como lidar com meus desafios em ser casado com uma vítima de abuso e espero que alguém aqui possa me dar sua opinião.
    Minha esposa foi abusada desde seus primeiros anos de adolescência até seus vinte e poucos anos. Ela não me contou todos os detalhes, mas o suficiente para saber que este% # /! aproveitou-se de uma jovem cujo pai estava ausente e a sujeitou a anos de abusos enquanto dizia que a amava.
    Ela acabou o deixando e que eu saiba não foi abusada por ninguém depois disso.
    Ela nunca me disse nada sobre isso até cerca de 5 anos depois de nos casarmos.
    Até aquele momento, ela costumava se comportar de maneiras que não faziam nenhum sentido para mim na época. Isso acontecia especialmente em situações onde havia potencial para conflito. Dado o que sei agora, tudo faz sentido, mas na época eu não conseguia entender por que ela se comportava daquela maneira e muitas vezes reagia mal. Eu nunca bati nela ou a ameacei de qualquer forma, mas fico irritado quando há um problema e meu parceiro não parece se importar.
    Quando ela finalmente me contou sobre seus abusos no passado, veio à tona ao longo de alguns anos e eu finalmente fui capaz de entender por que ela fez algumas coisas que fez.
    Infelizmente, meu comportamento irritado com ela agora também contribuiu para que ela não confiasse em mim e estamos em uma espiral descendente.
    Eu sinto que ela deveria ser capaz de deixar o passado para trás enquanto eu estava agindo sem saber tudo que eu realmente precisava saber, mas ela não pode.
    Minha pergunta é a seguinte: Como faço para lidar com a “rejeição” que recebo atualmente dela, embora ainda de alguma forma mostre que ela pode confiar em mim?
    Eu também tenho minha própria bagagem pré-existente (embora sem abusos), bem como problemas que surgiram de nosso relacionamento e eu luto para lidar com ela não ser capaz de seguir em frente.
    Ela é uma pessoa MARAVILHOSA e eu não quero perdê-la.

  • kswag

    5 de maio de 2015 às 17:27

    Lamento que você esteja passando por isso, no momento estou fazendo isso com meu outro significativo enquanto conversamos. Gostaria que sua esposa tivesse se aberto com você antes, porque a confiança e a cura de seu coração teriam sido mais fáceis. Tudo o que você pode fazer é agüentar um dia de cada vez e consistentemente mostrar a ela que você não é como o outro homem em sua vida. Eu realmente não sei o que você pode fazer apenas ouvi-la e estar lá para ela. Espero que as coisas aconteçam

  • Amanda

    4 de março de 2015 às 21h50

    Tenho 21 anos e meio que parecia que estava começando a desmoronar. Encontrar este site me deu algum tipo de esperança. Fui molestado pelo meu padrasto desde os 7 aos 13 anos. Costumava ficar muito confuso sobre o que estava acontecendo. Tudo começou cerca de 6 meses depois que minha mãe se mudou. Eu e minha irmã mais nova tínhamos nossos próprios quartos no porão e meu irmão dormia no andar de cima. Meu padrasto se levantava por volta das 5 da manhã para o trabalho todas as manhãs e entrava sorrateiramente em meu quarto, na minha cama, abaixava minhas calças e esfregava seu pênis em mim. Aconteceu tanto que quebrou meus padrões de sono, até hoje não consigo dormir e acordo com o menor barulho. Depois que fiquei mais velho, comecei a entender o que estava acontecendo de alguma forma. Foi difícil porque eu nunca quis chamá-lo de pai e minha mãe iria me punir se eu não o fizesse, mas ela nunca soube, eu não acho que ela acreditaria em mim. Acho que fui a única garota da minha turma da 6ª série que mal podia esperar para ficar menstruada. Todas as noites eu dormiria com uma faca ou algo afiado e diria a mim mesma que da próxima vez que ele tentasse eu o mataria, mas nunca aconteceu. Até este dia, nunca perguntei à minha irmã mais nova se ele alguma vez a tocou. Mas eu duvido porque crescendo ele sempre tentou fazer tudo comigo e a deixou de fora. Foi como um pesadelo e lembro que costumava ser curioso e dizia ao meu irmão mais novo para me deixar ver sua parte privada, mas nunca o toquei. Quando eu tinha 13 anos, ele e minha mãe planejavam se mudar. Foi como um peso sendo tirado dos meus ombros, porque eu sabia que teria meu próprio quarto com uma porta e prometi a mim mesma que não o deixaria me tocar. Tentei duas vezes, mas acordei nas duas vezes antes que ele tocasse na cama e saísse de volta. Eu me sentiria tão nojento e só queria saber por que e o que isso significava. Quando cheguei ao colégio, parou. E um dia meu conselheiro também era um coach que eu conhecia e ele me disse por que procuro chamar a atenção dos caras. Então comecei a fazer perguntas pessoais e eu saí e disse a ele. Quando cheguei em casa, a polícia estava lá e minha mãe parecia chateada e quando eu disse a ela, ela basicamente chorou sobre o fato de que ela não seria capaz de criar nós três sozinha, então eu disse a todos que era uma mentira. Até hoje eu ainda moro com ele e honestamente não me importo com ele. E eu sempre me pergunto por que e como ele continua agindo como se nada tivesse acontecido. Porque amo minha mãe, ainda mostro algum tipo de respeito, mas isso me mata. Nos últimos quase um ano estive deprimido, solitário e nunca poderei manter um relacionamento. Odeio tanto meu padrasto porque sinto que não tenho uma vida normal. Não tenho amigos, não tenho vida social, estou confuso com tudo. Mas eu sei que há outros piores do que eu, então não reclamo, mas ultimamente minha ansiedade e depressão pioraram. Nunca consigo me concentrar em uma coisa, comer maconha é considerada uma droga ruim, mas meu tabagismo aumentou muito e parece que é a única coisa que me mantém contente. E agora estou em um novo relacionamento e sei que não confio e minha mente não consegue ficar focada, mas não quero que meu passado atrapalhe este. Mesmo que eu ainda viva com ele, ele estar por perto não me incomoda mais, é mais profundo do que isso. Felizmente, estou são o suficiente para não ser incapaz de me matar, mas às vezes sinto que não há sentido em estar aqui.

  • A equipe estilltravel.com

    5 de março de 2015 às 11h43

    Cara Amanda,

    Recebemos o comentário que você enviou em nosso blog hoje cedo. Muito obrigado por visitar estilltravel.com.
    A RAINN oferece suporte para vítimas de agressão sexual e seus entes queridos por meio de duas linhas diretas em 800.656.HOPE e Online.RAINN.org. Esteja você mais confortável ao telefone ou online, a RAINN tem serviços que podem orientá-lo em sua recuperação.
    • The National Sexual Assault Hotline: Se você precisar de suporte, ligue para 800.656.HOPE e você será direcionado a um centro de atendimento a casos de estupro perto de sua área.
    • A linha direta online National Sexual Assault: é a primeira linha direta de crise baseada na web que oferece suporte ao vivo e anônimo por meio de uma interface tão intuitiva quanto mensagens instantâneas.
    • Para mais informações visite http://rainn.org/get-help/national-sexual-assault-online-hotline .

    Atenciosamente,

    A equipe estilltravel.com

  • Lanny

    16 de março de 2015 às 12:11

    Meu noivo acabou de descobrir que eu fui molestada desde os 4 anos de idade até sair da casa da minha mãe aos 16 anos. Era o namorado de longa data da minha mãe. Eles ainda estão juntos. Meu noivo é um primo distante dele. A única coisa que anteriormente compartilhei com meu noivo foi que ele me tocou. Acabei de contar a ele toda a história real na noite passada. Eu nunca quis mentir, só não sabia como dizer a ele. Eu senti como se ele não me quisesse mais. Eu chorei por ajuda por muito tempo. A única pessoa que acreditou em mim foi uma tia, foi com quem fui morar quando parti. Fui abusado minha vida toda. Tenho 28 anos, sou casado e agora divorciado. Meu ex marido era abusivo. Tenho lutado contra a depressão e me sentido inútil. Meu noivo não entende como posso passar na casa da minha mãe. Na verdade, sinto pena dela. O namorado dela, eu apenas ajo como se ele não estivesse lá. Essa é a norma. Eu os deixei nas mãos de Deus. Meu noivo era muito agressivo ao fazer perguntas como por que não fui embora antes? Quando adolescente, devo ter sido um participante voluntário porque fiquei lá. Doeu-Me tanto vê-lo dizer essas coisas. Antes eu tinha tanta certeza de que ele me amava agora, não tenho certeza. Eu realmente o amo incondicionalmente e quero me casar. Como faço para seguir em frente e fazê-lo entender. Estou tão perdido e deprimido.

  • Pat L

    3 de abril de 2015 às 8h24

    Olá, Lany, experimentei o sae trauma aos 6 anos. Se eu fosse você, pediria ao seu noivo que fizesse algumas leituras sobre violência sexual infantil.
    Eu levantaria alguns sites relacionados a “por que você não foi embora se sabia que estava errado”. Esses predadores têm poder absoluto sobre nós, mesmo que não seja declarado. Se ele te ama, ele estará disposto. O aconselhamento para você também ajudaria. Boa sorte garota
    Pat

  • Lanny

    8 de maio de 2015 às 23h55

    Thanx Pat. As coisas melhoram a cada dia. Eu oro e desejo o melhor para todos nós que somos sobreviventes.

  • Tiffany

    29 de junho de 2015 às 23h34

    Eu recomendaria fazer terapia. Para ajudar você e seu noivo. Ele está bravo. Não por você, mas pelo fato de que alguém que ele ama foi magoado por alguém que ele conhece. Ele está tentando entender isso, é por isso que diz que você deveria ter saído antes. Ore sobre isso de joelhos a Deus, querido todos os dias e compre uma planta de bambu no Walmart por menos de US $ 20 localizada no centro de jardinagem. Isso tira a depressão. E ajuda você a se sentir menos preso. Isso dará alegria e paz ao seu lar. Boa sorte para você.

  • selim

    27 de abril de 2015 às 5:12

    Minha namorada me disse isso dos 8 até quando ela quase tinha 15
    Seu primo e seu tio tinham relações sexuais com ela diariamente. Suas palavras eram tudo menos anal.

    O abuso acabou porque ela voltou para casa. Ela fez sexo com seu tio no último dia em que esteve lá.

    Ela fez alguns comentários como se não se importasse quando eles entrassem em seu quarto ... foi uma fuga da realidade ... ela declarou inúmeras vezes o abuso físico que sua tia lhe deu ...

    Era um modo de vida
    Ficou habituado a isso
    Há outras coisas que são piores
    São algumas das coisas que ela disse

    Eu não entendo como e porque
    Ela estava quase 15 anos indo para casa e ela os deixou
    Não era como se ela estivesse ameaçando e temendo por sua vida
    Ou ela lutou e foi dominada
    Ela fez o que pediu e continuou diariamente
    Isso me afetou. Muito como seu parceiro

  • Tiana

    1º de maio de 2015 às 03h45

    Fui molestado várias vezes pelo meu pai aos 8 anos, ele era alcoólatra. Meu vizinho que era um FREIND também me molestou e me fez molestá-la. Ela era 2 anos mais jovem do que eu ... Eu era intimidado pelos meus amigos e suas mães na escola primária diariamente. Eu disse à minha mãe uma vez que meu pai me tocou e ela não me colocou em aconselhamento ou algo assim .. Tenho atualmente 18 anos e estranhamente suprimi essas memórias por toda a minha vida até os 16 anos. Elas voltaram para mim por meio dos meus sonhos, sonho diário de novos homens me estuprando e elas parecem tão reais. Até hoje eu ' Estou lutando contra a depressão e a ansiedade, minha família não pode me ajudar, todos eles têm suas vidas nos trilhos e aqui estou eu, abandonei a escola, não consigo manter um emprego, não consigo manter amigos, sou o mais novo e nunca tinha uma voz. Se devo dizer algo, é 'ela é jovem e boba' ou 'ela está apenas passando por uma fase de adolescente'. Estou lutando tanto. Sempre fingi um sorriso se você me ver diariamente, não vai presumir que nada está errado comigo. Pareço ser o ombro de todos para chorar, mas não consigo deixar isso escapar para ninguém. Eu odeio parecer fraco. Estou tão cansado da minha vida. Estou cansado do mundo ser um lugar inseguro, gostaria de poder ir para a minha mãe e apenas chorar em seu ombro, mas ela está deprimida por ser uma mãe solteira trabalhando em 2 empregos não é fácil. Eu simplesmente não aguento mais. Eu não posso me matar porque minha mãe vai se matar se eu fizer isso. Eu não posso fazer minha família sofrer, embora haja a minha causa .. Eu me sinto tão vulnerável :(
    Eu sei que isso é longo, pessoal, foi bom deixá-lo sair x

  • DeeDee

    8 de maio de 2015 às 18:32

    Eu era como você. Eu tenho 42 agora, mas passei meus 20 e muitos dos meus 30 em profunda depressão. Não fui molestado pelo meu pai, mas pelo meu irmão e não sei como, mas outros podem farejar a sua fraqueza e fui vítima várias vezes. Fui demitido do emprego porque bebia para me automedicar o tempo todo. Para encurtar a história, pode ficar melhor. Eu tenho uma casa com piscina e dirijo um bmw. Eu tenho um ótimo trabalho. O melhor conselho que já ouvi - vou compartilhar com você ... Não importa como você se sinta, vista-se, arrume-se e chegue lá. Cada dia ficará melhor e seu trabalho árduo aumentará sua confiança e sua vida. Deus te abençoê. Senti a necessidade de compartilhar isso com você. Ainda luto contra minha depressão e sinto menos do que muitos dias. Não sei se é possível me livrar disso, mas você merece uma vida, então lute como eu e haverá alívio. Eu prometo.

  • Tiana

    8 de maio de 2015 às 20:36

    Obrigada ️
    Eu escrevi isso quando estava meio desconcertado. Eu sei que isso vai passar, mas parece um fardo. Sempre vai durar.
    Eu sinceramente desejo o melhor para você xx

  • Tiffany

    29 de junho de 2015 às 23h25

    Oi eu vi seu post. Compre uma planta de bambu no walmart, localizada no centro de jardinagem. Isso lhe dará alegria e riqueza. Também tira a depressão e a ansiedade. Isso ajuda você a se sentir menos preso. Você pode comprar um por $ 10,98. Eu costumava sofrer de depressão e ansiedade. Assim que comprei meu bambu, senti seu poder quase que imediatamente. A oração funciona para orar a Deus de joelhos com todo o seu coração por cura e ajuda. Seus sonhos se tornarão realidade, eu prometo. Boa sorte para você

  • Megan

    14 de julho de 2015 às 20:33

    Sua vida vale mais do que você imagina. Por favor se cuide.

  • kswag

    5 de maio de 2015 às 17:20

    Fui abusada emocional e fisicamente por todos os parceiros de minha mãe na vida. Desde o nascimento, até agora sozinho aos 19 anos, fui criado para pensar que os homens são egoístas. Eles parecem legais no início, então, quando sabem que são seus donos, surge o verdadeiro homem horrível por dentro. Tive quatro pais na minha vida. Cada um por um curto período, batendo na minha mãe e depois vindo para mim e meus irmãos por segundos. Eu entro e saio de abrigos de violência doméstica desde os 13 anos. Não sabia o grande efeito que esse abuso teve sobre mim. Agora que estou sozinha aos 19 anos e na faculdade, estou no meu primeiro relacionamento real. Achei que estava pronto, estava totalmente errado. Estamos com 7 meses agora e posso dizer que estou começando a amá-lo. A única coisa que eu já fiz com qualquer um dos meus outros relacionamentos anteriores. Mas agora estou tendo pesadelos, fico acordada até tarde da noite chorando por causa dos meus pensamentos. Estou me afastando de alguém que me trata como uma rainha só porque não consigo tirar os rostos daqueles homens da minha mente quando ele olha para mim. Só estou com tanto medo de que ele esteja sendo legal agora, me encantando, então, uma vez que eu confiar nele e deixá-lo entrar, ele será como todos os outros. Estou perdendo a cabeça, quase terminei meu relacionamento. Então, eu definitivamente digo a todos vocês que é verdade que isso nos afeta, mesmo que não percebamos a princípio. Vou viver um dia de cada vez, e talvez ele possa provar para mim que não é como os outros.

  • Missy

    15 de junho de 2015 às 22h10

    Obrigado por compartilhar! Tenho 21 anos e deff posso me identificar com os seus sentimentos. Fui molestado entre 7 e 8 anos de idade e então aos 17 contei a um adulto sobre meu passado em busca de ajuda e orientação e, honestamente, foi isso que ele me deu no início. Ele então começou a usar meu passado para ficar 'mais perto' de mim para ajudar e então se transformou nele apenas tentando se aproximar de mim pelo que ele realmente queria para si mesmo sexualmente. E eu lamentavelmente digo que ele teve sucesso e usou meu passado para obter minha confiança e assim por diante.

    Eu sei o que você quer dizer com ter medo de cada cara que vem em seu caminho pensando que ele pode ser como os 'outros'. Cada cara com quem eu tive um relacionamento no passado não passou de um certo ponto de eu confiar nele. Eu gosto dele, ele gosta de mim, nós namoramos, passamos muito tempo juntos, e então ele começa a seguir em frente no relacionamento e eu surto e acabo. Não porque ele era um cara mau ou algo assim, mas porque eu não sei emocionalmente se eu poderia lidar com isso e aprender a confiar nele com todo o meu ser e coração. Deff arruinou alguns bons relacionamentos para mim e então fico com raiva de mim mesma por ser assim, mas é tão difícil olhar para além das nitemares e memórias horríveis e 'e se' do meu cérebro idiota.

    Para a maioria das pessoas, é natural confiar nas pessoas que eles se encontram aleatoriamente, para mim é natural não confiar em ninguém que eu conheço. Eu não tento fazer de propósito e na metade do tempo eu não percebo que estou fazendo isso até que tenho aquele sentimento ruim dentro de mim sobre algo. Crescendo com medo de se 'machucar' de novo, sempre senti que tinha que examinar as pessoas, observá-las e lê-las de todas as maneiras e formas possíveis para ter certeza de que não estavam mentindo ou me manipulando de algum tipo e eu fiz tanto que literalmente se tornou um estilo de vida para mim. Eu não poderia ir ao supermercado sem estar com medo o suficiente para ler cada pessoa que via.

    Para uma garotinha estar tão ciente e consciente do perigo o tempo todo, deffintily coloca algumas tensões emocionais em sua mente.

    Ninguém NUNCA será capaz de entender como as mentes e os corações das pessoas que foram abusadas sexualmente funcionam ou respondem, a menos que eles próprios tenham experimentado isso. Eu ouvi alguém chamar pessoas que foram abusadas sexualmente (como nós) de “Sobreviventes Secretos”. Ninguém vai entender o preço que custa para nós levantarmos todos os dias e tentarmos tudo ao nosso alcance para não pensar sobre isso, ou para não presumir que todos os caras que encontramos são maus, ou emocionalmente normais. Infelizmente, a maioria das pessoas não 'sobrevive'. Eles deixam o abuso de drogas ou desejo sexual, ou nunca confiar em um homem, controlá-los e isso arruína sua vida interior emocionalmente e fisicamente exteriormente. Mesmo que a inocência tenha sido tirada de nós, não por escolha, não significa que não tenhamos a mesma chance de uma vida feliz e um casamento como todo mundo. Sim, é preciso muito mais de nós para chegar lá, mas é (na minha opinião) mais gratificante do que qualquer um de seus casamentos e vidas jamais poderia ser.

    Algumas pessoas me dizem que é triste para elas que eu vivo minha vida de forma tão desconfiada e cautelosa e não livremente emocionalmente sábia. E quando penso nisso, honestamente é e desejo todos os dias que não fosse assim, mas a realidade é que sou e éter, luto contra isso e deixo que controle meu futuro e felicidade na vida, no casamento e com meus filhos ou eu exceto isso e sei que posso estar no controle, não minhas emoções. Não é fácil, mas não vale a pena abandonar e deixar minhas emoções me enlouquecerem pelo resto da minha vida.

  • Mandy

    3 de agosto de 2015 às 11h18

    Posso relatar a você que tenho 29 anos e me lembro muito de quando era criança. Eu nem gosto de dizer essas palavras, mas fui abusada sexualmente pela minha mãe, ex-namorado, irmão. Eu tinha que ter 7 ou 8 anos. Acordei com a mão dele na minha calcinha me tocando Não consigo nem escrever sobre isso. sou tão briga por dentro, e eu me casei e me sinto como se estivesse sozinho espero que um dia em breve eu possa contar minha história., Eu encontrei este site ontem e está me ajudando. Lendo todos os seus pesadelos e vendo que não sou o único que se sente assim. Missy sua história me traga às lágrimas porque ela traz de volta todas as minhas memórias logo eu serei capaz de encarar minha dor

  • terapia a cavalo para autismo

    29 de maio de 2015 às 15h02

    Ei, estou pela primeira vez aqui. Eu achei isto
    placa e eu em achar que é verdadeiramente útil e me ajudou muito.
    Espero apresentar algo de volta e ajudar outras pessoas, como você me ajudou.

  • dd

    4 de junho de 2015 às 6h10

    Olá a todos. Na minha vida aconteceram coisas. Não sei o que aconteceu quando eu era criança, mas acho que vi meus pais brigando muito. Sobre meu pai traindo e meu pai é ganancioso e teimoso. Mas tudo de que me lembro é que desenvolvi medo de nudez. Que me deu vontade de me matar quando tinha sete anos. Eu não queria que meu irmão ou meu pai olhassem para mulheres nuas. Isso me deixou louco. Felizmente, meu marido é um bom homem e entende como isso me afeta. E respeita o que sinto sobre isso.

    De qualquer forma, eu era muito agressivo quando criança e costumava ter pesadelos terríveis. Lembro-me de que minha mãe foi muito dura comigo durante toda a minha vida. Ela me fez vestir roupas feias e me dizia coisas ruins sobre minha aparência. Hoje eu não consigo realmente descobrir como eu sou.
    Meu pai tinha casos e mal estava em casa quando eu tinha cerca de doze e treze anos. Então descobrimos sobre a outra mulher.

    Minha mãe tornou-se alcoólatra e meu pai nunca estava em casa.

    O caos se seguiu às nossas vidas. aos dezesseis abandonamos a escola e comecei a usar muitas drogas.
    Eu namorei um cara e fiquei muito insegura e instável, então ele me perseguiu e arruinou minha vida.

    Ele me humilhou e seus amigos zombaram de mim. Todo mundo estava rindo de mim e durante a noite eu desenvolvi uma fobia extrema por pessoas e isso arruinou minha vida. Voltei para a escola aos dezessete anos e foi extremamente difícil. Eu estava com raiva. Recuei e quis suicidar-me, mas não consegui. Meus pais não se importavam comigo.

    Então, em desespero, chamei Jesus e ele me ouviu. Mas você não pode desfazer esse abuso durante a noite.

    Seis anos atrás, tudo isso aconteceu. Ainda luto com a ansiedade e ainda tenho ataques de ansiedade quando vejo pessoas do passado. Minha mãe me menospreza sempre na frente de outras pessoas. Ela insulta minha aparência e diz que não posso fazer nada.

    Eu nunca soube o quanto estava assustada até conhecer meu marido. Eu só queria seduzi-lo, mas ele era um cara bom e queria se casar comigo. na verdade, ele é maravilhoso, mas tenho vergonha da pessoa que sou hoje. Toda mulher é uma ameaça e. Não consigo controlar minha raiva sobre isso, mesmo quando sei que é irracional. Eu simplesmente não posso confiar em alguém assim. Eu luto imensamente. É como um sentimento que assume um controle massivo sobre você e não o deixa ir e então você não consegue ajudar. Mas aja de acordo.

    Eu luto com a insegurança e luto com o ciúme. Às vezes considero o suicídio, mas não consigo.

    Estou preocupado com o relacionamento na maioria das vezes e estou doente de mim mesmo.

    Mas conhecer Jesus me ajudou muito e tenho curado por meio de 'revivências de relacionamento, porque não namorei por seis anos porque tinha medo de meus próprios sentimentos.

    Mas, com a dor, me curei e estou melhorando a cada dia e, felizmente, meu marido é paciente e me ajuda em situações em que parece que estou perdendo a cabeça.

    E Deus me conforta e me dá esperança. Mas é terrivelmente difícil e eu gostaria de ser normal como todo mundo, mas estou preso.

  • Tiffany

    29 de junho de 2015 às 23:10

    Compre uma planta de bambu, ela ajudará a melhorar seu humor e lhe trará imensa alegria e paz. Você não vai se sentir mais deprimido ou suicida, você pode comprá-lo no walmart no centro de jardinagem por menos de $ 20. Boa sorte para você e continue orando de joelhos a Deus pedindo sua ajuda em nome de Jesus.

  • Rubi

    14 de junho de 2015 às 12h06

    Quando eu estava na escola primária na 4ª ou 5ª série, meu irmão mais velho me molestou, ele arruinou minha infância. Eu me sinto enojado por isso minha mãe não acreditou em mim xingar é claro que o filho dela eu a odiava por que eu precisava dela e ela deixou acontecer meu irmão sempre nega, ele não consegue enfrentar a verdade, mas eu sei que a única maneira de seguir em frente é enfrentando seus medos, confrontando seus demônios cara a cara, isso com certeza não está acontecendo com minha filha, o futuro dela contém amor e felicidade não molestar ou estuprar ela tem uma vida a cumprir e viver em felicidade Eu sei que seu destino não comporta essa maldição Deus vai protegê-la Deus não vai deixar nada de mal ou ruim acontecer com sua filha Melissa em nome de Jesus.

  • Katerina

    28 de junho de 2015 às 8:45

    Levei anos para perceber que na verdade fui molestada por ele. Eu o amava muito e tinha certeza de que ele me amava. Mas Ele nunca disse isso. Ele não precisava, era tudo em suas ações. Ele passava um tempo comigo sozinho, me trazia coisas, me dava amor e tempo. Mais tarde, porém, percebi que todos eram condicionais. Se eu fizer isso por você, você terá que fazer algo por mim, dizia ele. Então eu fiz. Quando eu recusei, ele me ignorou, prestou atenção em outra garota, e eu odiava isso, rejeição, eu acho. Então eu deixei, ele perguntou, eu disse sim. Tive esse relacionamento com meu irmão por 5 anos. e demorei ainda mais para perceber que partiu meu coração quando percebi que ele só me queria por causa disso. É difícil juntar as peças agora.
    Sei como todos se sentem, não conheço muitos que também tenham sofrido abusos, o que é bom, não quero que mais ninguém passe pelo que eu passei. E sinto o que sinto todos os dias.

  • Megan

    14 de julho de 2015 às 20:27

    Tenho sentido o tipo de depressão profunda que não sentia desde que era adolescente. Eu tenho 30 agora. Eu me mudei da casa dos meus pais uma vez quando tinha 16 anos e finalmente quando tinha quase 18.

    Meu pai era a pessoa mais assustadora que conheci. Ele batia em meu irmão e em mim nas menores coisas, enquanto minha mãe gritava e chorava para ele parar na sala ao lado.

    Assim que saí de casa, parei de falar com ele. Foi difícil porque ele e minha mãe ainda são casados ​​e estão muito apaixonados. Meu pai às vezes falava comigo se eu estivesse falando com minha mãe pelo telefone.

    Ele geralmente negava qualquer abuso e brincava / ria de mim por estar chateado.

    Ele nunca realmente admitiu nenhum dos abusos. Se tento conversar com minha mãe sobre isso, ela fica muito chateada e me sinto péssimo. Sei que os dois tiveram uma educação difícil e me sinto um pirralho por reclamar.

    Meu irmão e eu ainda conversamos sobre como meu pai nos bateu.

    Por que isso ainda é um problema? Por que não posso simplesmente seguir em frente? Já se passaram 12 anos desde que vi meu pai. Por favor ajude.

  • Tigerlily333

    16 de agosto de 2015 às 4:57 PM

    Estou tentando me curar da minha infância abusiva. Estou na casa dos 40 anos e estou tomado pela raiva, depressão, ansiedade, PTSD. Meus abusadores eram meus pais. Quando criança, meu pai me acariciava, enfurecia-se comigo, me mirava (acredito que ele me mirou porque quando era criança, nem mesmo intencionalmente, mencionei, reclamei ou 'o chamei' por algum abuso que ele me fez. ) Ele me humilhou publicamente em VÁRIAS OCASIÕES. Ele controlava a casa, magistralmente manipulava e encantava a todos aos olhos do público, mas por trás de portas fechadas, seu verdadeiro e arrogantemente intitulado eu narcisista apareceu e floresceu. Ele me menosprezou, e ainda o fará se puder, em todas as oportunidades. uma criança, então ele me mirou e fez da minha vida um inferno ...

    Ele e minha mãe estão velhos agora .. Estou de volta em casa desde que nunca me casei, cuidando dos dois .. Nenhum dos vários irmãos ajuda .. Todos eles tiveram que lidar com o abuso dele também. Todos os tipos diferentes, em diferentes níveis. Uma irmã foi mais alvo de abuso sexual. ..Ela não disse nada, então ela ganhou regalias como carros, bichinhos caros, faculdade paga .. Um irmão era alvo de insultos, sendo chamado de feio, que se casaria com ela, maquiagem era inútil para ela. muitos problemas de saúde mental, estava em um casamento abusivo até que seu marido se divorciou dela, e eu acredito que a história se repetiu, já que seus filhos parecem ter muitos problemas, um irmão, um irmão, tem a mesma mentalidade de meu pai, era muito ignorante, abusiva com todos, hipersexual, atua sexualmente vulgar na minha frente até hoje, feela especial, titular, narcisista.

    Estou com raiva, cansado, esgotado. Tenho uma doença crônica e estou com muita dor. Ninguém me ajuda com eles. Os pais mais velhos são exigentes, têm direitos e são opressores por mim, além de ainda abusarem emocional e verbalmente às vezes .

    Estou zangado com minha mãe. Sinto que ela permitiu o abuso. Permaneceu com este homem em nome da religião católica. Ela nos retratou publicamente como a pequena família rica e perfeita, enquanto atrás de nossas portas fechadas suportávamos traumas, negligência, abusos. Acho que ela nos jogou embaixo do ônibus porque não queria ser vitimada por ele ... então nos melhorou do que ela. Ela deveria ter nos protegido. Devíamos ter vindo primeiro, NÃO seu marido e seus desejos. Ela deveria ter ficado até ele, e mulher o suficiente para proteger sua ninhada .. Mas tudo o que ele fez e ainda faz é negar o abuso, quando ela admite algumas das coisas que aconteceram, ela desvaloriza, minimiza, ou não validará a dor e sofrimento que suportamos. Ela nos culparia, ainda o faz, alegando que começamos 'problemas', se tentarmos obter dela uma admissão de seu terrível abuso.

    Portanto, agora estou tentando trabalhar na arte do perdão. Se eu não posso perdoar, por que Deus deveria me perdoar? Eu li que Jesus perdoou aqueles que o torturaram, atormentaram e assassinaram. Eu li que Jesus perdoou aqueles que o traiu. Eu li que perdão não é dar a ninguém um passe livre para o mal, eu li que perdão é aceitar o que aconteceu. .aceitá-lo não pode ser alterado, mas também libertar alguém de sua dor e sofrimento. . Odiar aqueles que nos prejudicam apenas nos atormenta mais .. Nós nos agarramos a esses momentos enquanto eles passam em nossas cabeças como um fantasma residual. ..Não deixar ir, e não perdoar não incomoda nossos abusadores .. Eles não se importam. Se eles se importassem, eles não teriam abusado de nós repetidamente em primeiro lugar .. Não perdoar nos machuca mais, pois vivemos para sempre nesses momentos de dor e sofrimento, então não podemos crescer emocionalmente ou espiritualmente na vida.

    Eu NÃO estou lá ainda. Ainda descobrindo ... Mas orem por todos vocês. E espero que todos vocês encontrem paz e cura na vida ... Que a luz de Deus esteja com qualquer um que ler isto ♡

  • Maria

    24 de novembro de 2015 às 12h43

    Fiquei tão triste ao ler sua postagem. Espero que você consiga abandonar esse sentimento de obrigação que sente por seus pais. Eles deveriam proteger você e não o fizeram. Também sendo criado como católico, sei a culpa que você sente. Tente muito deixar isso de lado. Você precisa viver sua vida por si mesmo. Eles já tiraram muito de você. Não posso perdoar um 'amigo' que dormiu com meu marido durante anos. Serei perdoado por meus pecados se não puder perdoá-la. Espero que com o tempo eu consiga. Eu digo as palavras esperando que comece o processo, mas não vá tão longe. Mais uma vez, sinto muito pelo que aconteceu com você. Sinceramente, não acho que eles mereçam você.

  • Área

    18 de agosto de 2015 às 8:18

    Tenho 27 anos e minha mãe e eu não temos nenhum relacionamento. Acho que é tarde demais para construir um. Quando criança, aprendi muito jovem o quão egoísta minha mãe era. Para piorar, ela me agrediu física e verbalmente no dia a dia. Eu nunca tive permissão para socializar com ninguém, se eu fizesse amigos, ela os expulsaria.

    Entre os dois pais, meu pai era obviamente meu favorito. Eu era pequeno, lembro-me de quando ele voltava do trabalho que ficava muito animado em vê-lo e corria para lhe dar um grande abraço. Um dia ele não aceitou meu abraço, apenas me empurrou e disse que não devo mais abraçá-lo. Eu olhei para minha mãe e ela me deu o olhar mais sujo que eu não entendi por que até muito mais tarde. Ela me acusou de dormir com meu pai, dizia coisas como se meu marido fosse para mim, vá buscar o seu e me espancaria.

    A mãe da minha mãe também era uma pessoa terrível. Meus pais saíram de férias e deixaram meus irmãos e eu com ela. Eu estava na quinta série na época. Ela me alimentava uma vez por dia. Uma coxa de frango e dois pedaços de brocoli e me diga que não mereço comida, sou gordo. Falei com um garoto por quem tive uma queda uma vez, ela me acusou de não ser virgem e me puniu colocando gengibre e pimenta nas minhas partes íntimas todos os dias para me punir até que meus pais voltassem. Desde então não tenho coragem de me relacionar, fico com medo de falar com homens. Ela disse a minha mãe e minha mãe aprovou sua punição. Lembro-me de que alguém tentou me sequestrar quando eu estava indo para a escola. Eu lutei contra o agressor, corri para a escola e contei pro meu professor na hora e ele chamou a polícia e chamou minha mãe em casa, minha avó estava lá com ela. Em vez de ficar preocupado e perguntar se eu estava bem, recebi um ataque verbal completo de ambos. Eles me chamaram de vagabunda, idiota estúpido, minha avó ameaçou me espancar, os dois me disseram que a culpa é minha porque provavelmente foi o jeito que eu olhei para ele por isso ele se aproximou de mim. Nunca me esqueci daquele dia. Doeu-me profundamente.

    Tantas coisas horríveis aconteceram comigo, se eu me senti sozinho crescendo e senti que meu pai não me protegeu porque ele não podia se proteger dela, ela o intimidou naquela época e o intimida agora. Eu nunca esquecerei quando eles discutiram e ela o empurrou escada abaixo. Lembro que passei grande parte da minha infância chorando e desejando que houvesse alguém com quem conversar, que Deus me ajudasse. Minha saúde mental piorou. Eu cresci e me tornei uma pessoa raivosa. Procurei o amor nas pessoas erradas, estava desesperado por isso em algum momento da minha vida. Mesmo sabendo que não estava certo, mantive relacionamentos negativos na esperança de que um dia eles me amavam. Acabei me cortando, tentei me suicidar. Ainda tem essas tendências. Eu sinto que não consigo amar os outros. Meu coração está tão frio que afasto as pessoas que realmente querem cuidar de mim. Não tenho relacionamento com ninguém e fui diagnosticado com transtorno bipolar há dois anos. Eu ainda me sinto sozinho. É uma merda quando você não pode escolher sua família.

  • Will D.

    21 de agosto de 2015 às 21h55

    Caro Alana, li a sua história que você postou. Meu coração está com você e espero que você seja capaz de amar, seja íntimo ou apenas um amigo no futuro.

    Por favor, nunca tire sua própria vida! Lembre-se sempre de que você é um verdadeiro presente para este mundo! Você saberá que pode ser amado de verdade e que pode haver pessoas que o amarão e sempre poderão amá-lo e nunca o afastarão.

    Minha mãe passou por maus-tratos quando criança. Eu também tinha minhas próprias situações para lidar. Mas eu quero dizer que você quer que minha mãe me conte.
    Você pode não ser capaz de escolher quem é sua família de sangue. Mas você pode escolher quem é sua família real. Seja seu parceiro íntimo, seu melhor amigo ou mesmo apenas pessoas que fazem ou dizem algo gentil.

    Você precisa construir e escolher a família que você merece.

    Eu li como você diz que afasta outras pessoas que se importam. Basta perguntar a eles se você pode deixá-lo ir com calma e deixá-los mostrar e provar que eles merecem seu amor. Eu entendo que pode ser assustador amar, especialmente quando as pessoas que deveriam amá-lo por padrão podem ser tão cruéis e não mostrar amor. Mas é por isso que eu digo que você tem que fazer sua família, realmente me ajudou a confiar o suficiente novamente para tentar o amor.

    Sempre saiba que você é um presente para este mundo e você é especial!

  • Jors

    5 de dezembro de 2015 às 01h54

    Querida alana ... ler sua história me faz chorar ... Eu sei que Deus ainda está com você ele te dá provações porque ele sabe que você vai conseguir ... Basta confiar nele e tudo ficará bem ... Encontre motivos para ser feliz a cada dia seja positivo ...<3

  • Steve

    18 de agosto de 2015 às 4:40 PM

    Acredito que minha esposa foi molestada sexualmente. Muitos dos sintomas descritos ela exibiu. Não sei como fazê-la se abrir sobre isso. Definitivamente, está causando problemas em nosso casamento.

  • Mandy

    20 de setembro de 2015 às 16h06

    Eu sofri abuso infantil dos 6 aos 15 anos de idade. Então casei com meu primeiro e único amor aos 18 anos de idade. Depois de anos de abuso, estou solteiro nos últimos 14 anos, mas não tive nenhum relacionamento devido ao medo, estou destinado a ficar sozinho

  • amor anônimo

    23 de setembro de 2015 às 16:39

    Eu sei como você se sente, mesmo aos 21 anos, eu ainda moro com os pais, mas estou em casa agora que entrei em um relacionamento, mas minha mãe ainda insiste em insultar, me machucar fisicamente e me ameaçar, é bom saber que existem sobreviventes que continuam vivendo vida e tentativa e que superaram qualquer tipo de abuso

  • A equipe estilltravel.com

    23 de setembro de 2015 às 19h46

    Obrigado pelo seu comentário, amor anônimo. Queremos fornecer links para alguns recursos que podem ser relevantes para você aqui. Temos mais informações sobre violência doméstica em https://estilltravel.com/xxx/therapy-for-domestic-violence.html e informações adicionais sobre o que fazer em uma crise no https://estilltravel.com/xxx/in-crisis.html

    Atenciosamente,
    A equipe estilltravel.com

  • Privado

    30 de setembro de 2015 às 14h44

    Quando eu era mais jovem, costumava morar com meu pai, uma madrasta e 2 meio-irmão e eu era vítima de abuso sexual e costumava viver sob muitos colegas da minha madrasta e meio-irmãos e ela sempre costumava ser uma das minhas maiores pessoas que eu Costumava ter medo de agora tenho 25 anos morando com minha família, mas meu direito comum Eu sei que ele me ama, mas eu não sei se é minha culpa estar mexendo com este homem por mim Não sei se é por causa de mim passar a vida, mas estou tentando de verdade e acredito que ainda tenho medo dela, não sei

  • Jessica

    21 de outubro de 2015 às 12h58

    Alguém pode me apontar um material em Soaniag que fale sobre como entender parceiros que sofreram abusos?

    Estou começando a perceber que fui abusado por meu avô quando tinha 4 anos sim até?

    Eu gostaria de começar a passar informações para meu parceiro porque tenho estado muito frágil ultimamente.

  • Carrrie

    21 de abril de 2016 às 6h05

    Nunca fui abusado sexualmente por ninguém, que eu saiba. Sei que isso acontece com muitos e, embora seja paralisante para aqueles que foram vítimas de abuso sexual, não consigo entender por que sou aleijado. Quer dizer, tenho outros problemas que as mulheres que foram abusadas não têm. Parece que eles parecem ter relações sexuais e funcionar bem, comparativamente porque eu não consigo nem mesmo entrar em um relacionamento físico com homens. Talvez meus problemas sejam estritamente de gênero. Sempre foi e será uma moleca. Pensei que fosse hétero por um longo tempo, simplesmente não conseguia fazer essa conexão com um homem. Eu tentei quando estava bebendo álcool, mas foi desastroso da primeira vez, depois que só tinha bebido uma noite. Mesmo ainda apenas uma vez, parecia ir do início ao fim. Eu tenho o cara, meu número de telefone real, mas quando ele ligou eu me acovardei e fugi. Mas, para encurtar a história, não são apenas as vítimas de abuso sexual que podem ser disfuncionais. Eu acho que todo mundo está. Acho que todos nós podemos nos enganar e acreditar que sabemos o que estamos fazendo ou nos contentamos com isso, mas é tudo improvisado e não há realmente um padrão definido ou exemplos.

  • Lilian

    4 de maio de 2016 às 18:32

    Lembro-me daqueles dias em que meus pais sempre me diziam que sou inútil e uma perda de espaço, tudo que faço é zombado até não poder mais fazer nada. Eles agora estão vendo as implicações do que fizeram e estão reclamando.

  • Jade

    29 de maio de 2016 às 15:31

    Ok, então quando criança eu era muito insegura e era intimidada por meus primos e membros mais velhos da família, como minha tia e babá, eu sempre fui chamada de bebê chorão e se alguma coisa acontecesse com minha irmã mais nova eu ​​seria culpado e gritaria, às vezes eu era agredido ou chutado pela minha família. Embora alguém próximo à nossa família, como amigos ou os pais do meu pai, tenha visto o que estava acontecendo, eles não fizeram nada para impedir ou me ajudar a lidar com o estresse e o tormento que eu estava passando.
    Minha babá encorajou o abuso quando disse à minha mãe que eu tinha jurado, e isso fez com que minha mãe me empurrasse para baixo e literalmente enfiasse uma barra de sabão em minha garganta até que eu não pudesse respirar.
    Quando fiz seis anos, comecei a puberdade - isso foi algo que me apavorou ​​e quase quebrou meu processo de pensamento quando criança, minha tia me chamava de aberração e minha mãe falava sobre para qualquer pessoa que quisesse ouvir e isso doía porque eu sentia-me profundamente envergonhado pelo que estava passando. Quando fui ao hospital para fazer uma série de exames, pedi à minha mãe que puxasse minha saia para baixo para mostrar ao médico minha vagina para que eles pudessem ver o que estava acontecendo comigo, novamente me senti mortificado e confuso sobre o que estava acontecendo. não tinha ideia do que estava acontecendo e por que - eu simplesmente não conseguia entender o fato de que agora eu era uma 'aberração' para minha família e como minha irmã gostava de dizer aos meus amigos e vizinhos que eu tinha pelos púbicos que precisava para ser cortado com uma tesoura, os meninos mais velhos que moravam nas proximidades se divertiram com esse fato pelo resto do meu tempo naquela propriedade.
    Foi nessa época que fui transferido de uma escola onde a professora me intimidava, ela me manteve para trás depois das aulas e durante o almoço para que eu pudesse trabalhar em algumas das planilhas que já havíamos escrito e preenchido.
    Nessa nova escola eu era intimidado por todos, nenhum professor tentou me ajudar e por causa do meu cabelo ridiculamente comprido, as meninas me acharam um alvo fácil para puxar e cortar o cabelo.
    Nunca fui capaz de entender a importância da escola, a razão da aprendizagem ou de qualquer educação, e fico com vergonha de dizer que aos 18 anos só descobri isso quando estava perto de terminar o ensino médio.
    Quando na escola eu era espancado e xingado, as garotas xingavam e faziam comentários grosseiros que eu não entendia, para que achassem divertido me criticar por isso. Quando me cansei de ficar sozinho no 5º ano, perguntei aos meninos da minha classe se eu poderia brincar com eles, jogos de papel ao vivo, futebol e jogos de cartas logo se tornaram uma alegria para mim, pois eu não estava mais sozinho. a alegria durou pouco, no entanto, quando as meninas ficaram com ciúmes e tentaram quebrar meu nariz e ficar com raiva; Fui chamada de feia, desagradável, disseram que tinha uma atitude ruim e me tornei vítima pelos meus professores. Quando peguei o aparelho no 5º ano, não conseguia falar muito do meu alfabeto; na verdade, minha fala era tão ruim que não conseguia formar uma frase tangível. Meus professores me faziam ficar na frente da classe e falar com eles apenas para se divertir, se meu professor estivesse se sentindo realmente malvado, eles me levariam para a classe do ano um e me diriam para passar o dia aprendendo a formação da fala lá.
    Quando fiz 8 anos meu pai foi embora, ainda o vejo e vou para a casa dele onde ele mora com a noiva, que é a melhor dama de todos os tempos, tão gentil e compreensiva. Minha mãe arrumou um namorado novo, e quando eu tinha 8 anos e meio ele me pediu para sentar no colo dele e assistir um vídeo, eu não queria, então o neguei por algumas semanas, quando ele começou a ficar desesperado e um dia ele me arrastou para o computador e me fez assistir pornografia, algumas coisas como encenações de estupro e abuso de BDSM que eu acreditava na época ser real e não parte de um ato para obter mais visualizações.
    Quando eu fiz 10 anos, ele me fez representar algumas das cenas, nenhuma penetração foi feita, mas coisas como felação, e tocar estava envolvido, eu me senti mal e quando tentei contar para minha mãe, ela me disse para parar de mentir e que ele não faria isso. Quando eu fiz 11 anos, ele me arrastava da cama e me fazia assistir a vídeos enquanto ele me tocava, ainda meio adormecido. Em algum momento, quando eu tinha 11 anos e meio, ele ... me deitou e encenou algumas das cenas de cunilíngua, me senti bem, mas eu sabia que era errado e me senti enojado por pensar que era prazeroso - ainda me sinto assim ... como se eu estava errado?
    Tenho agora 18 anos e já tive um namorado, tudo bem, mas ... quando ele tentava me beijar ou me abraçar, eu ficava assustada com o toque dele e ficava paralisada, isso é normal para a experiência que passei?

    Alguém mais se sentiu assim ??
    Alguém pode me ajudar com as coisas que estou sentindo, eu sinto que nunca terei um relacionamento saudável e feliz nesse ritmo.
    Obrigado.

  • Maggye

    8 de junho de 2016 às 4:19

    Olá a todos,
    Em primeiro lugar, gostaria de enviar amor e paz a todos vocês.
    Eu também sofri nas mãos de um pai e de outros membros da família. Amo tanto esse pai que também tenho que lidar com a culpa dos flashbacks. Saí de casa para o mundo real aos 18 anos com as asas quebradas, sem preparação ou munição, sem avisos ou conselhos. Tive fé, esperança e o que pensei ser um espírito forte e vibrante. Levei mais 19 anos sendo usada, abusada e explorada por outras pessoas para perceber e entender os danos causados ​​a mim na minha infância e adolescência e como isso impactou minha vida adulta, eu não tinha uma identidade com muito potencial. Perdi muito sem saber o que estava acontecendo comigo, uns ganham um limão ou dois outros ganham poucas árvores :)) ... Minhas experiências não me transformaram em uma pessoa odiosa, pelo contrário, tornaram-se enfáticas e muito sensíveis ao dores dos outros, especialmente das crianças. A criança em mim sempre irá ansiar e se perguntar por que eu, o que fiz de errado, talvez eu seja apenas irrelevante e um dia deixarei de existir. A pior sensação é acordar todas as manhãs com uma tristeza avassaladora e nada para esperar…. Já tentei de tudo e não consigo desistir. O caminho para a recuperação é muito longo e difícil, mas não tenho escolha. Uma vez eu tive um sonho de fazer o bem e ajudar a curar o mundo, em vez disso, vou passar o resto da minha vida curando meus próprios traumas ... A Ironia !! Que desperdício de existência até agora! Eu quero muito ser uma pessoa produtiva, mas me sinto vazia.

  • Candice

    28 de agosto de 2016 às 6h16

    Fui sequestrado e estuprado aos 12 anos. Fui à terapia e nunca funcionou. A partir dos 15 anos, tornei-me sexualmente ativa e nunca poderia ser satisfeita por um homem, então sempre traí. Agora estou casado e com 25 anos e ainda traio. É como se eu tivesse um buraco negro que nunca pode ser preenchido. Amo meu marido, mas ainda me sinto vazia, não amada e insatisfeita. Não quero trapacear mais, mas não consigo parar de dormir por aí. É como se eu estivesse com fome de atenção, o que eu recebo muito quando flerto e assim que eu durmo com a pessoa eu perco o interesse

  • D

    29 de agosto de 2016 às 11h20

    Candice,
    enviando bênçãos e amor.

  • Shamarea

    11 de março de 2017 às 12h05

    Eu sou uma jovem de 25 anos que sofreu abuso sexual infantil aos 9 anos por meu padrasto. Fui abusado por minha mãe e meu padrasto constantemente com extensões e cintos. Pediram-me para tirar todas as minhas roupas e me despir para que meu padrasto pudesse me amarrar com lenços de seda para que eu não pudesse me mover, tive que morar na mesma casa como o homem que me molestou. Fui colocado em um orfanato até os 18 anos. Quando eu fiz 14 anos, minha mãe foi esfaqueada até a morte pelo noivo no meio da rua em São Francisco, Califórnia. Posso falar sem parar sobre o trauma e violência doméstica que encontrei. Agora sou pai, minha filha tem 4 anos e estou aprendendo sozinha a ser pai enquanto curo. Também estou em um relacionamento e está dificultando para mim manter meu relacionamento durante a cura, porque tenho medo de me machucar e de quase tudo agora, incluindo ter sucesso em qualquer coisa, duvido de mim mesmo e desisto fácil é há algum conselho ... ou qualquer coisa que ajude lá ...

    Atenciosamente

    Shamarea

  • DF

    12 de março de 2017 às 5:59

    Por favor, não dê. A cura leva tempo e o amor que você sente por sua filha lhe dará o poder de continuar vivendo, sonhando e conquistando. Não tenha medo de se machucar, apenas tenha em mente o que o faz feliz e não negocie isso. Enviando amor e encorajamento.

  • Hillary

    2 de abril de 2017 às 18h07

    Fui estuprada pelo meu irmão quando tinha 12 anos. Nunca contei a ninguém. Cerca de 20 anos depois de casada, não suportava mais ter intimidade com meu marido e não sabia por quê. Comecei a me lembrar do que havia acontecido comigo. Quando contei a meu marido, ele me disse que eu era nojenta e que nunca mais quis me ouvir falar disso. Desnecessário dizer que agora estamos divorciados, mas ainda tenho muitos problemas com confiança e intimidade. Eu nunca disse aos meus pais. Eles estão muito velhos agora e eu não poderia fazer isso com eles. Eu não acho que algum dia estarei completo ou curado.

  • Christy

    2 de abril de 2017 às 22h57

    Hillary, antes de tudo, vamos deixar uma coisa bem clara. Você NÃO é nojento. Estupro é uma coisa horrível .. estive lá. Fui brutalmente estuprada pelo meu ex-marido. Qualquer pessoa que diga que você é nojento por algo que aconteceu além do seu controle tem uma mente muito pequena e não tem ideia do que está falando. Eu também tive muita dificuldade com a intimidade depois, nunca confiei, nunca acreditei plenamente que isso não aconteceria novamente. Uma das minhas melhores amigas foi estuprada em uma festa na faculdade e ela se culpou. Ela nunca contou à família por medo do que eles diriam. O estupro NÃO é sua culpa. Meu ex-marido viu seu irmão mais velho levar sua irmã mais velha no banheiro e dizer a ela para não contar a ninguém, e seu padrasto a fez andar de lingerie aos 11 anos. Há algumas coisas distorcidas acontecendo no mundo, e confunde as pessoas - mas não é sua culpa. Não tenho certeza se algum dia nos curaremos totalmente, pois sempre haverá cicatrizes, mas sei que você pode usar suas próprias experiências e mágoas para que os outros saibam que não estão sozinhos. E isso às vezes é curativo por si só. Os sentimentos solitários e os truques que nossa mente pode fazer são torturantes às vezes. Por favor, saiba que você não está sozinho, e você é uma alma muito corajosa. Há tantos de nós lá fora, e acredito que tenho muita empatia com as muitas dores e provações que as pessoas experimentam porque estive lá. Seja um ouvido atento, ofereça um abraço e sua amizade. Não se esconda. Isso é apenas esconder ao mundo a verdade sobre quantas mulheres sofrem sozinhas com a dor dos abusos atuais ou passados. Posso entender que você não queira contar a seus pais se eles são mais velhos, mas, novamente ... pode ajudar a explicar muitas coisas que eles podem não ter entendido. Essa é sua decisão. Seu ex-marido era ignorante. Deixe ir. Você merece alguém para te ajudar na cura, não te machucar mais. Existem bons homens por aí que se preocupam com o seu coração e com você como pessoa. Não perca a esperança de encontrar a intimidade novamente. Eu não tenho. É difícil, mas não desisti. Manter-se forte. Você PODE ser inteiro.

  • DF

    3 de abril de 2017 às 6h42

    Por favor, mantenha suas esperanças. A cura leva tempo e trabalho, mas no final, você ficará melhor e se sentirá em paz. Lamento que você saiba sobre seu casamento, mas às vezes o que não é necessário, deve ir. O papel do marido é dar-lhe apoio e amor. Enviando bênçãos, abraços e esperança.

  • Alicia

    19 de abril de 2017 às 18:49

    Vou encontrar pela primeira vez a filha da minha amiga que foi abusada sexualmente e quero levar algo especial para ela, o que devo trazer para ela?

  • DF

    20 de abril de 2017 às 8h13

    Duas coisas: 1. Item especial para ela: colar, brincos, etc. Algo que ela possa usar com ela o tempo todo. 2. Traga algo que ela possa usar com seus amigos. Jogo de mesa, um livro onde todos podem escrever coisas bonitas e colocar fotos.